Discografia

Caetano Veloso e a política do afeto

Fotos: Maria Clara Medeiros

Quem esperava muitos “ele não” na noite do último sábado deve ter saído decepcionado do Centro de Eventos. Na segunda passagem da turnê Ofertório por Fortaleza, a maior parte dos comentários políticos foi feita pelo público que não se furtou o direito de usar bandeiras, adesivos e puxar palavras de ordem. Já sobre o palco, Caetano Veloso e seus filhos contaram histórias que saíram de Santo Amaro da Purificação e ganharam o mundo. Ainda assim, na hora do bis, sozinho no palco, Moreno puxou o assunto com um “primeiramente, ele não” e se disse do orgulho de ter antepassados cearenses.

O tom de Ofertório era outro. Caetano e seus filhos Zeca, Tom e Moreno falaram de muitos brasis, de família, de respeito, da Bahia, do Rio de Janeiro, do mundo todo. Logo na abertura, Alegria Alegria transportou o público – que encheu o espaço sem aperto – para o fim dos anos 1960, tempos de ditadura e tropicalismo, de festivais de música, luta por democracia, contracultura e sol nas bancas de revista. Seguindo o roteiro que já foi registrado em CD e DVD, a canção foi a largada para uma grande viagem entre muitas memórias.

Em entrevista ao O POVO, Caetano Veloso contou que chegou a cogitar a presença de músicos profissionais em Ofertório. No fim, a ideia foi dispensada e figuram apenas ele e os filhos em cena, com suas qualidades e limitações técnicas. Abraçados por um lindo cenário de Hélio Eichbauer, que remetia Guimarães Rosa e crescia os sentidos com a iluminação impecável, os quatro estavam à vontade para conversar sobre religião, gostos musicais e outros temas, à medida que emendavam Trem das Cores, Deusa do Amor, A Luz de Tieta, Alguém Cantando e Genipapo Absoluto. Muitas delas acompanhadas de histórias sobre como e quando nasceram.

Mesmo sem sair do roteiro (e sendo a segunda passagem por Fortaleza), o público não deixou de aplaudir os momentos mais esperados do show. Zeca Veloso garantiu a concentração em Todo Homem e ainda tentou ensaiar uns passos duros de samba. Tom fez a dança do passinho em Alexandrino, antes de sentar e entornar uma garrafa inteira de água. Moreno também sambou ao lado do pai e era o mais sorridente dali. E Caetano, visivelmente rouco, exalava a sobriedade da experiência e da realização de estar ao lado dos filhos. Orgulhoso, mas discreto, em muitos momentos, era possível vê-lo atento aos movimentos deles, como se fosse um jurado do The Voice. Mas ali ninguém seria “excluído do programa”, já que Ofertório é uma bela cerimônia familiar, uma passagem de bastão para uma nova geração de compositores que, como disse Moraes Moreira em 1980, “vai botar pra quebrar lá pelos anos 2000”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.