Educação

Projeto de judô ajuda na construção do ser humano integral

946 1

O esporte é uma das maneiras mais eficazes de se construir um cidadão equilibrado, respeitador das regras de convivência social e consciente de seu papel no mundo. Prova disso é o judô, a arte marcial que foi criada com o objetivo de desenvolver a parte física e espiritual dos praticantes. O Blog Educação foi conhecer um projeto que desenvolve tudo isso através da técnica da defesa pessoal e principalmente, da perseverança e do amor envolvido.

Treinamento do CCBJ

Judô no Centro Cultural do Bom Jardim

Judô no Centro Cultural do Bom Jardim

Treinamento no CCBJ

Em uma terça-feira do último abril, noite de lua cheia e brisa agradável, o Centro Cultural do Bom Jardim estava fervendo com os grupos de crianças, adolescentes e adultos que praticavam o judô no espaço que abriga também exposições em suas paredes.  Os participantes, atentos aos ensinamentos do professor Kaio Lima e de sua monitora Efigênia Fonseca, cumprimentavam o mestre antes de entrar no tatame, num sinal de respeito e reverência. “Não é apenas uma luta, eles aprendem que o respeito ao colega tem que existir antes de tudo”, balbuciou ao meu lado um senhor. Era o pai da Bianca Guimarães, 10 anos, que estava praticando os exercícios. Bianca conta que o interesse pelo projeto surgiu a partir de um cartaz que ela visualizou quando voltava da escola com a sua mãe. “É melhor praticar algum esporte do que ficar em casa. Aqui a gente aprende a se defender, a levantar e cair, e faz muitas amizades também”, revela a pequena lutadora.

Criado no Japão em 1882 pelo professor de Educação Física Jigoro Kano com o objetivo  de expandir uma técnica de defesa pessoal, além de desenvolver o físico,  o espírito e  a mente, a arte marcial chegou ao Brasil no ano de 1922, em pleno período da imigração japonesa.

Já o projeto começou em 2008, quando o educador físico Kaio Lima iniciou suas aulas na Vila Olímpica do Canindezinho, possibilitando a vivência de um esporte em um ambiente onde poucas possibilidades de lazer, esporte e educação são encontradas. ” No início foi difícil, não tinha tapete nem quimonos, somente a vontade de mudar uma realidade e apresentar um mundo novo através do judô”, conta Kaio.

Treinamento de Judô na escola Osires Pontes

Atletas do Judô

Treinamento na EEFM Osires Pontes

Atletas do Judô

E foi assim que cinco alunos conseguiram viajar para um campeonato em Garanhuns, Pernambuco. Foi a primeira vez que seguiram de avião, ampliando a visão de mundo e conquistando vitórias. Com o fechamento da Vila Olímpica, o projeto deu continuidade na escola estadual de ensino médio Osires Pontes, também no Canindezinho. Durante todo esse tempo o trabalho foi desenvolvido através do voluntariado, só conseguindo apoio da Secretaria de Esportes de Fortaleza em 2015, através do Projeto Atleta Cidadão.

Foi na escola Osires Pontes que encontrei Jefferson Chagas, 23 anos, aluno da primeira turma de judô iniciada por Kaio. Ele tirou o 2º lugar naquele campeonato em Garanhuns, além de ter participado de vários outros. Conta que a mãe o matriculou por conta de sua timidez. E ele se interessou ainda mais pelo projeto quando começou a frequentar e ver o respeito que o professor tinha pela comunidade, como ele era visto, sua forma de superar os problemas, de passar aquela arte marcial para os alunos, seu estilo de vida. Foi essa presença que ajudou também na vida fora dos tatames. Jefferson conta que nunca teve a presença do pai mas, que o esporte o ajudou a se levantar sempre. “O esporte nos ajuda para a vida. Descobrimos quem somos. Aprendemos a nos respeitar e respeitar o próximo”, finaliza o jovem talento com toda a sua humildade.

Kaio Lima conta que através da parceria com o projeto Atleta Cidadão foi possível ter o salário pago e uma bolsa para a estagiária. Que por sinal, traz mais uma história de firmeza, determinação e força de vontade. Ela sai de sua casa, na Caucaia, e vai pedalando até as sedes do projeto. O judô chamou-lhe atenção pela oportunidade que ela mesma teve aos 12 anos, quando participou de um projeto social na comunidade em que morava. “A arte marcial não é só luta física, é filosofia de vida. Os valores que aprendemos aqui se ampliam para a vida! conta Efigênia Fonseca. Hoje ela é estudante do bacharelado de educação física da UECE. Mas quer cursar licenciatura para compartilhar suas experiências e conhecimento em sala de aula, além de seguir com um projeto de handball.

Treinamento do Judô

O judô uniu a família de Marta Gerúsia Lima no tatame. Além dela, o esposo e mais duas filhas treinam a disciplina, a força e o respeito juntos. Mais do que isso, junta sonhos que crescem à medida que novas gerações entram no projeto, acreditando sempre no ser humano e nessa força que move cada um. Foi isso que eu vi nos olhos e na determinação do professor Kaio Eduardo Silva Lima e sua estagiária Efifênia Fonseca Alves. São iniciativas como essa que oportunizam o protagonismo, a igualdade e a equidade. Afinal de contas, sempre temos escolhas!

Wellington Marques e Bianca Guimarães (pai e filha)

Quem quiser participar do projeto, que tem como público alvo crianças, adolescentes e adultos, tem que comparecer aos locais de treino e preencher uma ficha de inscrição.

EEFM Senador Osires Pontes (Rua R. Divina, 150 – Canindezinho. Horários: Quarta e Sexta: 18h – 20h30m. Sábado: 7h30m – 11h30m)

Centro Cultural do Bom Jardim (Rua 3 Corações, 400 – Bom Jardim. Horários: Terça e Quinta: 16h30m – 21h).