Fisioterapia & Saúde

Milhares de estudantes fazem o Enade 2010

Assessoria de Imprensa Inep/MEC

Transcorreu em clima de tranquilidade a aplicação do Enade 2010. O Inep não recebeu nenhum registro de ocorrência grave na aplicação do exame. As provas e os gabaritos estarão à disposição na página eletrônica do Inep na próxima terça-feira, dia 23 de novembro. O participante que ainda não preencheu o Questionário de Estudante do Enade, disponível em http://enade.inep.gov.br/enadeIes/, pode fazê-lo até às 23h59 de hoje, 21/11.

As provas tiveram dez questões de avaliação da formação geral, comum aos cursos de todas as áreas, e 30 questões específicas para cada área. Nas duas partes, as questões foram discursivas e de múltipla escolha, envolvendo situações-problema e estudos de caso.

Questões foram elaboradas por professores universitários

Em 2010, o Inep promoveu diversas mudanças na operacionalização do Enade. A principal delas ocorreu no processo de elaboração das provas. Nas edições anteriores, essa atividade era desenvolvida por uma única empresa ou consórcio contratado para aplicar o exame. Para esta edição, a elaboração das provas foi coordenada diretamente pelo Inep, a partir de um banco de questões elaboradas por professores de instituições de ensino superior (IES) do Brasil, o Banco Nacional de Itens do Enade (BNI-Enade).

O BNI-Enade é um acervo de questões (ou itens) elaboradas a partir de matrizes de conteúdos, competências e habilidades pré-definidos, que permitem a montagem de provas que buscam estimar com a maior precisão possível a proficiência dos estudantes com relação aos conteúdos de seus respectivos cursos de graduação. Um aspecto fundamental desse modelo reside no fato de que a constituição do banco conta com a participação de docentes universitários de todo o País. “Essa abertura aos docentes promove o aumento da participação da comunidade acadêmica nos processos de avaliação da educação superior, trazendo ainda mais transparência às atividades desenvolvidas pelo Inep”, explica o presidente do órgão, Joaquim José Soares Neto.

Por meio de edital de chamada pública, os professores interessados em participar da elaboração de itens realizaram cadastro junto ao BNI. Foi registrada a inscrição de 7.642 docentes de IES públicas e privadas de todas as unidades da federação. Desse total, 4.325 professores se inscreveram para elaborar questões de Formação Geral e 510 como revisores de língua portuguesa. Para as áreas e cursos superiores de tecnologia (CST) avaliados pelo Enade 2010, o total de inscritos foi de 2.807 professores, sendo 1.838 (65,5%) inscritos como elaboradores e 969 (34,5%) como revisores.

Nos termos do edital, o Inep convocou 400 professores, sendo 320 elaboradores e 80 revisores técnico-pedagógicos. O grupo participou de uma capacitação visando compreender os objetivos das provas do Enade, bem como conhecer regras e técnicas para a elaboração de itens. Em seguida, foram promovidas oficinas de elaboração de itens para o BNI-Enade. Para participar do processo, os professores assinaram termo de compromisso e sigilo com o Inep, assegurando que as questões elaboradas, além de inéditas, não teriam divulgação fora do BNI sob nenhum aspecto.

Durante as oficinas de elaboração e revisão, realizadas ao longo deste ano, foram elaborados 3.457 itens, distribuídos entre as 19 áreas, mais formação geral e de Cursos Superiores de Tecnologia avaliados. Desse total, 3.126 itens (90,4%) foram considerados técnica e conceitualmente aprovados pelos especialistas de cada área.

Após diversas fases de revisão das questões, o Inep, com o assessoramento técnico de professores das áreas e CST, selecionou 580 itens para compor as provas do Enade 2010, aplicadas nesse domingo.

Segundo a diretora de Avaliação da Educação Superior do Inep, Cláudia Griboski, “o principal aspecto a ser destacado é a abertura para a participação cada vez mais efetiva da própria comunidade acadêmica nos processos de construção dos instrumentos de avaliação da educação superior brasileira” Griboski diz ainda que “no caso das provas do Enade, convocar professores por uma chamada aberta à participação de todos é a garantia de que o Inep está promovendo a pluralidade no processo avaliativo, consolidando o diálogo entre o avaliador e o avaliado.”