Clube da Luta

Rony Jason quer mostrar jiu-jitsu afiado contra oponente ‘especialista em nada’

Rony Jason luta neste sábado, 31, no TUF Brasil 3 Final, em São Paulo. Foto: FCO Fontenele/O POVO

Rony Jason luta neste sábado, 31, no TUF Brasil 3 Final, em São Paulo. Foto: FCO Fontenele/O POVO

O garoto de Quixadá retorna ao cage no dia 20 de dezembro, contra o finlandês Tom Niinimaki, no UFC em Barueri. Afastado desde maio, quando perdeu para Robbie Peralta, no UFC em São Paulo, e fraturou a mão esquerda, Rony “Jason” Mariano quer apresentar um jiu-jitsu de alto nível voltado para o MMA. Para o cearense, são poucos o que sabem utilizar essa técnica cercado pelas grades do octógono.

Em uma conversa bem-humorada com a equipe do Blog Clube da Luta/O POVO, Rony falou sobre o aprendizado com as derrotas, a mágoa com o revés diante de Robbie Peralta e a preparação com foco em seu jiu-jitsu. “Se quebrar a mão de novo, que seja na cabeça do oponente“, brincou Jason, que precisou se recuperar de uma fratura na mão esquerda provocada na última luta, no UFC em São Paulo.

Com preparação intensa na Pitbull Brothers, em Natal, não vai querer ficar muito tempo dentro do cage com Niinimaki. O cearense não quer saber mais de depender da decisão dos juízes. Jason ainda não engoliu a derrota para Peralta, por pontos, e acredita que venceu o adversário. “Só preciso colocá-lo (Niinimaki) uma vez no chão. Estou focado e, dessa vez, não quero deixar nas mãos dos juízes”, alerta Rony sobre o seu perigoso jiu-jitsu.

Confira abaixo as declarações de Rony Jason:

Tom Niinimaki: bom em tudo, especialista em nada!
Ele é muito duro e bom em tudo. Mas uma pessoa que é boa em tudo, não é especialista em nada. É preciso ser especialista em algo. Minha especialidade é o jiu-jitsu. Todo mundo é duro até a primeira mão entrar. Quero ver como é o chão dele, se é bom mesmo. Ele tem muitas finalizações e nocautes, é um brigador que gosta de trabalhar no ‘ground’nd’pound’. Eu sou guardeiro, então vai ter troca de faísca. Ele me batendo, enquanto eu estarei tentando pegar ele.

Finalizador
Vou buscar a finalização. Ninguém viu meu jiu-jitsu no UFC. Estava guardando para lutas mais apertadas, para um top 10, mas tive que usar antes. Nessa luta, vou buscar a finalização, só preciso colocá-lo uma vez no chão.

Preocupação com a mão fraturada
Estou recuperado, mas ainda como um pouco de medo da mão (esquerda), apesar de jogar de destro. Eu sinto um pouco a mão ainda, mas estarei 100%. Se quebrar a mão de novo, que seja na cabeça do oponente.

Rony em treino aberto | Foto: Divulgação/Textual

Rony em treino aberto | Foto: Divulgação/Textual

Embaixo no ranking
Se eu tivesse vencido a última luta, estaria muito bem credenciado na categoria. Perdi a luta e isso me coloca lá embaixo no ranking. Independente de quem ganhar, o UFC deveria dar mais oportunidades. Não é porque um atleta perdeu duas seguidas que não mereça está no UFC.

MMA cearense
Não adianta ter trabalho e não ter emprego. Hoje tem muito evento no Estado, mas infelizmente não pode contar com os órgãos públicos do Governo. É que o nordestino é aguerrido. O Limo Fight já vai para a 13ª edição. Eu mesmo estou fazendo evento. Quero fazer o Jason Fight 2. Quero colocar pessoas que gostem de lutar. O MMA está crescendo no Ceará. Quero que cresça muito mais, temos muitos campeões perdidos e só precisam de uma oportunidade.

Derrotas
Realmente foi um baque grande. Estava com uma sequencia boa, perdi minha primeira luta no UFC (para Jeremy Stephens) e depois dei a volta por cima, em Natal (contra Steven Siller). Quando lutei contra o Peralta, acabei quebrando a mão e lutando 13 minutos dessa forma, mas caminhando para frente o tempo todo. Não vi, em momento algum, ter perdido a luta. Estou focado e, dessa vez, não quero deixar nas mãos dos juízes. Nunca tive sorte, quando levei para o juízes. É confuso como os árbitros pontuam.

Mágoa com revés contra Peralta
A derrota para o Peralta foi muito ruim. Não perdi e deram a vitória para ele. Estive afastado por seis meses, mas quebraria a outra mão, desde que saísse com a vitória. Não posso mais confiar nos árbitros. Um ponto negativo disso é que terei que me expor cada vez mais para não deixar nas mãos deles. Me expondo mais, eu dou mais oportunidade para o oponente também.

Jason fraturou a mão esquerda em luta contra Peralta | Foto: UFC/Divulgação

Jason fraturou a mão esquerda em luta contra Peralta | Foto: UFC/Divulgação

Treinos na Pitbull Brothers
Treinar aqui é muito bom. Não são apenas meus amigos, são minha família. Eu me sinto em casa. Quando você faz algo com alegria, tudo se torna mais proveitoso. A vinda do Erik Albarracín para equipe só veio abrilhantar ainda mais a equipe. Poucas pessoas sabem a importância do wrestling. Quem é da trocação precisa dele para manter o duelo em pé, enquanto quem é do chão precisa para derrubar. O Albarracín está refinando minhas quedas. Apanho todos os dias dos irmãos Pitbull (Patrick e Patrício), então quero descontar em alguém.

Jiu-jitsu refinado
São poucos os quem possuem um excelente jiu-jitsu para o MMA. Jacaré usa muito bem, o Demian também. Quero ser um desses lutadores que sabem utilizar.

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *