Fisioterapia & Saúde

Quando Pilates Faz Mal a saúde.

218 4

Quando o pilates faz mal à saúde

Falta de mão de obra especializada coloca em xeque
benefícios trazidos pela prática e pode agravar dores. Saiba evitar problemas

Fernanda Aranda, iG São Paulo

Falta de mão de obra especializada coloca em xeque
benefícios do pilates

Bastam 120 horas (divididas em finais de semana),
um investimento de R$ 2 mil, uma plaquinha e uma sala de aula para qualquer
pessoa virar instrutor de pilates.

Pelas normas atuais, os aparatos descritos acima
são o suficiente para ganhar o título de especialista e oferecer exercícios
físicos intensos, com potencial de lesões sérias, para idosos, gestantes,
crianças e adultos.

O pilates ganhou popularidade no Brasil e os
estúdios tomaram conta das cidades. Fisioterapeutas, educadores físicos,
terapeutas ocupacionais e bailarinos são os profissionais que mais ocupam o
cargo de professor da modalidade e os mais indicados para função, desde que
façam treinamentos específicos.

Veja: Pilates já virou
remédio

“Mas não há diretrizes que norteiem a formação,
como conteúdo programático ou carga-horária”, afirma o coordenador da
Associação Brasileira de Pilates (ABP), Eduardo Freitas da Rosa.

“Em consequência disso, existem profissionais sem
condições mínimas para atuar ou ministrar cursos sobre o método”, complementa.

“Pilates é um curso livre, não há exigência de
diploma não”, respondeu a atendente de uma entidades que oferece capacitação da
técnica, após a reportagem do iG Saúde perguntar se poderia participar
da próxima turma que forma professores sem ter diploma em nenhuma área.

Em risco: Uma em cada seis
academias em SP é clandestina

“São R$ 2 mil reais, pagos em até 10 vezes. O curso
tem 120 horas e mais um estágio de 30 horas que você pode fazer na nossa
unidade mesmo, com nossos matriculados”, explicou a moça ao telefone.

É verdade que, no contato com outros 8 estúdios que
oferecem curso de professor de pilates (três em São Paulo, dois no Rio Grande
do Sul, um na Bahia e outro em Florianópolis), só mais um aceitou a não
formação prévia em universidades que ensinam noções de anatomia ou fisiologia.

O restante disse que as aulas eram voltadas apenas
para fisioterapeutas e professores de educação física. Mas mesmo quem já
cumpriu a graduação, pode “se especializar” em “pilates para idosos” ou
“pilates para gestantes”, por exemplo, após cumprir apenas 16 horas de
treinamento.

“É muito sério isso que está acontecendo”, lamenta
a educadora física Cristina Abrami, diretora técnica do CGPA Pilates e uma das
profissionais que batalha para a regulamentação da prática e o aumento da
fiscalização.

“Hoje, se você colocar uma plaquinha na porta da
sua casa oferecendo as aulas, no dia seguinte terá três alunos matriculados.
Muitas academias oferecem o método em classes com mais de 10 alunos, sendo que
a prática deve ser o mais personalizada possível”, diz.

“Entregamos nosso corpo, a nossa saúde nas mãos de
pessoas que podem ter feito apenas um workshop ou visto um DVD sobre pilates”,
alerta Cristina Abrami.

Especial: Saiba tudo sobre a dor

Neste contexto de mão de obra não regulamentada e
capacitada para as aulas, a agravante é o perfil dos alunos. Nos últimos anos,
pesquisas pipocaram enaltecendo o pilates como “remédio” para problemas
crônicos, como
dores
intensas,
osteoporose
e outras alterações musculares e esqueléticas.

De fato, explica o ortopedista especializado em
coluna do Hospital das Clínicas de São Paulo, Raphael Marcon, o método é
excelente para a reabilitação e também para o condicionamento físico, com já
evidências científicas confirmadas.

Isso indica que quando chegam às aulas, muitos
praticantes já estão lesionados, com problemas de saúde e querendo amenizar os
sintomas doloridos. O problema é quando o que era para ser remédio acaba como
veneno. Segundo Marcon, o que ocorre é o caminho inverso.

“Os pacientes vão para as aulas de pilates para
recuperar da dor, mas acabam voltando com mais dor ainda”, afirma o
especialista.

Veja quais são
as dores que mais afastam as pessoas do trabalho

O presidente da Sociedade Brasileira de Coluna,
Luis Eduardo Munhoz da Rocha, acrescenta que os exercícios de pilates
fortalecem a região da lombar, mas podem exigir muito de uma estrutura já
comprometida.

“Os discos existentes entre as vértebras podem já
estar desgastados devido ao próprio estilo de vida (postura inadequada,
genética e até obesidade)”.

“Quando o pilates é ministrado por quem tem
conhecimento, o limite individual de cada praticante é mais respeitado. Seja
para a reabilitação, seja para o emagrecimento ou para o condicionamento
físico.”

A seguir, os especialistas ouvidos pela reportagem
dão dicas para o pilates não fazer mal à saúde

– Desconfie das aulas de pilates oferecidas para
mais de três alunos. Por ser muito específico, o curso deve abrigar no máximo
três participantes

– Solicite a formação do instrutor. Se o objetivo
for reabilitação física o ideal é procurar um fisioterapeuta. Caso o interesse
seja esporte, procure um educador físico. Ambos devem ter certificado e
capacitação em pilates em cursos com mais de 340 horas

– Passe por um médico antes caso o ponto de partida
para a procura do pilates seja uma dor. Os médicos afirmam que o sintoma
dolorido é o principal alerta de que algo no corpo não está bem. Pilates serve
como coadjuvante no tratamento e não como medicação

– Peça a licença do estúdio. Os órgãos de classe
(ou conselho federal de educação física ou conselho de fisioterapia) precisam
autorizar o funcionamento da unidade

– Não utilize como único critério de seleção da
escola o preço da mensalidade. Não é porque o curso é caro demais ou muito
barato que os instrutores são gabaritados

– Se estiver grávida (ou ficar grávida durante o
curso) pergunte ao seu médico se há alguma restrição ao pilates e siga o que
ele indicar. Em alguns casos, a atividade pode colocar em risco a gestação