Fisioterapia & Saúde

Acupuntura ajuda quem passa por quimioterapia

Pesquisa desenvolvida pela USP há três anos trata efeitos colaterais de pacientes com câncer

O tratamento com acupuntura melhora a qualidade de vida de pacientes que estão passando por quimioterapia. O resultado faz parte de uma pesquisa da Escola de Enfermagem da USP-RP. A acupuntura funciona como terapia complementar e diminui os efeitos colaterais da quimioterapia, como náuseas, perda de apetite e dor no corpo, além de ajudar no equilíbrio emocional dos pacientes.

A pesquisa é realizada em pacientes do hospital Beneficência Portuguesa há três anos. A professora responsável pela pesquisa, Namie Okino Sawada, diz que a terapia complementar faz parte do avanço da medicina. “Antes a preocupação era prolongar a vida de um paciente, agora a medicina acha necessário também melhorar a vida desse paciente que passa por tratamento com efeitos muito significativos.”. Silvia Helena de Almeida Magalhães, 60 anos, participa da pesquisa há dois anos. Ela fez quimioterapia por um ano e meio para tratar de um câncer no mediastino (região torácica do corpo). “Os benefícios são tão evidentes que meu médico se surpreendia, pois eu era a única paciente que nunca reclamava.”

O estudo mostra que os pacientes que recebem a terapia complementar uma vez por semana são beneficiados com efeitos curativo e preventivo. “Aqueles pacientes que vêm uma vez por semana para a aplicação das agulhas têm o fim dos efeitos colaterais existentes e já estão se prevenindo de possíveis efeitos nas próximas sessões de quimioterapia”, disse a pesquisadora, Adriana Cristina Nicolussi.

A médica responsável pela aplicação das agulhas, Liyoko Okino, diz que a técnica busca o equilíbrio tratando dores agudas e crônicas, melhorando a imunidade do paciente e o emocional. “A acupuntura melhora o potencial de autocura do paciente e para isso é preciso que ele esteja em equilíbrio físico e emocional.” (Maria Carolina Freitas)

Atendimentos são no Gaceon

Os atendimentos aos pacientes com câncer são feitos no Grupo de apoio ao Centro Especializado de Oncologia da Beneficência Portuguesa (Gaceon). A entidade, sem fins lucrativos, existe há 15 anos e funciona ao lado do hospital. O Gaceon tem cerca de 30 voluntários e oferece serviços como fisioterapia e atendimento psicológico, além de cursos como costura e bordado. A entidade oferece também café da manhã e lanche no período da tarde. Joana D’arc de Sá, 40, procurou pelo tratamento indicada por uma amiga e está otimista com os resultados. “Vim com muita força de vontade, pois acabei de fazer uma sessão de quimioterapia e estou sentindo todos os efeitos colaterais, mas acredito que vai ser muito bom.” Todos os serviços realizados pelo Gaceon são mantidos por doações. “Quem puder ajudar nós agradecemos, porque oferecemos tudo gratuitamente”, disse a presidente da entidade, Rosângela Valim. O Gaceon fica na rua Bernadino de Campos, 118.

Fonte: www.gazetaderibeirao.com.br