Blog do Jocélio Leal

Pedro Parente: os melhores praticam o desapego

1721 11

Pedro Parente em vídeo divulgado no começo da semana, no qual explicava as medidas que vinha tomando

Fortaleza –  Pedro Parente até demorou. Vinha sendo atropelado pelo Governo. E quando se perde a confiança do principal acionista não há saída. A não ser, sair. Ao optar pelo caminho da demissão, Parente demonstrou auto-estima. O desapego a cargos é uma virtude dos grandes gestores. Todo mundo sabe qual o perfil dos fracos. São pusilânimes e aguentam todo tipo de sapo. Aceitam cascudos.

Parente fez o que deveria ser feito. Ajustou os preços ao mercado internacional, como mandam os interesses da Petrobras e dos acionistas, nós, os contribuintes – não apenas o majoritário. Ao assumir a companhia, há dois anos, estabeleceu a frequência diária dos reajustes, como forma de poder lidar melhor com a participação no mercado. Fizesse mensal, correria o risco de ficar exposto à perda de participação de mercado. Antes dele tentaram um falso aditivo no tanque da inflação.

A carga tributária que alimenta o (tirano)ssauro público explica o preço das coisas. Livro é caro, saúde é cara, carro é carro e combustível é caro porque os impostos são altos e muitos. O sistema tributário brasileiro é cruel, concentrador de renda e intencionalmente confuso. A máquina pública nos três níveis e nos três poderes vive um universo paralelo, de mármore, granito, arquitetura arrojada, vidro fumê, primeira classe, férias em excesso e excesso de gente.

O presidente que sai encontrou ao chegar um cenário de campo arrasado por uma quadrilha.

Em suma, o antecessor indicado pela então presidente Dilma Roussef (PT), em plena crise na estatal, era Aldemir Bendine. Sabem o Bendine? A nomeação dele causou espanto pois ele já tinha problemas com a Receita Federal, com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e com um empréstimo fora de padrão do Banco do Brasil, presidido antes por ele.

Ao ser inquirido pela Receita por conta de  “evolução atípica” de seu patrimônio, bem como pela compra de um imóvel com pagamento em espécie, o presidente do banco 001  dissera que mantinha o dinheiro em casa.  Chegou a pedir propina a Odebrecht após um ano de Lava-Jato, a propósito. Coisa de bandido com trânsito livre no Palácio do Planalto de Lula e Dilma. Hoje, está na cadeia. Foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a 11 de prisão na Operação Lava Jato pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Inoportuna para a Petrobras, a saída da Presidência neste momento foi oportuna para Parente. Nestes dois anos conseguiu aquilo que se usa em qualquer gestão, uma boa marca. O mesmo que  que os melhores prefeitos, governadores, presidentes, gestores privados (nisso incluindo editores de jornal) buscam todo dia. Fora disso, mais do mesmo.

A queda de um presidente porque fez o que deveria ser feito deixa no ar uma pauta: em que medida faz sentido uma indústria petroleira sujeita a partidos?

 

Recomendado para você

11 Comentários

  • Luiz Lourenço amora filho disse:

    Boa tarde sem desrespeito a sua pessoa o contrate para sua empresa,precos abusivos de um aumento desenfreado,só servindo para os acionistas e o povo que se vire pagar os impostos.Vc acha correta esta política petrolífera em que exporta em um preço mínimo e importa em preço caríssimo.

  • Celio Sales disse:

    Grande Gestor o que rapaz

  • Marco Ferreira disse:

    Parabéns Jocélio. Irretocável.

  • Pedro Wilson disse:

    Já que é para falar do “competente” gestor acima, porque você omitiu a participação dele no Ministério das Minas e Energias na época do épico apagão elétrico?

  • Manoel Edilson Cardoso disse:

    O articulista comete no mínimo um grande equívoco: dizer que esse entreguista Pedro Parente atendeu aos interesses dos contribuintes e do acionista majoritário. Em primeiro lugar não interessa ao Brasil – acionista majoritário – essa política nefasta de reajustes diários, que só beneficia os rentistas. Em segundo lugar os contribuintes não podem aceitar essa política que prejudica todo e qualquer cidadão brasileiro, pois a alta diária no preço do diesel, da gasolina e gás onera a todos, sem nenhuma explicação lógica, pois numa inflação anual de 2% não é crível os derivados do petróleo terem reajuste de mais de 8% ao mês. E não venha o senhor articulista dizer que tem baixa nos preços que isso nunca aconteceu. Além do mais a Petrobras e estatal e não tem como objetivo principal o lucro a qualquer preço, como está acontecendo nos dois últimos anos.

  • Rufino Rocha Filho disse:

    Concordo!
    Essa retórica insana de que Parente “entregou nossas riquezas aos estrangeiros” vem em contra ponto ao gráfico de evolução do patrimônio da empresa, além da retomada do seu prestígio internacional.
    Um grande gestor!

  • António Sampaio disse:

    Inacreditável a forma subserviente que o jornalista escreve este artigo. Nunca vi nada tão “mercadológico “. Quase um puxa sacos. Se sua intenção é a de acalmar os acionistas, parabéns.

  • Everardo B Dantas disse:

    É muito interessante o tal “ mercado”,morrendo ganhar dinheiro com essa politica de preços, e nos “ pobres mortais” amargando aumentos quase que diários dos combustíveis, com atualizações mínimas de nossa renda.
    Nesse País não há inocentes, Seja setor publico ou privado.

  • lima disse:

    os petroleiros sao meras peças?

  • lima disse:

    se o coração está vazio, a inteligência não servirá para nada.

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *