Discografia

Na última parte do projeto Cinephonia, Marisa Monte volta ao início da sua história

Marisa Monte e Ed Motta regravaram dueto clássico de Tim Maia e Elis Regina (Foto: Divulgação)

Quando começou a carreira musical, no final dos anos 1980, Marisa Monte apostava num repertório amplo que nunca soou como perdido ou como estar atirando pra qualquer lado. Cabeçudo pra uns, mas muito bem selecionado, ela estreou com um disco ao vivo que costurava versões inéditas e criativas para canções que passavam ao largo da juventude da época. Tinha Luiz Gonzaga em versão reggae, Mutantes em samba-enredo, Roberto Carlos (fase jovem guarda) em blues, pop italiano, standard americano e mais um monte de coisa. Antecipadamente, ainda considero seu melhor disco justamente pela falta de acabamento. Tudo parece cru demais pra ser tão bem feito.

Sob o olhar atento de Nelson Motta, Marisa chegou ao mercado mostrando que seu repertório era largo e que a sofisticação tem espaço no mercado. Um bom recado que não se perdeu ao longo de mais de 30 anos de carreira. Na terceira e última parte do projeto Cinephonia, ela visita esses primeiros anos recuperando canções que foram registradas só nos seus DVDs. A primeira parte foi lançada em 11 de junho, com canções da turnê do álbum Memórias, crônicas e Declarações de amor, e a segunda em 19 de junho, com o show/DVD Barulhinho Bom.

Essa terceira parte do projeto ela chama de Princípios (1989 – 1992) – Ao Vivo e traz seis canções dos seus dois primeiros DVDs. O primeiro, MM ao Vivo, é um especial feito para a TV Manchete em 1988 e lançado no ano seguinte. Como uma carta de boas intenções, ela mostra um pouco do muito que fazia sua cabeça naquele momento. Um dos grandes momentos, que agora, com o Cinephonia, chega às plataformas de streaming é o dueto com Ed Motta em These are the songs. Ele com 16 anos, já mostra toda a verve soul jazz ainda crua.

“Conheci o Ed Motta, em 1987, quando ele tinha 16 anos e eu 19. Éramos ambos do Rio, fazíamos nossas primeiras apresentações por aí, tínhamos alguns amigos músicos em comum e logo nos aproximamos. Antes mesmo do nosso primeiro disco, fomos convidados para fazer um show com a sua banda, Conexão Japeri, no Clube Aeroanta em São Paulo. Daquela temporada, entre mil firulas vocais, me lembro do hotel na Avenida Ipiranga, no centro de Sampa, dos jantares depois do show sempre mesas grandes com a banda toda e do repertório repleto de sucessos nacionais e internacionais da black music que já era nossa paixão em comum. Quando fui convidada gravar meu primeiro registro audiovisual, um especial para a TV Manchete filmado em película e dirigido pelo Nelson Motta e pelo Walter Salles, em outubro de 1988, ele naturalmente estava entre meus convidados. E para aquela gravação nós escolhemos These are The Songs, uma canção do Tim Maia, que havia sido gravada no terceiro álbum do mestre da soul music brasileira, Tim Maia de 1972, em dueto com a Elis Regina (Nota do blog: Na verdade, a música foi lançada no disco Em pleno verão, de Elis Regina, em 1970. Tim Maia regravou a canção em 1972, em disco próprio, sem Elis). Por algum motivo essa canção ficou fora do meu primeiro álbum, mas faz parte do registro audiovisual em home video e agora, 32 anos depois, finalmente está disponível em áudio”, conta  ela no material de divulgação do projeto.

As demais faixas são do DVD Mais Ao Vivo, lançado em 1992. Já com alguns hits na bagagem, ela faz aqui um apanhado de vídeos produzidos ou nem tanto captados durante a turnê do disco Mais. É a partir desse disco que a compositora Marisa Monte surge sem deixar dúvidas sobre seu viés pop e sofisticado. Desse período, ela resgata, entre outras, versões divertidas e dançantes para Você não serve pra mim e Não quero dinheiro.

“O DVD Mais é o registro da minha segunda tour, consequência do meu segundo álbum, lançado em 1991. Viajamos pelo Brasil inteiro e atracamos no Rio de Janeiro para gravar no Imperator, em 92. A filmagem foi dirigida por Arthur Fontes e Lula Buarque, que vinham acompanhando meus passos e registrando tudo em película desde o ano anterior. O show ao vivo tinha uma banda poderosa com destaque para o Gigante Brasil na bateria e os incríveis Tche e Bukassa nos backing vocais e nas coreografias, que animavam a plateia levando o público ao delírio. Algumas músicas do repertório desse show foram fundamentais na minha trajetória mesmo sem terem sido lançadas em disco e estavam presentes somente no home video, como Não Quero Dinheiro (Só Quero Amar), do Tim, e Você Não Serve Pra Mim, do Renato Barros. Para completar esse pacote, De Noite Na Cama do Caetano, Eu Não Sou da Sua Rua, do Branco Mello e do Arnaldo, e Volte Para o Seu Lar, do Arnaldo, três versões ao vivo de sucessos do disco de estúdio”, diz Marisa.

Confira o repertório de Princípios (1989 – 1992) – Ao Vivo:
1. These Are The Songs (Tim Maia) feat. Ed Motta
2. Não Quero Dinheiro (Só Quero Amar) (Tim Maia)
3. Você Não Serve Pra Mim (Renato Barros)
4. Eu Não Sou da Sua Rua (Arnaldo Antunes/Branco Mello)
5. De Noite na Cama (Caetano Veloso)
6. Volte Para o Seu Lar (Arnaldo Antunes)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.