Discografia

Karina Buhr e mais novidade no cenário musical independente

764 2

Por Camila Holanda (

A cena musical independente do Brasil ganha um novo disco. Karina Buhr lançou e disponibilizou Longe de onde para download em seu site oficial. É o segundo trabalho solo da artista e traz onze composições cheias de malemolência, arrastando o ouvinte para um universo, digamos, transcendental. Em novembro e dezembro haverá shows para o lançamento do disco. Na rota, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Campinas. Bem que Fortaleza poderia ser inclusa.

As ligações com a cultura pernambucana são evidentes, devido à criação que a baiana Karina teve em Recife, além de elementos da cultura pop e do rock. Muita guitarra e percussão em cima de letras bem elaboradas e maduras também marcam as composições do novo disco.

Karina sabe bem manipular as palavras e casar com os arranjos feitos em parceria com o grupo de músicos que trabalha com ela. Neste trabalho, destaque para a participação na guitarra do cearense Fernando Catatau, integrante da banda Cidadão Instigado.  Além dele, participam os músicos Bruno Buarque, Mau, André Lima, Guizado, Edgard Scandurra, Otávio Ortega e Guilherme Calzavara.

Cara palavra é a primeira faixa do disco e é a única a ter videoclipe, até agora. As imagens foram gravadas no Marrocos, em um lugar que parece ser uma feira. O disco todo é uma viagem incomum, e a ausência de linearidade temática encanta. Copo de veneno carrega um tom pessimista, mas logo em seguida é quebrado por Amor brando, expondo um sentimento delicado, por meio da suavidade de letra e guitarra.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=-wAffc_unUE[/youtube]

A vida artística de Karina Buhr precede a carreira solo. Em 1994, integrava o maracatu Piaba de Ouro, na Bahia, e, depois, participou do Estrela Brilhante. Em Pernambuco de 1997, tomou a frente do grupo Comadre Fulozinha, que lançou três discos e teve as ilustrações dos encartes assinadas por ela.  Ainda atuou em outros grupos, como Eddie, Bonsucesso Samba Clube, DJ Dolores, Véio Mangaba e suas Pastoras Endiabradas, além de trabalhos no teatro e na dança.

A bagagem cultural multifacetada permite que Karina Buhr faça experimentações em cima e fora do palco. Desde a ousada maquiagem às performances particulares. Uma palavra define o que ela faz: arte.

2 Comentários

  • Rebeca disse:

    Descobri Karina Buhr por acaso na net, apesar de que já tinha ouvido falar nela. Mas não por acaso continuo a ouvi-la. Ela tem um estilo próprio que acrescenta algo de muito bom a musica brasileira; e não é só seu sotaque pernambuco que marca esse estilo, mas suas composições cortantes e um som meio que traz uma fúria, uma crítica (ao que?)… Não sei bem, talvez a maneira meio burra de se viver sem aproveitar os momentos como deveriam ser aproveitados. Sem nos propormos refletir, questionar…

  • Souto disse:

    Muito legal essa matéria sobre Karina Buhr, apesar de conter várias informações equivocadas a seu respeito: Ela não é Baiana, o Maracatu Piaba de Ouro não é da Bahia, enfim todos são de Pernambuco.

    Oi, Souto,
    Não foi um equívoco, A Karina Buhr é mesmo baiana, de Salvador. Ela só foi morar em Recife aos 8 anos de idade. Obrigado pelo contato.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.