Discografia

Dupla afinada

Vamos à escalação: de um lado o mineiro Wagner Tiso Veiga, pianista, maestro, compositor, parceiro de Milton Nascimento; do outro lado, Márcio Mallard, violoncelista há mais de 30 anos à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira. Ambos são parceiros há mais de 40 anos, já gravaram juntos o disco Wagner Tiso ao vivo com Rio Cello Ensemble, e subiram ao palco do Theatro José de Alencar na noite da última quarta-feira (15) para uma apresentação gratuita dentro do programa Quarta de Cultura no Centro. A noite prometia um grande show, o que logo se confirmou. Uma casa com muitas cadeiras vazias no começo, logo foi se enchendo, a medida que os sons suaves da dupla também tomavam conta do lugar, apesar do som parecer mal equalizado comprometendo o peso das notas. O repertório, embora populista, não perdeu sua sofisticação. Pra começar, Luiza, de Tom Jobim, já revelava o entrosamento da dupla que trocava olhares e sinais, sempre com uma concentração de monge budista. Da lavra de Heitor Villa-Lobos, Mandu Çarará, a seguinte, surpreendeu pelo ritmo miscigenado, marca do nosso maestro maior. Homem de poucas palavras, Wagner Tiso só foi falar com a plateia depois do quinto número. Daí em diante, seu único contato com a plateia, hipnotizada com os sons da dupla, foi quando foi apresentar Por causa de você, de Tom Jobim e Dolores Duran. Por sinal, foi este o melhor momento da noite com uma puxada para o jazz. Mestre nos arranjos, Wagner Tiso impressionou ao construir e desconstruir com Mallard Procissão e Expresso 2222, de Gilberto Gil, e Cravo e Canela, de Milton Nascimento. Para encerrar a noite, que ainda teve Eu sei que vou te amar e Bachianas No5, um bis sem sair do palco. Acompanhados pela plateia no vocal, eles se despediram com Se todos fossem iguais a você e foram embora deixando para trás uma Fortaleza satisfeita.