Discografia

Agora é a vez dos Cranberries

1087 2

A vinda do quarteto Black Eyed Peas a Fortaleza, como uma das atrações da décima edição do Ceará Music, já é um bom sinal de que a cidade está preparada para receber grandes estrelas mundiais da música. Mesmo sem uma regularidade e em baixa frequência, outros artistas internacionais, como Tony Bennett, Billy Paul, Jon Secada e A-Ha, já passaram por aqui. Agora a expectativa fica por conta dos irlandeses do Cranberries que data marcada para 23 de outubro em único show no Siará Hall.

Idealizada em 1989 pelos irmãos Noel e Mike Hogan, respectivamente guitarrista e baixista, o nome original da banda seria The Cranberry Saw Us. Já com o baterista Fergal Patrick Lawler e com a vocalista Dolores Mary Eileen O’Riordan Burton fechando o quarteto e com o nome Cranberries, eles lançaram seu primeiro trabalho, Everybody else is doing it, so why can’t we? e logo de cara emplacaram o sucesso Linger. De lá pra cá, vieram mais quatro discos, muitos sucessos e uma pausa em 2003 que só se encerrou este ano. A separação temporária foi motivada por tensões internas, então eles preferiram dar um tempo para cuidar de outros projetos individuais.

De volta aos palcos com a formação original completa, eles agendaram a turnê que passa por cinco cidades brasileiras, começando por São Paulo. O Discografia foi conferir essa estreia e confirmou a empolgação do público e da banda. “É a egunda vez que tocamos em São Paulo este ano e voltamos porque há demanda por parte do público”, explica o guitarrista Noel Hogan numa conversa rápida e informal com a imprensa. Ele também adiantou que o grupo já está preparando disco novo, que deve trazer novidades em relação ao anterior Wake up and smell the coffee (2001). Ao seu lado, o baterista Fergal Lawler conta que gostou de saber que, na nova turnê, estavam incluídas cidades novas como Fortaleza. “É legal tocar em lugares onde as pessoas estão mais famintas por este tipo de música”. Fergal só lamentou que, embora conheça alguns nomes da MPB, ainda não conhece o rock brasileiro e até pediu sugestões. (minhas sugestões, então, fora Skank, Paralamas do Sucesso, Vanguart e Mutantes. O que mais você sugeriria?)

A admiração mútua entre banda e público pode ser atestada na plateia lotada do Credicard Hall e pela bandeira verde e amarela estendida na frente da bateria. Com 45 minutos de atraso, o show começou com Analyze. Dolores, com um vestidinho vermelho e um blazer coberto de lantejoulas, foi recebida de forma calorosa com um pipocar de aplausos e flashs. Sem economizar os agradecimentos, ela sublinhou cada canção com sua dança robótica e emendou um hit atrás do outro. Tal qual adiantado por Noel, a única novidade do repertório é Electric blue, do disco To the faithfull departed (1996). Mantendo a empolgação, a quinta música é o mega-sucesso Linger. Nesse momento, até quem estava ali por insistencia da(o) acompanhante, se rende e canta junto.

Ao longo de quase duas horas de show, eles passam por baladas românticas, canções pop fáceis e riffs bem pesados. Dolores, a mais aclamada pelo público, é uma sujeita baixinha, magrinha, branquela, que quando solta a voz, como na quase punk Salvation, parece uma leoa. Tanto é, que ela não perde tempo e encerra sua apresentação caminhando no meio do público. Acendem-se as luzes e o público vai embora certo de que viu um ótimo show. E já esperando pra saber qual será o próximo.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=DaBWlBknNgs[/youtube]

Curiosidades do show de São Paulo:

– Os músicos do Cranberries pouco se comunicam durante o show. Vez ou outra, Fergal e Noel trocam olhares e parecem rir de alguma coisa.

– Dolores faz um show à parte, sem trocar nenhum olhar com o resto da banda. Até com o público seu contato é discreto.

– Na última música, Dolores desce do palco e caminha entre os fãs que estão na área VIP. Ela deixou o espaço – por uma porta lateral – antes mesmo da banda terminar a última canção e só retornou depois que o palco já estava vazia. Olhou prac trás, acenou e foi embora sem dizer nada.

>> Set list (com o disco e o ano em que cada canção foi lançada):

– Analyse (Bury the hatchet, 1999)
– How (Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?, 1993)
– Animal instinct (Bury the hatchet, 1999)
– Dreaming my dreams (No need to argue, 1994)
– Linger (Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?, 1993)
– Ode to my family (No need to argue, 1994)
– Wanted  (Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?, 1993)
– Just my imagination (Bury the hatchet, 1999)
– Desperate Andy (Bury the hatchet, 1999)
– When you’re gone (To the faithful departed, 1996)
– Daffodil lament (No need to argue, 1994)
– I Can’t be with you (No need to argue, 1994)
– Waltzing back (Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?, 1993)
– Electric Blue (To the faithful departed, 1996)
– Free (To the faithful departed, 1996)
– Salvation (To the faithful departed, 1996)
– Ridiculous Thoughts (No need to argue, 1994)
– Zombie (No need to argue, 1994)
> Bis
– Shattered (Bury the hatchet, 1999)
– Astral projection (inédita em disco)
– Promises (Bury the hatchet, 1999)
– Dreams (Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?, 1993)

2 Comentários

  • César disse:

    Informações sobre o álbum de cada música errada. Analyse é do álbum Wake Up And Smell The Coffee. Mas isso passa.

    Agora, dizer que a vocalista Dolores não troca olhares com o resto da banda e com o público é forçar demais.

    Se quem escreveu não viu durante o show, a gente perdoa. Mas basta olhar os vídeos no youtube. Em todas as canções ela se comunica, olha para o público, conversa, convida-os para cantar. Em várias canções ela troca olhares e até pára diretamente de frente para o baterista e também para o guitarrista.

    Para tirar mais alguma possível dúvida, todas as outras resenhas de jornais impressos e mídias destacam a comunicação entre a vocalista e o público.

    Valeu pela atenção, César. De fato eu troquei o nome do disco da música Analyse. Que bom que isso passa.
    Quanto ao fato de ela não tocar olhares com os companheiros de banda, é verdade. Inclusive aquele velho abraço coletivo com todos juntos no palco para a despedida não rolou lá em São Paulo. Já o contato com o público é caloroso até certo ponto. O show é ótimo e surpreendente. Dolores recebe presentes, mostra para o público, grita e canta muito bem. Mas, sorrisos são bem poucos.

  • Luis Fernando disse:

    Concordo com o César!
    De fato, ela mostra-se muito calorosa e atenciosa com o público e troca muito olhares com os outros integrantes (basta ver as diversas vezes em que ela se aproxima do Noel e troca olhares com ele, mesmo durante as canções).
    Gostei da resenha, entretanto, achei essa informação imprecisa.

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.