Ancoradouro

Igreja retoma uso de Pinças Eucarísticas em tempos de pandemia

520 1

A Desta, empresa italiana de material litúrgico, resgatou o uso e fabricação das Pinças Eucarísticas, instrumentos utilizados no período de pestes para auxiliar na distribuição da Sagrada Comunhão de forma segura e digna.  Governo italiano havia sugerido a distribuição das hóstias consagradas em sacos plásticos individuais, o que foi rechaçado pela  Conferência dos Bispos Italianos -CEI.

Pinças Eucarísticas estão sendo vendidas pela empresa Desta.

Contudo, o protocolo sobre a retomada das celebrações litúrgicas , assinado entre o Governo e a CEI em 7 de maio de 2020, no parágrafo 3.4, sublinha a necessidade de que, durante o rito da comunhão, a partícula consagrada seja pelo celebrante ou por qualquer ministro extraordinário oferecido “sem entre em contato com as mãos dos fiéis “ . Foi para atender a essa necessidade de natureza sanitária que a  empresa Desta, líder na produção de móveis litúrgicos e vestimentas sagradas, oferece “pinças eucarísticas” .

Instrumento faz parte da história da Igreja.

As pinças eucarísticas têm, acima de tudo, um significado litúrgico, tanto na dignidade do sacramento que, no período medieval, na corte papal de Avignon (século XIV), entre os instrumentos litúrgicos existem também “pinças” para transferência as hóstias consagradas, cuja utilização está reservada para prelados e tendo as mais diversas denominações: forcipes , tenáculos , furcheta .

Ainda não se tem notícias da venda das peças no Brasil.

As pinças são alicates “ad recipiendum hostiam in calice” , como o “tenacula de argento” , que aparece no inventário de 1315-1316 de Clemente V ou o “furchete de auro pro recipienda ostia” , que se encontra na lista de 1353 relacionados com Inocêncio VI. Além disso, o uso de “cum tenaculis de auro hostias consecratas”  está especificamente documentado no Liber de caeremoniis Sanctae Romanae Ecclesiae (segunda metade do século XIV) .

Além de um significado litúrgico, essas pinças, ao longo da história da Igreja, desempenham uma importante função de prevenção da saúde em tempos de pestilência, hanseníase e epidemia. Para evitar o contágio e, ao mesmo tempo, não deixar que os fiéis percam o consolo da Eucaristia, nascem pinças e colheres eucarísticas de vários comprimentos.

Com informações da Desta. 

 

 

Recomendado para você

1 comentário

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 10 =