Cinema às 8

Os 8 últimos vencedores do Oscar de Melhor Filme, do melhor para o pior

1417 4

12 Anos de Escravidão, de Steve McQueen, é baseado no romance homônimo de Solomon Northup. Com nove indicações ao Oscar, revelou Lupita Nyong’o, que levou o Oscar de Atriz Coadjuvante (e outros oito prêmios) em 2014

Todo ano é a mesma coisa. Há o favorito da crítica e, às vezes, do grande público, quase sempre puxado pelo hype ou pela bilheteria (beijo grande, Avatar!). A verdade é que a Academia é facilmente seduzida por quem segue à risca suas diretrizes, seja por obras de cunho social e/ou histórico importantes ou quando Hollywood escolhe ficar na própria caixinha (oi, La La Land). Mas há, também, espaço para surpresas, como quando Kathryn Bigelow e seu impressionante Guerra ao Terror levaram os prêmios principais da noite concorrendo com James Cameron.

Um dia antes da 89ª cerimônia do Oscar, os editores/críticos do Cinema às 8 olham para trás para comentar os oito últimos vencedores da categoria de Melhor Filme, listados do melhor para o pior em votação interna. Só lembrando que os títulos citados saíram com, pelo menos, duas estatuetas.

12 Anos de Escravidão (2014)
Vencedor de 3 Oscar.

Cruel, doloroso. 12 Anos de Escravidão é uma obra que pulsa mesmo anos após sua premiação. O filme de Steve McQueen foi uma escolha política em um ano de bons candidatos. O tema racial é importante e há uma dívida histórica com a população escrava e o filme retrata bem o período com um personagem marcante – apesar de alguns deslizes no roteiro. O ano trazia ainda bons candidatos, em especial a ficção científica intimista Gravidade e a dramédia megalomaníaca e politicamente incorreta O Lobo de Wall Street. Saiu com um gosto amargo para os fãs do sempre injustiçado Martin Scorsese, mas “12 Anos” persiste como uma obra necessária. (Por André Bloc)

Guerra ao Terror (2010)
Vencedor de 3 Oscar.

Kathryn Bigelow fez história no Oscar. Foi a primeira diretora consagrada pela Academia, o que chega a ser irônico quando lembramos que o filme chegou ao Brasil direto em DVD e só ganhou repercussão depois de consagrado. O roteiro de Mark Boal, com quem Bigelow voltou a trabalhar no competente A Hora Mais Escura (2012), mergulha de forma visceral no psicológico dos soldados durante a Guerra do Iraque para provar o quão viciante consegue ser o vazio do conflito. Brilhantemente dirigido, foi indicado em nove categorias, empatado com Avatar, e deixou James Cameron e Tarantino (Bastardos Inglórios) só na vontade. (Por Rubens Rodrigues)

Spotlight: Segredos Revelados (2016)
Vencedor de 2 Oscar.

Com total domínio do recorte que queria mostrar, Tom McCarthy fez um filme sóbrio e prático. Deixou o livro do jornal Boston Globe, Betrayal: The Crisis in the Catholic Church, com a série de reportagens ganhadora do Prêmio Pulitzer, de lado, e resolveu contar como a equipe jornalística revelou o escândalo de pedofilia na Arquidiocese Católica norte-americana. No Oscar, 2016 não foi um ano exatamente difícil, mas concorrendo com Mad Max – Estrada da Fúria e O Regresso, o que saísse dali seria uma surpresa. O resultado foi uma das mais merecidas escolhas de Melhor Filme dos últimos anos. (Por Rubens Rodrigues)

O Artista (2012)
Vencedor de 5 Oscar.

Em busca de retomar o espírito de um dos períodos mais frutíferos do Cinema, o filme emula a estética e a falta de diálogos falados em suas sequências. O resultado é uma obra que ao mesmo tempo é eficiente em sua proposta, como também traz uma história interessante, ainda que não seja exatamente original. Ponto positivo por retratar bem a derrocada da carreira dos filmes mudos em prol do advento da fala. (Por Hamlet Oliveira)

Argo (2013)
Vencedor de 3 Oscar.

O Oscar de 2013 foi difícil. Na categoria Melhor Filme, ainda que bons concorrentes estivessem na lista, filmes que dividiram a crítica como Django Livre e Lincoln acabaram abrindo espaço para o entediante Argo, um drama que mostra, vejam só, como Hollywood pode ajudar a resolver até mesmo complicadas crises internacionais. Por mais que conte com uma direção competente de Ben Affleck e um bom elenco, esses elementos não foram suficientes para sustentar uma obra hoje já esquecida pelo grande público. (Por Hamlet Oliveira)

Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (2014)
Vencedor de 4 Oscar.

Diretor com um grande sentimento de amor próprio, Iñarritu, após filmes considerados vanguardistas em seu início de carreira, hoje divide a crítica com suas obras. Com Birdman não foi diferente. Tecnicamente impecável, é difícil não perceber que, no fundo, se trata apenas de um filme pretensioso e excessivamente confiante em si mesmo, como seu diretor. Foi responsável, no entanto, por trazer o competente Michael Keaton de volta aos holofotes. (Por Hamlet Oliveira)

Quem Quer Ser um Milionário (2009)
Vencedor de 8 Oscar.

A obra de Danny Boyle não só mostrou o quanto o ano era fraco, mas o quanto o discurso sentimentaloide estava em voga. Entre os cinco indicados, um era moralmente ambíguo, mas bem filmado (O Leitor), outro era dos piores filmes de um dos grandes diretores de sua geração (O Curioso Caso de Benjamin Button), mais um era ótimo, mas soava arrastado para parte da crítica (Frost/Nixon). Ou seja, restava Milk: A Voz da Igualdade, um filme que não é brilhante, mas era a escolha clara. Além deles, tivemos o esnobado O Lutador. E todos estes são melhores do que a história “meritocrática” do garoto indiano que ganhou milhões em um game show. Candidato sério a pior escolha recente do Oscar. (Por André Bloc)

O Discurso do Rei (2011)
Vencedor de 4 Oscar.

Na época, Tom Hooper ainda não era tão mal visto por seus planos “tortos” e excesso de grandes angulares. Parte do ódio a O Discurso do Rei se deve a boa concorrência que enfrentava no ano. Entre os concorrentes, destacam-se dois longas: Toy Story 3 e A Rede Social. O Discurso do Rei é uma história bem contada, baseada em fatos ocorridos há 60 anos. Um passado conhecido. A Rede Social é uma história dinâmica, contemporânea e que lança luz sobre o que estamos vivendo. A escolha da Academia foi, mais uma vez, anacrônica – sem condizer com a realidade do mundo. (Por André Bloc)

 

Recomendado para você

4 Comentários

  • André disse:

    Birdman dividiu opiniões apenas de fãs de blockbusters e do cinema pipoca superficial, entre critícos recebeu notas extremamente altas e notei seu texto tendencioso, poderia mencionar que Birdman venceu: Boyhood, Whiplash, Gone Girl, Nightcrawler, The Grand Budapel Hotel, o ano estava o mais forte dos últimos tempos e ele simplesmente bateu obras dos renomados Fincher, Wes Anderson, Damian Chazelle, Linklater, aliás Boyhood recebeu nota 100 no metacritic, fato esse reservado para obras-prima como Citizen Kane, The Godfather, Casablanca, Lawrence of Arabia etc…

    É um crime o que você disse, da capa ao titúlo sobra originalidade, o take único a trilha sonora diágese destacam, você por acaso viu as atuações de Norton, Emma Stone, Amy Ryan e Naomi Wats? O roteiro é singular, a edição e montagem perfeitos, Lubezki brilhante. Sobram cenas clássicas como o genial plot twist, o final contemplativo ou Keaton de cueca nas ruas, esse que aliás possui muitas camadas e interpreta de modo brilhante, provando que Iñàrritu transita com perfeição entre drama/comédia e fantasia.

    Sua própria fala é controvérsia, elogiou as impecáveis técnicas e disse que Iñárritu faz filmes que dividem opiniões; se a técnica é impecável o filme já se consolida a ser forte candidato e como disse não dividiu opinião coisa alguma, apenas ganha atenção porque quem não gostou é chato a ponto de querer mostrar a todos que não gosta, algo similar ao que aconteceu com Inception do Nolan, com que não gostou muito de Argo (eu).

    E divide opiniões? Faça me o favor de pesquisar antes de dizer as coisas, Babel aclamado e ganhador do Globo de Ouro de melhor filme e considerado injustiçado na premiação estrangeira do Oscar, o debute do mexicano foi com Amores Perros, filmaço inquestionável, 21 Grams também é aclamado, o único que se enquadra ao que você disse é Biutiful, que realmente dividiu opiniões e seu último trabalho foi o excelente The Revenant. Argumento fraco!

    Fazer o que né, ser vago e acusar de pretensão é a muleta contemporânea dos mentes fechadas, a crítica é dele, interprete como crítica, você não precisa concordar, apenas aceitar a mensagem e me desculpe a crítica pode soar pesado, e Fight Club e Blade Runner com bilheteria negativa, enquanto Twilight, 50 Tons de Cinza, Transformers 50, Fast and the Furious 20 e tantas porcarias lotam salas de cinema não soa ofensivo, ou você discorda disso também?

    Concordando ou não você não possui direito de acusar disso sendo que o outro lado da moeda ganhou enfâse, onde você estava quando a crítica iria fazer avalições negativas independente da peça ser boa? Será que você viu que o ex-ator de blockbuster e atual fracassado é na verdade um excelente ator, diretor, produtor e organizador? É por argumentos como esse que o subtítulo ganha peso, realmente é “A Inesperada Virtude da Ignorância”. Enfim, só a presença de Keaton (Batman) é um tapa na cara de argumentos chulos como o teu!

    Birdman é um dos meus filmes favoritos, perde apenas para The Shawshank Redemption e está ali empatado com Fight Club em segundo lugar. Meu objetivo nesse texto foi ultrapassar a barreira do “olha lá o fã defendendo” e apresentar argumentos sólidos. Mas no restante da lista eu concordo com tudo.

  • André disse:

    E perdão pelos erros de escrita, não revisei antes de postar.

  • André disse:

    O mais frustrante foi 2010, além dos citados A Rede Social e Toy Story 3, ainda concorriam Inception, Cisne Negro (meus preferidos do ano), True Grit, 127 Horas, Winter’s Bone, The Fighter e ainda The Kids Are All Right, tirando o último, ao me ver todos são superiores à O Discurdo do Rei.

  • Alinne disse:

    Comentário curtíssimo: Pisa menos! ❤️
    Comentário curto: O Oscar é uma merda, mas fica menos merda com essa diversidade entre os votantes. Representatividade é tudo. Beijo

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − 4 =