Educação

Estudo divulgado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE) mostra que mais de um terço dos jovens entre 18 e 24 anos não para em seus empregos. Do total de desligamentos nessa faixa etária, 34% ocorrem a pedido dos empregados.

Para debater essa e outras questões, a SAE reuniu em Brasília (DF), especialistas das áreas de neurologia, psicologia cognitiva e tecnologia da informação e inovação no seminário Circulação ou evasão?

O objetivo foi conhecer as razões da alta rotatividade e abandono dos postos de trabalho e, a partir daí, estabelecer políticas públicas mais adequadas à juventude. A pesquisa trabalha com uma faixa etária de 15 a 19 anos, o que corresponde a 51,3 milhões de jovens.

No entanto, segundo o ministro de Assuntos Estratégicos, Marcelo Neri, a fase mais crítica é de 18 a 24 anos: 14% deles trocaram de emprego no ano, enquanto a taxa que abrange a faixa de 30 a 64 anos é de 6%.

Ainda na faixa de 18 a 24 anos, a rotatividade é de 77%, enquanto que para a linha de 30 a 64 anos, o percentual é de 28%. O tempo médio da faixa mais jovem no emprego é de dois anos e o da mais velha, seis anos.

Fonte: O Globo