Fisioterapia & Saúde

1° Turma de Fisioterapia Articular Analítica no Nordeste– Conceito de Sohier.

Recife foi palco da primeira turma de formação do método Sohier no nordeste. Entre esses profissionais o fisioterapeuta cearense João Godim Neto que comentou essa formação:

 ” Foi de uma satisfação imensa está durante três meses, apreendendo uma nova visão da fisioterapia para a reabilitação articular com uma turma maravilhosa de 12 excelentes fisioterapeutas,  só crescemos uns com os outros em nossa aprendizagem ao lado do fisioterapeuta francês e mestre no método  Richard Biton.”

Sobre o método sohier:

O Conceito Sohier é um metodo de terapia manual que  tem como função garantir a estabilidade das articulações, para isso usa a fisioterapia analítica para avaliar como se origina os processos patológicos , e posteriormente trata-los na  maneira  mis eficaz.

Utilizado na Europa desde 1945, o conceito foi desenvolvido por Raymond Sohier que, após anos de estudos, constatou que o bom rendimento de uma articulação não é sinônimo da boa saúde tissular da mesma. Isso significa que o movimento, mesmo reeducacional, não oferece jamais a possibilidade de corrigir uma lesão articular. O movimento não apresenta fundamentalmente nenhuma eficiência terapêutica, apenas irá se adaptar à lesão. Já na Fisioterapia Analítica, o terapeuta pode influenciar de maneira favorável nos equilíbrios biológicos dos tecidos pela a rearmonização articular.

Respeitado em todo o mundo e ganhando cada vez mais adeptos, no Brasil, o Conceito Sohier tem entre os seus principais objetivos garantir, melhorar e estabilizar os equilíbrios mecanogênicos dos tecidos articulares, periarticulares e musculares. Portanto, é profundamente eficaz para o tratamento de todas as patologias que envolvem alguma alteração funcional dos tecidos como artroses, tendinites, periartrites, colunas escolióticas, epifisites, hérnias discais, hérnias de schmorl, metatarsalgias, coxoartroses, síndrome do túnel do carpo, alterações de ATM, entorses sacro-ilíacos, gonoartroses, epicondites, etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *