Discografia

Aos 22 anos, Dylan LeBlanc revela suas dores em Cast the same old shadow

Dylan-LeBlanc-Cast-the-Same-Old-Shadow

Nascido em 1990, em Shreveport, Louisiana, Dylan LeBlanc é um desses talentos precoces que volta e meia aparecem por aí. Começou a dedilhar uma guitarra aos 7 anos e logo em seguida se aventurou nas primeiras composições. Lançou seu primeiro disco, Paupers Field, em 2010, quando contava 20 anos. Recebendo elogios pelo som “sépia” do álbum e gravando ao lado de gigantes como Lucinda Williams and Bruce Springsteen, ele lançou em 2012 seu segundo trabalho. Cast the same old shadow (Lab 344) traz 10 faixas, das quais oito são compostas de próprio punho. Innocent sinner é uma parceria dele com o baixista Mus Gillan, que se agrega bem ao tom soturno e triste das demais faixas. A canção fala sobre solidão e a vontade de reaver velhas sensações, assim como Diamond and pearls, única canção somente de Mus. Fazendo uma cruzamento de Bob Dylan, Pink Floyd e Neil Young, Brother quebra o protocolo de tristeza para falar em esperança numa dos momentos mais agitados do disco. Chesapeake lane fala sobre um bêbado tendo que enfrentar o dia acordando e todas as dores de cabeça decorrentes do exagero da noite anterior (“ela chora por seu homen e ele chora por seu vinho. Mas o silêncio vem fácil para um homem como eu, quando não tento ver o que os outros vêem”). Apesar das faixas seguirem num crescendo, como se fossem uma só, o disco permite algumas variações. Enquanto Confort me abusa mais do country, Lonesome waltz é uma espécie de valsa interplenetária. Essa unidade às canções deve-se à produção da premiada produtora Trina Shoemaker (Sheryl Crow, Queens of The Stone Age). Assim, Cast the same old shadow é um disco que deve ser degustado com calma, à meia luz e, de preferência acompanhado de alguma bebida forte. É fato que o tom de tristeza é um recurso muito usado por artistas que querem simular um som emotivo, sentimental e profundo. Mas não é esse o ponto alto de Dylan LeBlanc. Recheado por guitarras lentas e com a boa voz do artista, os 46 minutos de música descem com uma leveza que, embora não seja inédita, certamente vai garantir bons momentos de prazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.