Plínio Bortolotti

Jornalista, vítima de notícia falsa, diz que vai revelar o nome do autor da “canalhice”: um “publicitário de uma grande agência brasileira”

959 2

O jornalista Gilberto Dimenstein, coordenador do Catraca Livre, foi vítima de uma notícia falsa que o dava como dono de um “boteco” na Vila Madalena (bairro de São Paulo). Em texto no portal Comunique-se ele conta que passou a investigar o caso, a partir da disseminação da falsidade pelo Movimento Brasil Livre, o MBL, uma das principais organizações que trabalharam pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Dimenstein falou então com líder do MBL, Fernando Holiday. Em uma conversa por telefone (que o jornalista gravou), Holiday lhe disse que o texto não era de sua autoria, mas que “concordava” com seu conteúdo. À pergunta qual era a fonte de informação, Holiday revelou: o site “Jornalivre”.

Em sua pesquisa, Dimenstein verificou que o site não é registrado no Brasil, não tem expediente e nem contato para falar com os responsáveis. Porém, ele diz ter colhido “fortes indícios” de que a fonte original é um publicitário “de uma grande agência de publicidade brasileira” e que havia “comunicação, via redes sociais, entre esse publicitário e dirigentes do MBL”.

Dimenstein assevera que divulgará o nome do publicitária responsável pelo site: “Quando tiver as provas materiais”. “Vocês vão ficar surpresos em saber que alguém assim ocupa um cargo tão importante numa agência tão importante”.

Ele termina o texto alertando que essa “canalhice digital”, a divulgação de notícias falsas, ocorre à direita e à esquerda.

Veja o texto de Dimenstein na íntegra, no portal Comunique-se.

Recomendado para você