Clube da Luta

UFC Rio: Verdadeiro showman

A edição de hoje do O POVO trouxe matéria minha sobre o UFC Rio, realizado na noite de sábado. Compartilho a matéria aqui com vocês.

Na luta mais esperada do UFC Rio, o brasileiro Anderson Silva vence e dá show no octógono

Anderson Silva, o Aranha, comemora após vencer o japonês Yushin Okami, na luta principal do UFC Rio (WILTON JÚNIOR/AE)


Anderson Silva chega concentrado e vai fazendo seu ritual. Como se tivesse as oito patas do seu apelido, escala as escadas do octógono. Percorre o ringue e recebe o carinho da torcida. Abre os braços como quem absorve toda a energia positiva. A plateia grita por sua vitória: “Spider! Spider! Spider!”

Anderson estava em casa. Protagonizou a luta principal da edição 134 do Ultimate Fighting Championship (UFC), maior evento de artes marciais mistas do mundo, na noite de sábado. No HSBC Arena, no Rio de Janeiro, teve sua revanche contra o japonês Yuhsin Okami, para quem perdeu em 2006, por desclassificação. Mais do que isso, defendia pela nona vez o cinturão dos pesos médios.

Era um contra um no ringue. Mas a plateia, em peso, massacrava a pequena torcida levada pelo japonês, que agitava bandeirinhas nipônicas. Num primeiro round equilibrado, Anderson e Okami se respeitaram, estudaram a luta um do outro e fizeram um início de combate equilibrado. No entanto, Okami conseguiu fazer pressão sobre Anderson, que ficou algum tempo contra a grade.

No segundo round, Anderson voltou com outro entusiasmo. Sem arrodeios, voltava para acabar com a conversa. No melhor estilo “Spider” de lutar, esquivou-se dos golpes – como se visse o adversário se aproximar em câmera lenta – e não perdoou o japonês. Chegou a baixar a guarda, quase insinuando que não temia o adversário. Até que desferiu uma sequência de golpes que obrigou o juiz a interromper a luta por nocaute técnico.

A plateia delira. De novo, o Aranha mostra sua superioridade numa categoria quase completamente desbravada.

RESULTADOS

Anderson Silva (BRA) venceu Yushin Okami (JAP) por nocaute técnico;

Maurício “Shogun” Rua (BRA) venceu Forrest Griffin (EUA) por nocaute técnico;

Edson Barboza (BRA) venceu Ross Pearson (ING) por decisão por pontos;

Rodrigo Minotauro (BRA) venceu Brendan Schaub (EUA) por nocaute técnico;

Stanislav Nedkov (BUL) venceu Luiz Cane (BRA) por nocaute técnico.

NOITE ESPECIAL
Festa verde-amarela
O locutor norte-americano Bruce Buffer vestia gravata verde. E as ring girls, mini uniformes verde-amarelo.

FESTA BRASILEIRA
Em português Bruce Buffer apresentou o card principal enrolando um “senhoras e senhores, sejam bem-vindos” em português.

APOIO DOS FÃS
Festa dos fãs de MMA Na hora de dizer o famoso “It’s time!”, o locutor Bruce Buffer contou com o coro dos fãs de MMA.

INGRESSOS ONLINE
Alta demanda O evento gerou a maior demanda simultânea já registrada nas operações de venda de ingressos da Ingresso.com.

MULTIDÃO DE FÃS
Mais de 14 mil
14.845 fãs eram esperados para a noite do show. Às 16 horas uma multidão já se aglomerava no local do evento.

UFC NO BRASIL

De novo?
O presidente do UFC, Dana White, quer trazer o evento de volta ao Brasil. Mas não soube informar para qual cidade.

Veja mais sobre o UFC Rio blog.opovo.com.br/clubedaluta

Pátria de chuteiras e luvas de MMA

Torcedores presentes vibraram muito com vitórias das estrelas brasileiras do octógono

Maurício Shogun, Anderson Silva e Rodrigo Minotauro, ao lado de Dana White (de terno preto), presidente do UFC (WANDER ROBERTO/UFC/DIVULGAÇÃO)


Rodrigo Nogueira “Minotauro” provou mais uma vez por que é a personificação da superação. Vindo de derrota, e recém-recuperado de três cirurgias no quadril e no joelho, que o deixaram de muletas há apenas cinco meses, o “Rocky Balboa brasileiro” venceu o jovem Brendan Schaub por nocaute. Contrariando os fãs que até criaram no Twitter a campanha #FinalizaMinotauro, incentivando o lutador a esquecer o boxe e voltar às suas raízes no jiu-jitsu.

Na arena, os fãs também clamavam por isso. A verdade é que os fãs temiam pela lenda dos pesos pesados, que teve pouco tempo para se preparar para a luta. “Leva para o chão, Minotauro, pelo amor de Deus!”, gritava a torcida a cada golpe perigoso de Schaub. Mas com o nocaute, Minotauro nem precisou. Essa vitória incendiou a platéia do HSBC. Foi sua 40ª luta, mas a primeira no Brasil.

Assim como Minotauro, Maurício “Shogun” Rua já foi campeão do UFC e do Pride. Sabe o quanto a vitória no primeiro round sobre o Forrest Griffin é importante para ele, não só do ponto de vista profissional, quanto motivacional.

“Obrigado Brasil, minha motivação, meu país. Treinei muito duro durante três meses, três vezes por dia para fazer essa grande luta”, vibrava o curitibano. E a torcida cantava: “Ô, o campeão voltou”!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *