GIRO LUSÓFONO

Brasileira cria projeto na Itália para que filhos não esqueçam o português

Na Itália, há 14 projetos como o Ciranda de Português em nove regiões. (Foto: Arquivo Pessoal)

Com o intuito de fazer com que os filhos não esquecessem a língua portuguesa, a jornalista Eliane Oliveira, brasileira do Estado do Mato Grosso do Sul, criou na Itália o Ciranda de Português. O projeto reúne leitura e brincadeiras em encontros que acontecem ao ar livre, para fazer com que as crianças brinquem, leiam e ouçam histórias.

A brasileira vive há dois anos na Itália e contou ao Campo Grande News que percebeu que a preocupação com os filhos também era compartilhada com outros pais imigrantes. “É com objetivo de manter o português, a língua materna, que os filhos normalmente tem contacto até os três anos. Depois disso, quando eles começam a ter uma vida social, a língua predominante torna-se a do país em que vivem. E o português, que é uma língua materna, passa a ser de herança”, detalha Eliane.

Ela disse que foi a observar os filhos que teve a certeza de que o português estava a ficar para trás. “Percebi que meu filhos estavam esquecendo o português e foi procurando algo para eles que me dei conta que não havia nada relacionado a isso que proporcionasse a socialização com a Língua Portuguesa”, explica a jornalista.

O projeto reúne leitura e brincadeiras em encontros que acontecem ao ar livre, para fazer com que as crianças brinquem, leiam e ouçam histórias. (Foto: Arquivo Pessoal)

Segundo Eliane, a maioria das crianças compreende, mas não fala português. Elas têm dificuldade de falar porque ouvem só o italiano, predominante no cotidiano. Por isso os laboratórios acontecem de maneira diferenciada para a família. “É um encontro normal, sem obrigar a criança a falar o português, mas com intuito de transformar o encontro com brincadeiras lúdicas e pedagógicas dentro de um contexto cultural”, conta.

Na Itália, há 14 projetos como esse em nove regiões. O mais novo deles é o de Eliane, em Milão e Cremona, duas cidades do norte italiano. “Fazemos parte de uma rede criada por mães brasileiras”, afirma a brasileira.

Com Campo Grande News.

Recomendado para você