Discografia

Fabiana Cozza estreia hoje em Fortaleza sua homenagem a Clara Nunes

Foto Fabiana Cozza - credito Fernanda GrigolinDepois que o samba voltou a ser moda entre a juventude, um nome sempre é citado nas rodas de batucada: Clara Nunes. A mineira nascida como Clara Francisca Gonçalves Pinheiro foi mais que uma voz marcante, mais que a primeira mulher a vender 100 mil cópias no Brasil. Afinada com a tradição do samba e o respeito aos orixás, a cantora de Caetanópolis conquistou o País inteiro com seu sorriso e seu porte de guerreira. Na contramão dos conceitos atuais, ela ainda trocou os cabelos lisos por um permanente afro que reforçou a crença nas raízes do seu repertório.

Muitas novas cantoras, que dizem se espelhar em Clara, copiam essa imagem fartamente e acham que isso é suficiente. Uma exceção a essa regra é a paulistana Fabiana Cozza que lançou em 2013 o projeto Canto sagrado (clique aqui e leia a crítica), uma homenagem à intérprete de Portela na avenida que transcende à ideia de tributo. Lançado em CD e DVD, o trabalho rendeu documentário e uma turnê que chega esta semana a Fortaleza.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=PPQ7vpfOy0k[/youtube]

O projeto Canto sagrado nasceu por acaso, em 2012, ano que Clara Nunes completaria 70 anos. Durante um show, Fabiana Cozza quis celebrar a mineira e acrescentou Conto de areia (Toninho/ Romildo) ao set list. “E me deu uma intuição de que deveria fazer uma homenagem. Resolvi consultar as bases mais íntimas e fui em frente”, explica por telefone a cantora que foi em busca de mais informações sobre a homenageada e aproveitou a experiência com teatro para criar um conceito para o espetáculo.

Nessa imersão no universo de Clara Nunes, Fabiana Cozza chegou à pequena Caetanópolis, no interior de Minas. Lá, ela conheceu a casa onde Clara nasceu e sua irmã Dindinha, que hoje cuida do projeto para crianças carentes deixado pela cantora falecida em 2 de abril de 1983. “Dindinha já vinha cansada de uma exposição que não correspondia à imagem da Clara e ninguém dava bola ao projeto que a Clara queria, que era a creche”, explica a cantora, que conta detalhes do projeto no documentário que acompanha o disco Canto sagrado.

Foto Fabiana Cozza - credito Fernanda Grigolin _ em altaA imagem de Clara Nunes a que Fabiana se refere é aquela tantas vezes copiada por quem presta homenagens à cantora, como o colar de conchas e os cabelos crespos. Por isso, a paulistana, que já conta 18 anos de carreira, foi fiel à própria história e se dedicou somente às canções. Com seu timbre grave e interpretação forte, ela agrega grandes sucessos, como Feira de mangaio e Portela na avenida, com momentos menos óbvios, como Candongueiro e Bafo de boca.

Diferente do clima apoteótico de Ser de luz, projeto de Mariene de Castro em homenagem a Clara Nunes, o grande trunfo deste Canto sagrado está na simplicidade. Com produção musical de Paulão 7 Cordas, o espetáculo sublinha cada palavra de uma das mais fortes intérpretes brasileiras, sem esquecer a história de quem está prestando a homenagem. “Minha ideia não era ser a Clara, mas ser a Fabiana homenageando aquela grande artista brasileira. E queria uma homenagem luminosa, por que é assim que ela é descrita e lembrada”, explica Fabiana.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=9Fe2Swb1YIo[/youtube]

Com quatro discos e dois DVDs lançados, Canto sagrado é o primeiro trabalho de Fabiana Cozza feito com incentivo público. Nos anteriores, ela optou pelo caminho independente, contando apenas com a colaboração de amigos e tirando dinheiro do próprio bolso. Ainda assim, o apoio para o novo projeto era somente para o DVD, mas ela fez o “milagre dos peixes” e conseguiu esticar para o CD e o documentário. “Se tem uma característica minha que é muito parecida com a Clara é que também sou muito guerreira. O que tenho para oferecer (ao público) é o meu ofício”, encerra Fabiana.

Serviço
Fabiana Cozza – Canto Sagrado
Quando: quinta-feira (14) e sábado (16), às 20h; domingo (17), às 19h
Onde: CAIXA Cultural Fortaleza (Av. Pessoa Anta, 287 – Praia de Iracema)
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). À venda no local
Outras informações: 3453.2770

Saiba mais:
> Em Fortaleza, Fabiana Cozza participa ainda de dois eventos na Caixa Cultural. Na sexta-feira (15), às 16h, ela conversa com o público sobre o processo criativo de Canto Sagrado. No sábado (16), às 15h, ela realiza o workshop A Voz do Corpo, direcionado a cantores e atores. Serão 20 vagas para o workshop, com inscrições pelo e-mail nene@fabianacozza.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.