Artesanato da Mente

Os inquisidores e suas verdades absolutas

1919 2

verdade3

Eu sempre me encanto com as palavras e a imensa sabedoria do mestre Rubem Alves. A sua maneira de ver a Teologia e o entendimento de Deus são encantadoras e abrem a nossa mente para a transcendência.

Compartilho abaixo algumas palavras do seu texto incrível chamado “Sobre Deuses e Caquis”, que fala sobre os inquisidores. Farei uma breve reflexão a partir dele.

Eu conhecia a psicologia daquele momento que se vivia no Brasil: ‘caça às bruxas’. Eu a aprendera no estudo e na experiência das Inquisições, períodos em que desaparece a inocência e a simples delação já constitui veredicto. A política eclesiástica aparecia como profecia da política secular. As duas são uma mesma coisa. A diferença está em que se numa os deuses aparecem com vestimentas sagradas e perfumes de incenso, na outra as roupas são de outras cores e os rituais litúrgicos seguem outros ritmos.

São momentos metafísicos, em que o sentimento do absoluto é respirado, de forma embriagadora, pelos inquisidores. Na verdade seria possível definir um inquisidor como alguém que ‘cheirou’ o absoluto, e ficou fora de si. A experiência é psicodélica: a pessoa fica possuída pela certeza de estar pisando em terra santa, no centro mesmo do universo, no lugar onde se decide o futuro da história. Ali, naquele lugar, naquele momento, está se travando a batalha pela salvação do futuro. Ela e Deus – não importa o nome que se lhe dê – se con-fundem numa mesma coisa.”

Rubem Alves

Quem são os inquisidores? São aquelas pessoas que estão cheias de verdades absolutas e ainda por cima, falam alto para que suas verdades se sobreponham sobre as demais. Já conheceu gente assim? Eu não só conheci como ainda conheço!

 Não é a primeira vez que falo que tenho um sério problema em conviver com esse tipo de pessoas, porque sou um questionador nato, adoro filosofar e levar as outras pessoas a refletirem junto comigo sobre temas profundos. Mas nessa hora, o que acontece com os inquisidores? Se impõem, impõem seus medos na forma de um discurso autoritário. Na realidade, sempre que isso acontece é porque eles próprios não querem por o dedo na ferida levantada por mim ou por qualquer outra pessoa que proponha uma conversa profunda, uma discussão.

 Eu sempre digo e repito que não existem verdades absolutas, apenas verdades individuais, e estas verdades individuais ainda são apenas fragmentos de verdades, repletas de lacunas e erros.

 É uma pena existir esse dilema sobre as verdades em quase todas as religiões e, principalmente, com seus fiéis.

 O que custa eu ter a minha verdade e respeitar a verdade do outro sem impor a minha? Sem querer dizer que miha verdade é melhor que a dele? Sem esfregar o dedo na sua cara e dizer que ele está errado?… Quem sou eu para impor verdades? É tão difícil assim ter esse relacionamento inter-religioso? Eu acredito sinceramente que não! E é sobre isso que o mestre Rubem está nos falando, com sua linguagem poética e metafórica.

 Não seja um inquisidor! Os inquisidores são pessoas com um pensamento fechado e tomam qualquer pensamento diferente dos deles como uma ameaça, como se eles fossem uma bomba atômica! Você acha que essas palavras que lê agora são uma bomba atômica? Se acha eu prefiro que deixe de ler os meus textos, porque o que proponho aqui é um debate de ideias simples, sem imposições, sem julgamentos, sem exibições de verdades absolutas. Espero que você seja alguém que procura criar suas próprias verdades com consciência e paz, sem escoramentos em ninguém, nem escolhendo um mestre ou guru para ser sua muleta! Você pode ser seu próprio mestre aprendendo com as verdades individuais de pessoas como o grande Rubem e muitos outros, entende?

 Pra quê se fixar em uma única ideia? Pra quê não ler as ideias de determinado autor só porque ele professa uma religião diferente da sua (ou não professa religião alguma)? Faça-se essas perguntas! Elas não vão lhe matar, fique certo disso! Elas vão acender uma pequena luzinha na sua interioridade e lhe fazer pensar por conta própria. Não tenha medo dos seus próprios pensamentos! Eles estão ligados diretamente ao seu coração. O que você pensa é influenciado pelo seu coração, e ele sempre nos leva para onde realmente precisamos ir, mas só ouvimos nosso coração quando estamos livres de verdades absolutas, pacificados e conscientes.

 A frase mais profunda desse trecho é essa: Na verdade seria possível definir um inquisidor como alguém que ‘cheirou’ o absoluto, e ficou fora de si.

 Os inquisidores estão fora de si porque estão o tempo todo olhando para fora e esquecem de viver a transcendência, que é essa experiência de olhar para dentro de si mesmo e encontrar as respostas para as grandes inquietações da vida.

 Os inquisidores estão fora de si, mas você pode viver para dentro, e é isso que quero lhe propor para refletir! Pense sobre isso…

 * Texto complementar

A verdade absoluta e a verdade individual

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Recomendado para você

2 Comentários

  • Jeciene disse:

    Achei que só eu pensava diferente busco ter os olhos do Divino ver como o Espirito e escutar como o Filho. “Como o mar é o Senhor; Tão Grande, Tão Forte, Tão Poderoso”.(Jeciene Teles de Fraga de Deus.)

  • Tatiana disse:

    Quem sabe o acomodar-se nas suas percepções leve ao caminho de perder pessoas, a cometer equívocos e perder a chance de…

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *