Ancoradouro

Arquidiocese de Maringá esclarece situação da Comunidade “Colo de Deus”, em comunicado

No final do mês de julho  circulou nas redes sociais carta do Arcebispo Metropolitano de Curitiba, Dom José Antônio Peruzzo, ao Arcebispo de Niterói, Dom José Francisco Rezende Dias, na qual tinha por conteúdo o fim do  reconhecimento arquidiocesano dado à Comunidade Colo de Deus, fundada há quinze anos.  O blog apurou que a carta é verdadeira, no entanto, não se verificou publicação em site das dioceses referidas. A Comunidade em questão publicou uma nota afirmando que não havia recebido nenhum documento oficial por parte da Arquidiocese.

Nesta segunda-feira, dia 12, a Arquidiocese de Maringá tornou público um comunicado, através do qual esclarece a situação em que se encontra a Comunidade “Colo de Deus”. “A Arquidiocese de Maringá comunica que a Comunidade Colo de Deus está sendo acompanhada por dois padres, com o objetivo de conhecer os membros da comunidade, fundador, núcleo, carisma e atividades desenvolvidas pelo grupo”, lê-se no início do texto.

Comunidade “Colo de Deus” tem atraído muitos jovens para a Igreja.

Segundo o comunicado, dois padres escolhidos pelo arcebispo Dom Anuar Battisti foram designados como “visitadores” da instituição. “Estamos fazendo um trabalho de acompanhamento de perto e percebemos que há enorme interesse por parte da comunidade em caminhar com a Igreja local”, comenta padre Salvador. De acordo com o padre Rinaldo de Peder, em outubro próximo os visitadores deverão apresentar um relatório,incluindo avaliação sobre os Estatutos da Comunidade de Vida e Aliança, ação pastoral e administrativa, com as conclusões da visita, ao Conselho Presbiteral da Arquidiocese de Maringá.

 

O que diz Dom Anuar Battisti sobre a Comunidade Colo de Deus

“O que tenho a dizer sobre a Comunidade Colo de Deus é que estamos em processo de conhecimento. Sabemos da relevante expressão que este grupo tem frente ao público jovem e que tem feito um bem para a Igreja, ao evangelizar os excluídos. Eles se enquadram no que o Papa Francisco chama de ‘corrente de graça’, como uma expressão fortemente carismática desejosa de evangelizar a juventude e as famílias.

Dom Anuar recorda  palavras do Papa Francisco na  ‘Christus vivit’ e as dirige à Comunidade ‘Colo de Deus’: “A Igreja precisa do vosso ímpeto, das vossas intuições, da vossa fé…E quando chegardes aonde nós ainda não chegamos, tende a paciência de esperar por nós”.

Quanto à possibilidade de aceitação como Comunidade Privada de Fiéis de Direito Diocesano, isso deverá ser avaliado de acordo com as regras canônicas e pastoral, para posteriormente, darmos um parecer colegiado. Como pastor, rogo a Deus para que saibamos acolher as novas expressões de evangelização e que as mesmas saibam também compreender a importância de caminhar com a Igreja e a sua ação pastoral orgânica e articulada. Recordando que ‘somos membros uns dos outros’ (Ef 4, 25), queremos sempre levar o amor de Deus a quem mais precisa; neste caso, especialmente aos jovens.

Trago as palavras do Papa Francisco no final da Exortação Apostólica pós-sinodal ‘Christus vivit’ – ‘Queridos jovens, ficarei feliz vendo-vos correr mais rápido do que os lentos e medrosos. Correi atraídos por aquele Rosto tão amado, que adoramos na sagrada Eucaristia e reconhecemos na carne do irmão que sofre…A Igreja precisa do vosso ímpeto, das vossas intuições, da vossa fé…E quando chegardes aonde nós ainda não chegamos, tende a paciência de esperar por nós’”.

Com informações da Arquidiocese de Maringá. 

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *