Fisioterapia & Saúde

Quem é o Responsável?

304 1

Ao longo das minhas formações profissionais: graduação em Fisioterapia e Pós Graduação em Acupuntura e Osteopatia e ainda na formação nos métodos/conceitos Maitland, Mulligan e Mobilização Neural, passei a mudar meu modo de pensar e agir frente as pessoas que tenho a oportunidade de atender em meu consultório.

Para quem não conhece as Filosofias Chinesa e Osteopática deixo aqui uma breve explicação sobre ambas, iniciando pela Filosofia Chinesa, a qual rege a Acupuntura.

A Medicina Tradicional Chinesa – MTC trata as pessoas como um todo, assim como todas as terapias ditas alternativas, denominadas de forma mais coerente pela Organização Mundial da Saúde – OMS por Práticas Integrativas e Complementares. Para a MTC e, consequentemente a Acupuntura, o corpo saudável é corpo que está em equilíbrio, sendo este relacionado a emoções, atividade física, atividade sexual, trabalho e alimentação, ou seja, se há algo afetando um desses aspectos o organismo torna-se suscetível a doenças.

A filosofia osteopática não pensa exatamante da mesma forma que a MTC, mas quem já teve a oportunidade de estudar ambas deve ter chegado a conclusões similares as minhas: o corpo é único e é sim capaz de recuperar-se sozinho.  Não é por acaso que, Andrew Taylor Still, criador da Osteopatia, tenha citado, há cerca de 120 anos, como um dos princípios da Osteopatia: o Poder  Curativo da Natureza, isto é, nosso corpo tem o poder de cuidar das nossas desarmonias.

Passando a pensar com a mentalidade destas duas filosofias passei a empregar em minha metodologia de tratamento o seguinte moto: “Eu sou apenas uma peça do quebra-cabeça, a qual equivale a 5% do todo e o indivíduo que vem em busca do tratamento representa os outros 95%”. E é assim que devemos pensar e agir, não somos pessoas com poderes sobrenaturais e sim meros seres humanos responsáveis por transmitir a outros seres humanos, através de tratamentos, que eles precisam modificar algo no seu modo de ser e agir.

Há 5 mil anos a MTC disse que pessoas com grandes níveis de irritação são mais suscetíveis a desenvolver massas corporais. Poucos anos atrás foi publicado em revista científica: “pessoas que se irritam e estressam são mais suscetíveis a desenvolver um câncer”. Esse Câncer nada mais é que as massas citadas há cinco mil anos.

Você, profissional de saúde, nunca deve se imaginar como instrumento de cura, mas sim como instrumento de auxílio. Não nos é inerente curar, porém nos é inerente usar nossos conhecimentos para auxiliar o organismo a restaurar seu equilíbrio.

A MTC  fala em duas energias: Pré-Celestial e Pós Celestial, para ficar mais simples imaginemos a primeira como a genética adquirida através de nossos pais, ou seja, não renovável e que se exaure ao longo dos anos e a segunda como a energia adquirida através dos alimentos, líquidos e ar, isto é, renovável. Partindo deste princípio, sempre digo aos meus pacientes: um corpo que respira bem e que alimenta-se bem tem nisto todas as ferramentas para a cura aos males que o afligem, não é por acaso que aqueles 10% de dor que não cessam só vem a sumir depois que o indivíduo passar a praticar alguma atividade física.

Somos, enquanto ocidentais, pessoas preocupadas com a cura e não com a prevenção. Quando mudarmos nossos paradgimas e passarmos a ser pessoas preocupadas com a prevenção passaremos a usar as ditas terapias complementares não como fonte de cura e sim como fonte de prevenção, passaremos a nos alimentar não para nos saciar e sim para repor nossas energias e nos tratar de desarmonias.

Na China pacientes terminais que buscam a MTC são orientados a buscarem a Medicina Ocidental, pois a MTC é usada para prevenir e não para curar, quando as pessoas a buscam para cura lhes é dito: você passou a vida inteira sem cuidar da sua saúde, por que agora quando nada mais é possível você vem em nosso encontro? Aquele que planta vento irá colher tempestade.

A nossa saúde não é responsabilidade de terceiros, é responsabilidade nossa, nós é que devemos preservar nosso corpo, nós é que devemos buscar nos alimentos , atividade física e terapias preventivas a chave para uma vida saudável.

Por: Ewertom Cordeiro

1 comentário

  • Fernanda Pontes disse:

    o interessante é que quando estamos doentes e vamos ao médico mal somos examinados e é passado uma tonelada de medicamentos! se a maioria dos médicos tivesse essa consciência, com certeza o índice de erro médico cairia bastante!

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *