Discografia

Projeto Nívea Viva chega a sua quinta edição e faz homenagem ao rock nacional

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Depois de samba, bossa nova e soul music, chegou à vez do rock ganhar os palcos do País com o projeto Nivea Viva Rock – que nesta edição reuni no mesmo palco Nando Reis, Paula Toller, Paralamas do Sucesso e Marjorie Estiano. 

O roteiro musical inclui hits do fim dos anos 1950, com Banho de Lua, que homenageia Celly Campello (falecida em 2003). Rita Lee, é saudada em sua fase como Mutante, em canções como Ando Meio Desligado e Panis et Circenses, interpretadas por Paula Toller. Raul Seixas é lembrado por Nando Reis, encarregado de cantar Gita. A apresentação ainda inclui dueto de Nando com Herbert Vianna interpretando Marvin, sucesso dos Titãs. “Adorei o convite. É sempre divertido tocar com amigos. E dividir o palco com os Paralamas é sempre um prazer”, afirma Nando.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A banda é composta por João Barone (Paralamas), Dado Villa-Lobos (Legião Urbana), Maurício Barros (Barão Vermelho), Milton Guedes e Rodrigo Suricato. No bloco dedicado a década de 1990, Dado Villa-Lobos assume o microfone para cantar Anna Julia, de Marcelo Camelo. O show tem direção musical de Liminha.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Embora circule por quase toda a história do rock nacional, o espetáculo enfatiza os anos 80, onde surgiram os Paralamas, Nando Reis (Titãs) e Paula Toller (Kid Abelha). “O projeto é uma ótima chance para expor um pouco mais da nossa força. Temos certeza de que a maioria deste repertório pega no emocional de todos na plateia e posso garantir que no palco também rola esse sentimento”, declarou João Barone, baterista dos Paralamas.

Convidada para participar da edição após o afastamento da cantora Pitty, Marjorie Estiano é a voz mais nova em cima do palco. “É uma oportunidade de intercâmbio, de energia única e valiosa pra todos, onde quem está buscando caminhos e quem procura caminhos novos se encontram”, afirmou. Pitty foi afastada da turnê por ordens médicas, durante a gravidez do primeiro filho.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Essa é a quinta edição do evento que já teve shows dedicados a Elis, feito por Maria Rita; Tom Jobim, interpretado por Vanessa da Mata; e ao samba, feito por Roberta Sá, Diogo Nogueira, Alcione e Martinho da Vila. No ano passado, a homenagem dedicada a Tim Maia foi feita por Ivete Sangalo e Criolo.

Confira a entrevista feita pelo DISCOGRAFIA com alguns participantes do projeto:

Discografia: João Baroni, O Rock nacional comemora 60 anos e Os Paralamas tem uma grande representatividade nesse cenário. Como vocês avaliam isso?

Baroni: Nas várias fases do rock no Brasil, os anos 80 tiveram um papel destacado naquele momento onde acabou a censura. Havia enfim total liberdade de expressão e deixamos nossa marca. O Paralamas teve a oportunidade de mostra para o que veio. Abrimos portas.

Discografia: E como vocês avaliam o lugar do Rock hoje?

Baroni: Depois de um período onde foi colocado na berlinda, explorado comercialmente e “esquecido” pela grande mídia, atualmente o rock permanece no lugar onde sempre esteve, esperando seu público fiel nos festivais, shows e consumindo sua produção de forma direta. Se é melhor ou pior que antes, é uma questão filosófica. Atualmente, continuar tocando, compondo e fazendo shows se tornou um privilégio, um visto renovado. E esse projeto veio como uma ótima chance para expor um pouco mais da força do rock brasileiro. Temos certeza de que a maioria deste repertório pega no emocional de todos que estiverem no show e posso garantir que no palco também rola esse sentimento.

Discografia: Marjorie, você é “caçula” da turma em cima do palco. Como tá sendo essa experiência?

Marjorie: É uma felicidade enorme estar nesse palco ao lado de artistas que fazem parte da minha formação cultural. São artistas que estabeleceram brilhantemente a sua marca na música brasileira e que continuam produzindo, ou seja,  é uma oportunidade de intercâmbio de energia única e valiosa pra todos, onde quem está buscando os seus caminhos e quem procura caminhos novos se encontram. Tenho fascínio por essa troca e me sinto imensamente privilegiada por ser uma pecinha nesse organismo.

Discografia: E você se considera uma cantora de rock?
Marjorie
: Vejo a influência dos mais diversos timbres, gêneros e escolas como uma constante no universo contemporâneo. Ficou muito mais difícil categorizar estilos hoje em dia, um dos efeitos da globalização. Acho que os rótulos têm a função de tentar localizar, setorizar…porém acredito que, ou cada setor vai precisar acolher inúmeras variações, ou precisaremos de novos rótulos. Sim, me considero. Não, não me considero. Talvez me considere.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.