Plínio Bortolotti

Secretário do Procon faz piada de duplo sentido e constrange – no ar – Ian Gomes, da Revista O POVO/CBN

2107 10

[Veja abaixo explicações do secretário, 9/4/2010]

Reprodução integral de post do blog da Nonato Albuquerque, Gente de Mídia:

«Eu custei a acreditar mas quem me contou foi a própria Ian Gomes, testemunha da cena mais inusitada no programa Revista Povo-CBN, da última sexta feira. Ao entrevistar o secretário do Procon-Fortaleza, Ian ouviu João Ricardo simplesmente fazer piada de duplo sentido deixando-a, simplesmente, constrangida.

A apresentadora queria saber o que os clientes de uma agência de turismo tinham que fazer diante do cancelamento, sem nenhuma aviso, de um pacote de viagens para Nova Jerusalém, disse referindo-se a empresa Rolim-Tur.

“Pra começar, o nome dessa empresa é bastante sugestivo”, sendo interrompido pela aprsentadora, interessada na questão jurídica do caso. O que o senhor tem a dizer às vítimas da Rolim-Tur”, indagou de novo. Foi quando ouviu, constrangida, o representante do Ministério Público, em pleno ar, dizer:

– Em mim não, em você…»

[Para quem não é cearense: “rola” é um dos sinônimos do, digamos assim, órgão sexual masculino; “rolim”, portanto, seria o seu diminutivo. “Em mim não, em você…” – é uma resposta bem-humorada que se dá aos amigos quando  em uma conversa surge o  jogo de duplo sentido indicando que alguém levará…, bem você sabe o quê.] Veja nos comentários explicações de leitores mais interessantes do que a minha para o trocadilho do secretário do Procon.

Do secretário do Procon

Recebi ligação hoje [9/4/2010] do defensor público João Ricardo Franco Vieira, secretário executivo do Procon. Ele telefonou para pedir desculpas pelo modo como se dirigiu à apresentadora Ian Gomes, do programa Revista O POVO/CBN, conforme relatado acima.

“Não é do meu feitio fazer isso, faço questão de pedir desculpas”.  Foi uma coisa “atípica”, disse, informando que já pediu desculpas a Ian Gomes, a Nonato Albuquerque [autor do post original] e que também desculpa-se “com as pessoas que ouviram ou leram” sobre o assunto.

“Foi um momento infeliz que não vai se repetir”.

Comentário

Corajosa a declaração do defensor público João Ricardo. De fato, todos nós estamos sujeitos a dizer algo impróprio. A atitude dele demonstra que é uma pessoa digna.

Recomendado para você

10 Comentários

  • Lima disse:

    Plínio,

    se vc me permite um comentário, gostaria de discordar da sua explicacao. Nao vi nem ouvi o diálogo referido acima. Mas acho que a resposta do secretário foi a

    Rola em tu

    que é como soa a pronúncia cearense de Rolim-Tur.

    Se estivéssemos no interior de SP nao haveria o duplo sentido, pois a pronúncia seria Rolim-Turrrrrrr.

    No Ceará, até a língua é, digamos, moleque, pra ficar num termo padrao da língua portuguesa!!!

    Nao posso deixar de discordar do comportamento do secretário do PROCON, mas tive que dar umas boas risadas.

    Um abraco,

  • Hiran disse:

    Sinceramente, no lugar da Ian Gomes, eu aproveitaria a gravação da entrevista e denunciaria o secretário à Ouvidoria do Município e o processaria.
    Afinal não se tratou só de uma brincadeirinha.

  • Felipe Lima disse:

    Não tem como conseguir disponibilizar a gravação para avaliarmos melhor o tom da conversa? Mas, se houve constrangimento, então o tom deveria ser sério. Mas não deixa de ser engraçado e de entrar para o rol de nossos causos jornalísticos e, claro, gafes do Ministério Público.

    E concordo com o Lima. A tradução seria “Rol’im tu”, isto é, “Rola em tu”. Putz, discutir a morfologia da cacofonia é o fim…

    E, apesar de inapropriado, o comentário do promotor é até interessante, já que há a aplicação da analogia do ato sexual forçado com o “se dar mal” em negócios ou comércio. Essa empresa deveria repensar mesmo seu nome, se pretende atuar aqui no Ceará.

    É verdade também: quanto mais penso no assunto, mais dou risada.

  • Taís disse:

    Simplesmente ridícula a postura do defensor público. Foi desrespeitoso com a apresentadora e o público. Achou sensacional fazer gaiatice com uma mulher. Não foi nada engraçado, foi absolutamente constrangedor. Caberia facilmente uma reparação por danos morais. Mas não sei se piores foram os comentários dos leitores que ainda acharam graça dessa postura.

  • Julia Fernandes disse:

    Acho que valeram as desculpas e todo mundo está sujeito a cometer erros. Ele reconheceu que foi uma brincadeira ruim e se retratou. É isso.

  • Lais disse:

    Acho que a postura é realmente lamentável por se tratar de um secretário mas, sei que todo mundo tem o seu dia ruim e comete erros…Nesse caso foi importante a retratação. Uma outra coisa é que deve ser difícil conter o jeito moleque de ser dos cearenses, uns dos seus principais traços culturais…As vezes morremos de orgulho disso, já outras… nem tanto!

  • Yuri disse:

    Essa é uma boa oportunidade pra se falar “Só no Ceará mesmo…”

    Ao menos o secretário pediu desculpas, algo que causou espanto.

  • Lima disse:

    Legal ver que o secretário se desculpou. Da parte que me cabe, ele tá perdoado.

    Também nao acho que o fato de ter sido com uma mulher faz alguma diferenca. Se conheco o jeito moleque do nosso povo, arrisco dizer que ele fez a piada porque ela cabia certinho.

    Antes perder um amigo que perder uma piada!

    Buscar a justica por causa disso me parece exagerado.

    Abracos,

  • Nalú disse:

    Plínio também está de parabéns por ter mencionado a ligação do secretário. É preciso que se mostre o outro lado. O público tem direito de saber o que acontece depois que uma notícia é veiculada. Outros jornalistas acreditam ser desnecessário fazê-lo. Cada um escolhe que tipo de jornalista quer ser, não é?

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 4 =