Respirando Música

Em Blue & Lonesome, os Rolling Stones provam que bandas clássicas não precisam ficar na mesmice

a2e0a6ad30f0bda5a918f9051e15b18e222

Os Rolling Stones são a  maior banda de rock do planeta. Ponto. Isso deve ter mal acostumado os rapazes ingleses nos últimos anos, desde a década 70 já não existiam mais os Beatles, nem Jim Morrison com o Doors e nem o Led Zeppelin; havia zero concorrências pros Stones e muito menos com o que veio dos anos 80 pra cá. Nos últimos 20 anos foram lançados apenas dois discos, o fraco Bridges to Babylon (1997, Virgin) e o razoável A Bigger Bang (2005, Virgin), de 2005 pra cá, nenhum trabalho novo além de discos ao vivo com os mesmos setlist de sempre e apenas um single inédito “Doom and Gloom” em 2012. isso causava uma exaustão nos fãs. Os Rolling Stones, a maior banda do planeta, tinha se tornado uma mesmice.

Em 2016 o cenário mudou, começando pelo show histórico em Cuba durante a turne Olé (a mesma passou pelo Brasil esse ano), desse show saiu um filme/concerto Havana Moon que mostra o primeiro show dos Stones na capital cubana. Ainda assim, os fãs e a mídia estavam ansiosos por um novo disco de estúdio, assim sendo, no dia 2 de dezembro desse mês, foi lançado Blue & Lonesome (2016, Polydor), um disco de estúdio inédito recheado de COVERS???? SIM, COVERS!

Blue & Lonesome revisita os Rolling Stones na sua época inicial, uma banda que tocava covers de sucessos blues e que manteve essa influência até os anos 70. O novo disco apresenta canções de ídolos como Buddy Johnson, Willie Dixon e Howlin’ Wolf interpretadas pelos garotos (atualmente senhores) de Londres.  O novo lançamento em nenhum momento parece ser um álbum de releituras, já que a maior banda do planeta tem uma marca própria que qualquer pessoa conhece. As guitarras de Ronnie Wood e Keith Richards mostram riffs que possuem aquela característica de peso dos Stones, a cozinha de Charlie Watts (o maior baterista de todos os tempos, na opinião de quem vos fala) continua fantástica e como sempre há o principal, os vocais de Mick Jagger carregando aquela voz capaz de fazer o diabo dançar mostram-se muito melhor do que há 20 anos atrás, sem falar também na sua habilidade com a gaita. O disco passa a sensação de união, gravado em apenas 3 dias, mostra uma grupo que ainda se sente bem em tocar junto mesmo depois de 54 anos de carreira e muitos altos e baixos internos.

O primeiro single, a ótima Just Your Fool foi lançado no dia 6 de outubro, um vídeo para o segundo single Hate to See You Go foi disponibilizado no dia 8 de novembro e por último um vídeo com a participação da atriz Kristen Stewart foi lançado para o terceiro single Ride ‘Em On Down. A lenda da guitarra, Eric Clapton, faz participação em duas faixas do disco, elas são Everybody Knows About My Good Thing I Can’t Quit You Baby. Em faixas como Blue and Lonesome e Just Like I Treat You é perceptível a habilidade da banda com os intrumentos e a de Jagger no conjunto voz/gaita.

Aclamado por público e crítica, Blue & Lonesome é um disco simples, agradável e que mostra que até a maior banda do mundo consegue se renovar, mesmo que seja voltando às raízes.

stones

Nota: 8.5/10
Melhores faixas: Just Your Fool, Blue and Lonesome, Ride ‘Em On Down e I Can’t Quit You Baby.

Recomendado para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *