Política

Votação de novo horário para lojas em Fortaleza é suspensa após protesto

Câmara chegou a iniciar discussão do novo horário, mas acabou suspendendo por conta dos protestos (Foto: Reprodução/TV Fortaleza)

Câmara chegou a iniciar discussão do novo horário, mas acabou suspendendo por conta dos protestos (Foto: Reprodução/TV Fortaleza)

Em meio a protestos de comerciários, a Câmara Municipal de Fortaleza suspendeu agora há pouco sessão que discutia projeto do prefeito Roberto Cláudio (PDT) que quer ampliar horário de funcionamento das lojas de rua da Capital. A liderança do governo vai tentar votar a medida ainda nesta quinta-feira, 26.

Os vereadores chegaram a iniciar a discussão, que acabou inviabilizada por conta da intensa comoção provocada por comerciários, que lotaram as galerias da Casa. Líder da oposição, o vereador Guilherme Sampaio (PT) propõe a formação de comissão para elaborar uma nova proposta de consenso, mas a liderança do governo defende votação imediata do texto.

“Essa matéria está em tramitação desde setembro, com muito diálogo. Formamos um grupo de trabalho e tentamos, nos últimos quinze dias, encontrar uma proposta que pudesse dialogar com todos os interesses. Lamentavelmente não encontramos consenso, mas essa matéria já está madura, a cidade espera uma posição”, diz o líder de RC, Ésio Feitosa (PPL).

Horário ampliado

Funcionários de lojas, especialmente do Centro, rejeitam o horário proposto pela Prefeitura, de operação até às 22 horas e aos domingos. Atualmente, a legislação permite que o comércio de rua funcione de segunda a sexta-feira até às 18 horas, aos sábados até às 16 horas e aos domingos e feriados somente quando estiver previsto em acordo coletivo com o sindicato.

Na prática, a proposta do prefeito estende as regras de lojas em shoppings para o comércio de rua.  Para donos de lojas, a medida gerará mais oportunidades de emprego e é positiva para o trabalhador, que poderá ganhar hora extra. Já os comerciários dizem que a ação traz riscos aos trabalhadores, que terão que sair do trabalho em horário mais adiantado.

“Se em alguns lugares em que é possível fechar as 19, tem muita loja que não passa das 18 horas em função do risco de assaltos, estender até às 22 horas fica inviável”, diz o presidente do Sindicato dos Comerciários, Francisco Monteiro. Guilherme tentou colocar em pauta outra proposta, estendendo horário do Centro até as 20 horas, que foi rejeitada pela liderança do governo.

Recomendado para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *