Clube da Luta

Após transplante de córnea, atleta cearense volta a competir e conquista medalha de ouro

O que parecia ser o fim de uma carreira promissora no jiu-jítsu caminha para um final feliz. É que o atleta BD Team-Brasa, David Lima Gomes, de 17 anos, superou uma doença rara no olho e retornou aos tatames visando conquistar títulos e se tornar um dos principais nomes da modalidade no Brasil.

David foi diagnosticado em dezembro de 2017 com ceratocone, uma patologia inflamatória que atinge menos de 150 mil pessoas por ano no Brasil e altera o formato de suas córneas. Em casos mais severos – como o de David, que descobriu a doença quando ela já estava em estado avançado -, os portadores precisam de doação de córnea e intervenção cirúrgica.

O então faixa-azul recebeu a doação em abril deste ano e realizou a cirurgia no olho que estava com a doença em estágio mais avançado, uma vez que a recuperação da intervenção é lenta e a córnea é sensível. O procedimento ocorreu no Hospital de olhos Leiria de Andrade, que fica localizado no centro de Fortaleza.

A cirurgia foi um sucesso e estabilizou a doença no olho esquerdo. Entretanto, a patologia está transitando para o outro globo ocular, fato que pode afetar futuramente a visão de David.

Oito meses após a operação, David disputou o Nacional BJJ Open, campeonato que aconteceu no último dia 15 de novembro, no colégio Piamarta, e conquistou uma medalha de ouro. David subiu ao pódio emocionado e descreveu o momento como “incrível”. E como todo bom lutador, já está visando o ano de 2019, bem como as competições na qual ele quer participar.

“A minha preparação para competir em janeiro não vai ter privilégios. Tenho que arrecadar dinheiro para pagar minhas inscrições nas lutas, comprar medicamentos do olho e ainda preciso voltar a estudar”, disse o lutador.

Depois de conquistar o primeiro lugar no torneio e também por conta de sua luta fora dos tatames, David foi graduado e agora é faixa-roxa de sua equipe. Além disso, enquanto David for estiver ligado a BD Team-Brasa, não vai precisar pagar mensalidade na academia.

“O que poderia ser o fim da carreira esportiva dele, acabou que se transformou em uma superação e mais vontade para competir. Admiro ele por toda essa determinação, e que com apenas 17 anos, ele já suportou o que mestres nunca enfrentariam”, disse o mestre e professor de jiu-jítsu de David, Ramom Fernandes.