Fisioterapia & Saúde

Médicos não são mais profissionais de saúde no Ceará?

328 32

Publicidade do hospital regional do Cariri promove distinção entre profissionais de saúde e médicos em  sua publicidade na TV,  é enfatizado a quantidade de médicos contratados e de forma separada o número de profissionais de saúde,  nos chama atenção o fato dessa separação ao mesmo tempo podemos indagar a que  área  pertencem os profissionais que exercem medicina, de qualquer forma seja um erro publicitário ou não, é a velha cultura de discriminação, enquanto isso os discursos continuam os mesmos e muito se  fala em igualdade, trabalho em equipe ou multidísciplinar, mas na hora de apresentar ou remunerar, grandes são as diferenças, espero que nossos gestores estaduais expliquem essa distinção ou teremos que acreditar que os médicos do Ceará não são  mais profissionais de saúde.

Continuaremos parabenizando a governo do estado do Ceará por esse grande feito a região do Cariri em nosso estado, temos admiração pelo secretário de saúde do estado Dr. Arruda Bastos, mas não podemos aceitar distinções entre os que fazem saúde.

Vejam publicidade: http://www.youtube.com/governodoceara

 

32 Comentários

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Vi o comentário do Dr Wiron, no Facebook, sobre isto e discordo do meu caro amigo. Ideologias à parte, vamos aos fatos…

    Minha gente, deixem de mania de perseguição e de baixa auto-estima. As propagandas têm, simplesmente, uma linguagem própria e devem passar as informações principais ao público alvo, de uma forma eficaz e pronto. Estão vendo maldade em tudo. Isto faz mal à saúde.

    O Hospital é um ícone sociológico no combate às doenças, e quanto a isto recomendo a leitura de obras de Michel Foucault sobre o tema. Daí a ligação dirtea com a figura dos médicos.

    O desenvolvimento do hospital moderno foi capitaneado principalmente pelos médicos do século 19, principalmente após o desenvolvimento da anatomofisiotapologia e das ferramentas de observação clínica. É uma história bonita, da busca do homem pela solução de problemas que antes eram místicos e sem compreensão plena!

    Quanto a isso recomendo a leitura de:

    http://centromedicodacoluna.blogspot.com/2011/09/historia-da-anatomia-das-origens-ao.html

    http://centromedicodacoluna.blogspot.com/2011/09/historia-da-clinica-origem-da-anamneses.html

    Para entender surgimento da fisioterapia, aconselho, ainda, a leitura do seguinte artigo: Emergence de la Kinésithérapie en France à la fin du XIXème et au début du XXème siècle. O artigo está disponível em PDF, e contém muitas fotos maravilhosas sobre a história da fisioterapia.

    Voltando ao fato da propaganda, imaginem a propaganda de acordo com o formato de sua ideologia…

    INAUGURADO, NO CARIRI, O HOSPITAL TAL…. COM TANTOS LEITOS, RESSONÂNCIA, TOMOGRAFIA, ETC… COM 210 MÉDICOS, 200 FISIOTERAPEUTAS, 105 FONOAUDIÓLOGOS, 15 TÉCNICOS EM RADIOLOGIA, 15 TÉCNICOS EM LABORATÓRIO, 300 AUXILIARES DE ENFERMAGEM, TANTOS ENFERMEIROS, TANTOS TERAPÊUTAS OCUPACIONAIS, E POR AÍ VAI…. NÃO SERIA UM ABSURDO???

    Notem, ainda, que muito se reforça com relação às especialidades e tecnologias existentes, suas máquinas, suas modernidades. Este conceito de tecnologia também tem muita importância hoje em dia, e isto dá o formato à propaganda.

    É só isso! Não vejam chifres e cabeças de cavalos!

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Ewertom disse:

    Não podemos aceitar distinções entre os que fazem saúde. [2]

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Como não haver distinções, Ewerton, se as profissões são totalmente diferentes em seus curriculos, em suas ações, em suas projeções sociológicas? Não sejamos infantis. Imagine as propagandas abaixo:

    O Hospital do Cariri tem 100 fisioterapeutas e 900 profissionais da saude, ou…
    O Hospital do Cariri tem 100 fonoaudiólogos e 900 profissionais da saude , ou…
    O Hospital do Cariri tem 100 enfermeiros e 900 profissionais da saude, ou…
    O Hospital do Cariri tem 100 terapeutas ocupacionais e 900 profissionais da saude, ou…
    O Hospital do Cariri tem 100 psicólogos e 900 profissionais da saude, ou…
    O Hospital do Cariri tem 100 técnicos de radiologia e 900 profissionais da saude, e por aí vai….

    Não há sentido, pois o que representa uma hospital, por toda uma questão sociológica é a figura do médico, com seus auxiliares enfermeiros e, eventualmente, por aquisições mais modernas, contando com um platô técnico dos outros profissionais. É uma questão histórica.

    Não há como não haver distinções se as coisas são distintas. As funções em um hospital devem obedecer a uma hierarquia e isto não pode ser encarado como menosprezo das profissões auxiliares.

    A Medicina não é uma casta. Como não são castas as outras profissões. Vivemos numa sociedade de liberdade de escolhas. Você pode escolher e tentar conquistar suas escolhas em algum momento de sua vida. Mas o grau obtido e o status a ele conferido é atingido por um processo competitivo e bem determinado desde o início da sua escola. Cabe a você fazer a coisa certa, no momento certo. Recomeçar sempre é possível.

    Esta história de que todos são iguais é besteira. Todos são diferentes e as diferenças devem ser atingidas por méritos. Imagine um exército só com generais… Sem hierarquia não há organização e sistematização.

    O que mais chama a atenção nesta propaganda, não é a distinção entre as profissões, mas a supervalorização da tecnologia em detrimento da humanização do atendimento. Preste atenção neste detalhe.

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Matheus disse:

    Chamo-me Matheus, tenho 19 anos, sou estudante de Fisioterapia e concordo totalmente com o Dr. Henrique.

    Vamos começar a nos preocupar com assuntos mais nobres que intriguinhas infantis entre profissões. Que tal parar de se preocupar com uma campanha publicitária e fazer pesquisa, para assim dar à nossa profissão a notoriedade que ela merece na sociedade por conhecimento científico e não por força de protesto político.

    “Fisioterapia: uma paixão sem remédio”

  • Wiron Lima disse:

    Isso mesmo, Matheus.
    A idéia básica é sair em busca da evidência e sempre defender aquilo que é validado.
    Essa história de justificar tudo na Fisioterapia pq o paciente melhora, não é mais válido para esse nível de discussão.
    Assim como no meu cometário no Facebook, reafirmo aqui, o organograma é verticalizado, existe a hierarquização, mas na ´prática a assistência acaba sendo horizontalizada, o que é melhor para o paciente e para o sistema, pois como nos grandes serviços a equipe multidisciplinar é fundamental para o sucesso.
    De fato a tecnologia é mais propagada que o perfil clínico e de outras especialidades médicas, pois é mais fácil perceber um tomógrafo, um ventilador mecÂnico, uma RNM , do que uma ação clínica, ou terapêutica eficiente.

  • Ewertom disse:

    Há necessidade de respeito não só as profissões como também de opiniões. Algumas pessoas têm que descer do pedestal e achar que só a opinião deles a certa, as pessoas são distintas, possuem vidas distintas e não é diferente quanto a forma de pensar delas, então se não concorda ao menos respeite sem tentar impor sua forma de ver as coisas.

    A minha e a de outros é essa, não concorda? Ótimo! Mas, não venha com discursos travestidos.

    Matheus, você ainda terá que trilhar muitos caminhos para poder entender o que se passa na saúde do país, nem tudo é ciência, há muito mais política do que ciência na saúde do Brasil, tente primeiro entender isso antes de dizer que são intrigas infantis, pois nesse ponto você ainda precisa aprender muito (não ciências, mas aprender de vida e de profissão, que por enquanto a sua ainda está em andamento).

    Amigo Jorge, continue com sua luta pela valorização da Fisioterapia, estamos juntos nessa caminhada.

    Fraterno abraço.

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Matheus,

    Ao contrário do Ewerton, vi sinceridade em suas palavras. Não vi apenas inexperência. Se existe mais política do que ciência na saúde, tem algo de errado e que deve ser mudado, afinal, nós nos formamos em ciências da saúde e não em políticas de saúde, não é verdade?

    Este discurso de desconstrução do outro, sorrateiramente usado pelo Ewerton – de suas experiências, de suas ideias – sempre será o discurso daqueles que temem as verdades e as evidências. Sempre procurarão um esconderijo. Eles temem a luz.

    Faça diferente, valorize a ciência, as evidências e terá bastante sucesso. Você está numa linda profissão e deve se orgulhar mesmo.

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Ewertom disse:

    Caro Henrique,

    Não concorda com meu pensamento, ok! Mas, respeite-o.

    Você abusa de postagens travestidas e não é obrigação seguir suas idéias. Quem anda pela cabeça dos outros é piolho.

    Você não me conhece, não lhe dei liberdade alguma, portanto solicito respeito e educação e dispenso as colocações falaciosas ao meu respeito.

    Não discuto pessoas, discuto idéias.

    Amigo Jorge, perdoe-me o caminho das minhas postagens.

    Creio que seja mais válido enviar minhas considerações no seu e-mail que ficar a perder tempo respondendo o que não merece resposta, pois minha opinião é minha e se não concordam que usem de educação respeitando-a sem fazer uso de falácias.

    Encerro aqui! Que falem aos ventos.

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Ewerton,

    Sua atitude de menosprezar a opinião do jovem Matheus não merece respeito. Ele se expressou bem… E você, Ewerton, melindra-se com muita facilidade. Não sabe argumentar, pede pra sair…

    Em sua postagem, você só discutiu pessoas. Disse que o rapaz era jovem e não tinha experiência para se expressar, que deveria amadurecer para expressar-se com mais sabedoria, que usava um discurso travestido (não sei nem o que significa este termo vazio!)…

    Por tudo isto, sua despedida nos faz muito felizes, pois você diz “Não podemos aceitar distinções entre os que fazem saúde” e faz exatamente isso, colocando-se superiormente ao jovem estudante. Você não teve nem a capacidade de argumentar com um adolescente e fica dando lição.

    Já vai tarde.

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

    PS: Copio abaixo a frase do jovem Matheus e, por sua inteligência, creio que ainda vamos ouvir falar dele:

    ” Vamos começar a nos preocupar com assuntos mais nobres que intriguinhas infantis entre profissões. Que tal parar de se preocupar com uma campanha publicitária e fazer pesquisa, para assim dar à nossa profissão a notoriedade que ela merece na sociedade por conhecimento científico e não por força de protesto político.”

    Parabéns Matheus!!!

  • Wiron Lima disse:

    Caro Matheus.
    Você deve sempre buscar as evidências e trabalhar seguindo essas evidências, estas são sempre o direcional, sejam clínicas ou acadêmicas(vamos chamar assim).
    Em saúde, o tópico mais importante é a saúde. Se existe possibilidade de sair deste caminho, poderemos cair em erros catastróficos.
    Você quer um exemplo? Na luta pela regulamentação da Acupuntura(pude acompanhar de perto, pois tinha interesses ligados à mesma ), pouco se falou sobre a real comprovação de ação da mesma(nem estou falando se funciona, ou não), mas se discutiu muito a exclusividade, ou não da técnica por parte das profissões, isso é política e não ciência.
    Se você gostar de debater política, estou ao inteiro dispor. Se desejar debater ciência, também.
    Deixo meu email : wironfilho@yahoo.com.br , para contato e claro para não ficarmos lotando a caixa deste estimado blog.
    MAs, pode ter certeza que a Fisioterapia se aproximará da luz das evidências , a medida que entendermos que o conhecimento clínico-funcional é a grande mola de nossa profissão, mas a política de classe é apaixonante, porém platônica.
    Abs

  • Ewertom disse:

    Caro Henrique,

    Seus posts ofensivos e prepotentes mostram o seu nível.

    Não entendeu o que escrevi e nem a quem me referi.

    Suas postagens visam sempre agressões a fisioterapeutas e Fisioterapia. Quem quiser que perca tempo com suas agressões vazias e sem fundamentação.

    E se está incomodado porque não concordo com suas idéias você que se retire.

    Deixe a Fisioterapia com Fisinterapeutas.

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Ewerton,

    Você é muito sensível e se melindra com grande facilidade, rapaz. Diz coisas sem os fundamentos que lhes deêm o devido suporte e não sabe contra-argumentar com elegância. Seja mais elegante e inteligente. Todos agradeceremos sua participação com um melhor nível, pois sua presença anima as discussões.

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Jonas disse:

    Não sei porque vocês dão bola a esse Henrique. Ele não passa de um agitador.

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Jonas,

    Decepcionante a sua participação….

    As coisas, de fato, precisam ser agitadas para que muitos saiam da paralisia mental em que se encontram. As coisas precisam ser agitadas para que a poeira que encobre a verdade dos fatos seja varrida.

    Agradeço seu elogio, mas querer parar uma discussão na marra, com recursos inapropriados para um forum de discussão é um profundo sinal de medo e fraqueza de argumentos. A função de um blog é gerar e manter uma discussão.

    Cabe a você decidir pela ação benéfica da agitação de ideias ou pela paralisia burra da contemplação imóvel. Você deve decidir se vai jogar bola ou ficar assistindo, mas dizer que parem o jogo é atitude anti-desportiva.

    O que interessa a todos é a sua opinmião sobre o tema da postagem. Passei a bola pra você… E aì? Já tem opinião formada ou vai ficar só xingando os jogadores ou o juiz?

    Não sabe jogar, não atrapalha!

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Jonas disse:

    Está estressado diga! Não fique assim pois quando menos esperar vai ter um ataque cardíaco.

    Mas, responda-me eu lhe decepciono ou você é a decepção?

    Para de escrever esse curriculo aí que todo mundo já leu que você fez curso na França…

    Sua repetitividade é enfadonha!

    Você é um agitador, mas não de idéias e sim de ladainhas! A única paralisia que vemos aqui é sua repetição.

    Poeira que encobre verdade seja varrida? Que lombra é essa? Aprendeu na aula que queimando até a última ponta?

    Futebol é pra macho, quem não gosta de contato físico joga vôlei!

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Jonas,

    Mais uma participação decepcionante. Não sei como o moderador deixou passar tanta besteira.

    O que NÃO vimos aqui foi a sua posição sobre a postagem. É isto que interessa. Vimos seu preconceito com jovem Matheus e outras tantas agressões.

    Além do mais, seu conceito de macho está um pouco equivocado. Já viu a Marta jogando, camarada? Ela é macho por isso? Mais um preconceito feio, hein? Está se enrolando cada vez mais.

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Dr. Wiron Lima, PT;EDFCR disse:

    Calma, galera…
    Não precisa disso.
    Basta discutir com os trabalhos, sejam históricos, científicos ou filosóficos.
    Só isso!
    E não tem isso de futebol ser coisa de macho e volley não…isso foi meio homofóbico, vc não acha?
    As metáforas apenas são para dar um tom ameno.
    Gosto do que se discute aqui, mas esse lance de “COISA DE MACHO” e agressões pessoais me deixam meio sem incentivo.
    Realmente, não gostaria de ser agredido desta forma, mas pode acontecer, até pq comungo de uma série de posições do colega Dr. Henrique.
    Mas, me dou bem com todo mundo, ou quase todo mundo.E se por acaso as coisas partirem para o desrespeito , será difícil ficar na boa.
    Muita calma, nessa hora!
    E podem mandar os trabalhos , que é o que interessa…
    Ah, só mais uma pergunta: aqueles caras que jogam volley na seleção não são machos?(acho que não tem isso, não e tb se não forem , qual o problema?)
    Valeu!

  • Matheus disse:

    ok. Esqueceram de falar que precisava ter títulos e “experiência” pra comentar no bolg.
    Prezado Ewerton, não vi em que momento não respeitei sua opinião. Em todo caso peço perdão. Afinal, quem sou eu, mero estudande de fisioterapia, para discutir entre os doutores.
    No entando, deixo registrado que a única pessoa que, na minha humilde opinião de inexperiente estudante, não respeita os pensamentos alheios é o senhor, afinal “Algumas pessoas têm que descer do pedestal e achar que só a opinião deles a certa” (sic.)

    Quero dizer também que, continuo lutando (embora com armas diferendes das suas) pelo reconhecimento da profissão que escolhi pra minha vida.

    Embora não seja expecialista em política, também gosto de debater o assunto (quando são aceitas opiniões de estudantes, claro)
    Converso muto sobre o assunto com o meu irmão, que é estudante de medicina e posso perceber que a ausência de profissionais fisioterautas em postos chaves da administração em saúde, acaba por não facilitar o desenvolvimento ploítico da profissão.
    Já notaram que a grande maioria dos cargos nas secretarias de saúde são ocupados por médicos e enfermeiros? Culpa dos médicos e enfermeiros? Acho que não.

    Essas categorias então acostumadas ,desde cedo, a escutar que devem estar preparados para atuar na prevenção, assistência, ensino, pesquisa, planejamento e gestão, enquanto o que nós escutamos em nossas salas de aula é “REABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO e REABILITAÇÃO”.
    “Quem não é visto,não é lembrado”

    Deixo meus votos de que continuem a discutir sobre o assunto de forma intelectualmente honesta (acho que honestidade intelectual é ouvir argumentos e refutá-los, caso tenha condições pra isso ou dobrar-se a eles, quando acabam-se as possibilidades de rebatê-los).

    Quanto a mim, volto daqui a 4 anos e meio, quando estiver formado, para então voltar a expor minha opinião. Por enquanto, fico de expectador, aprendendo com sua experiência.

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Pois bem…

    Acima, recomendei a leitura de:

    http://centromedicodacoluna.blogspot.com/2011/09/historia-da-anatomia-das-origens-ao.html

    http://centromedicodacoluna.blogspot.com/2011/09/historia-da-clinica-origem-da-anamneses.html

    E para entender surgimento da fisioterapia, aconselhei, ainda, a leitura do seguinte artigo: Emergence de la Kinésithérapie en France à la fin du XIXème et au début du XXème siècle.

    Mas aqui, caro Wiron, o pessoal nem se preocupa em ler e fazer comentários baseados no que mandamos.

    A atitude do Jonas tem nos decepcionado, por seus preconceitos injustificados e leviandades ditas. Ele é sempre assim… paciência. Defendo, mesmo assim, o direito que ele tem de se expressar, mas acho que ele poderia aproveitar mais o embate dialético conosco. Não sei qual o complexo do cara…

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Jonas disse:

    Eeeeeee Henrique,

    Você é estressado mesmo! E fala de quem não falei… Não sei nem quem é Mateus…O assunto aqui é você e como dão trela para suas conversas. Você lê, mas não interpreta!

    Um é MD e outro PT… Medical Doctor e Physical Therapist… Vocês são americanos? Australianos? Só podiam trabalhar juntos mesmo… Dois americanizados, que assim como os americanos tentam impor guela abaixo suas idéias e filosofias.

    Não moderaram suas agressões, porque haveriam de moderar meu post? Ditadura? O Brasil é um país livre, deixe de querer mandar até no que o dono do blog modera ou deixa de moderar.

    Se é para discutir o tema cor artigos, textos, etc., teremos que chamar especialistas em publicidade e marketing, pois o comercial não passa de estratégia de marketing e publicidade e que leva a população leiga manter a imagem que saúde é só medicina.

    A vida anda… vamos seguir com outros temas e participações que mereçam ser respondidas, pois as suas Henrique são dignas de riso e não de resposta.

    Deixa eu parar, pois caso contrário estarei fazendo o que não quero e não concordo: dar asas as postagens do MD Henrique que fez curso de especialização na França.

  • Dr.Wiron Lima,PT;EDFCR disse:

    Calma meu caro Jonas.
    Não tente ser irônico comigo.
    O uso do PT é uma referência mundial, ou vc acha que ue deveria usar o Efête (Ft) que nem o COFFITO reconhece, lembre que na frente do meu nome tem um Dr. e que não é Phd, mas uma outra referência ao doutor de cunho social, título que só era usado por advogados (muitos outorgados pelo Imperador) e que depois foi adotado por médicos, engenheiros e outros profissionais da saúde e de outras áreas. É uma isonomia social, não técnica!
    E só lembrando MD originalmente não é Medical Doctor, mas Medical Degree , que pode ser tb MBBS, BMBS, BM BCh, BM, MB.
    Valeu Brow…
    Sem preconceitos!
    Abrços
    Dr. Wiron Lima, PT EDFCR, PTBD, BPSD

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Matheus,

    Você mostrou a qualidade de um bom argumentador e desejamos um excelente futuro, com a plena consciência do dever a ser desempenhado em sua profissão, pois não é com propagandas que definiremos a importância e a ação de cada um. Não são estes detalhes pequenos que devem reter nossa atenção. O Jonas e o Ewerton, em suas “experiências”, parecem estar gozando apenas de “senectude cognitiva”. Sempre querelentes e com ideias fixas, desviam assuntos que podem nos trazer engrandecimento para o caminho da discórdia. Em nossas vidas, devemos nos afastar de gente assim.

    Continue firme, e desejamos sempre as suas opiniões, mesmo que sejam contrárias às nossas, pois é o debate franco que nos impulsiona para a melhoria profissional e pessoal.

    Recomendo a leitura de três livros interessantes para lidar com gente que adora bravatas como os nossos opositores:

    Os usos do Argumentos, de Stephen Toulmin
    Retórica, de Aristóteles
    A Arte de Ter Razão, de SCHOPENHAUER

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

  • Jonas disse:

    “Mas aqui, caro Wiron, o pessoal nem se preocupa em ler e fazer comentários baseados no que mandamos”.

    MD Henrique,

    Por que você acha que as pessoas tem que basear o que falam baseados em algo que você manda ler? Ditadura de pensamentos?!

    Menos caro MD especialista na França, não exagere mais do que já exagera. Querer que as pessoas sejam submissas ao ponto de escrever apenas baseado em algo que você MANDA é de um absurdo sem precedentes.

    No seu blog você escreve o que quer e aceita os comentários que quiser, mas querer que em outros meios as pessoas escrevam baseando-se no que você MANDA é mais que prepotência é um tipo de COMUNISMO! Estou gargalhando até agora!!!

    Totalmente sem noção do ridículo.

    Dr. Wiron, colega de profissão, obrigado pelo Medical Degree. Não acho que você deveria usar Ft, assim como você e o COFFITO repudio o termo, que nada mais é que um “abrasileiramento” do PT. Não é preconceito e sim conceito formado em relação ao tema, pois creio não haver necessidade alguma de usarmos terminologias que não são adotadas no nosso país. Indo você para um país ou correspondendo-se com alguém de um país onde elas sejam comuns, nada mais correto e “delicado” / “educado” a se fazer que adicionar as mesmas, mas no Brasil, com brasileiros, qual o objetivo? Não vejo algum.

    Perdoe-me a ignorância: o que siginificam as outras siglas: EDFCR, PTBD, BPSD?

    E por favor, ao lerem o meu post atentem para o que é destinado a quem e o que é destinado a outrem, para depois não virem dizer que isso foi com Mateus, por exemplo, como já foi feito pelo MD Henrique, mesmo eu não tendo me referido em momento algum a ele em meus posts.

  • Jonas Marques disse:

    Quero deixar claro que o Jonas nesse debate, nao sou eu , Jonas Marques que ja postei em outras oportunidades. Nao sei quem é esse Jonas mas o mesmo poderia se identificar melhor para nao causar confusao sobre a pessoa.
    Faz tempo que desisti de postar comentarios para debater com o Henrique.

    Jonas Marques

  • Dr. Wiron Lima, PT. disse:

    EDFCR- ESPECIALISTA DIPLOMADO EM FISIOTERAPIA CARDIO-RESPIRATÓRIA

    PTBD – BACHAREL FISIOTERAPEUTA DIPLOMADO

    BPSD – Disability-BASED PRACTICE OF SPINE

    Abs

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Jonas Marques,

    Se desiste eh porque faltam os argumentos. Deixe de vitimizacäo.

    PS: desculpem os erros de grafia. Estou na Alemanha e o teclado eh diferente.

    Henrique

  • Antonio Aluísio Nogueira disse:

    Ilustre profissionais da saúde, não sou da área, mas penso, logo não sou irracional! Parem de discutir coisas sem nexos e verdadeiramente sem importância para a saúde! Médido é médico, fisioterapeuta é fisioterapeuta, enfermeiro é enfermeiro, … todos são profissionais da saúde e devem dar a sua parcela de conhecimento e de experiência em favor de uma melhor vida, de melhor saúde, para os pacientes! Isso é o que deve importar e orientar a cada profissional desta valiosa área, pois esta lida com o que de mais valioso existe neste Mundo, que é o ser humano! Cada qual dentro da sua competência sem fúteis e estéreis discussões! Fiquem em Paz e Bola prá frente!

  • Fisioterapeuta disse:

    Gostaria de ver a igualdade de todos os profissionais da saúde de nível superior e do nível técnico, com piso ou remuneração igual para todos dentro do seu nível seja superior ou técnico e não por ser profissional da saúde médico ou não-médico. Todos têm funções importantes e não devem ser diferenciados. O que vemos na prática é a hipervalorização salarial do profissional médico em relação aos demais profissionais de nível superior “não-médicos”. Para se ter uma idéia da disparidade: Um enfermeiro ou fisioterapeuta recebe por 12 horas de plantão hospitalar de 150,00 a 200,00 reais enquanto que um médico pode receber pelas mesmas 12 horas de 600,00 a 1200 reais. Isso resume toda a briga acima dos colegas: “Um profissional da saúde e um MÉDICO”

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Fisioterapeuta,

    A diferença salarial se deve ao mérito garantido por longa competição e pela complexidade da prática exercida. Você acha justo que um cirurgião geral, um cirurgião cardíaco, um neurocirurgião, ou um cirurgião de trauma ou outros médicos de alta especialização e alta responsabilidade, que ficam em grandes cirurgias, oito horas em pé, sob alto estresse, sejam remunerados da mesma forma que um fisioterapeuta, um enfermeiro, um psicólogo, ou um clínico geral? Se este profissional chegou a este ponto de especialização é merecida sua diferenciação salarial, não acha? Até dentro da própria medicina existe essa diferenciação. Há especialidades de alta e especialidades de baixa remuneração, que, em regra, são, respectivamente, as de alta e de baixa complexidade. Em nossa cidade há médicos com rendimentos de honorários que ultrapassam os R$ 400mil reais por mês, dentro de certas especialidades cirúrgicas e outros que mal chegam a rendimentos de R$ 5 mil. Sabe qual a diferença entre suas formações e experiências? Enormes! Do que vale o grande esforço competitivo para ter seu ganho nivelado aos que não fizeram esforços semelhantes. Vamos deixar de ingenuidade, companheiro. A diferença realmente existe, e o mercado deve dar valores diferentes a estas qualificações diferentes, e o sistema público tem parâmetros que se baseiam neste mercado. Não há nada de errado nisso. Todos sabem disso desde suas escolhas de carreiras e profissões. Estamos discutindo o sexo dos anjos…

  • Edilson Fisioterapeuta disse:

    Exatamente, se deve ao mérito competitivo. Por exemplo, eu depois de 23 anos de formado sou dono de 03 centros de reabilitação, tenho 37 fisioterapeutas trabalhando pra mim, 02 traumatologistas,02 neurologistas e 01 fisiatra.
    Meu faturamento mensal me deixa muito certo de que escolhi a profissão certa.
    Cursei 4,5 anos de faculdade,tenho mestrado em gerontologia e PhD em Bioengenharia. Como falou o médico da discussão ,acho muita diferenciação ,por isso os prolabores são bons.
    Abs
    Edilson Soares,PhD,MsC,Fisioterapeuta

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Edilson,

    Aqui não estamos falando de FATURAMENTO, mas de ganhos ligados ao trabalho de cada um. Estamos falando de HONORÁRIOS.

    A sua profissão é a de empresário, não é fisioterapia. É o que percebi. Você tem pessoas trabalhando PARA você e não COM você. Um diferença bem sutil.

    Sua participação confirma minha ideia. Calcule o valor da hora trabalhada de cada profissional fisioterapeuta, de cada profissional médico e veja a diferença.Você os paga igualmente? Não, não paga! Você assina a carteira de todos estes profissionais com os quais você tem vínculo empregatício. Não creio… Se você não fugir à regra, são 30 e poucos recém-formados que aceitam situações que lhe são impostas pelo mercado. Estou longe?

    Agora calcule o valor de cada hora SUA trabalhada como empresário e faça a seguinte constatação: seus empregados são relativamente pessimamente remunerados em relação a sua atividade empresarial. Por isso é que você enveredou por este caminho, e é isto o que fazem muitos, mas não vejo nisso qualquer sucesso, principalmente para alguém que teve acesso a uma formação acadêmica primorosa com PhD, certamente feito no exterior. Não conheço realmente seu negócio, mas não nos acrescentou muito à discussão. Motivo: fugiu do tema.

  • iphone kvalitātes instagram fotoattēlu lejupielāde

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *