Discografia

Em segundo volume de Cinephonia, Marisa Monte atesta sua paixão por Novos Baianos

Pepeu Gomes, Marisa Monte, Moraes Moreira e Baby do Brasil nas gravações do DVD Barulhinho Bom

Em meados dos anos 1990, os Novos Baianos não eram mais que uma lembrança feliz entre os fãs mais atentos e nostálgicos da MPB. Pouco ou nada deles existia à venda e a própria banda não ajudava nisso. Moraes Moreira já vivia bem da carreira solo, sem precisar ser identificado como “ex-Novo Baiano”. Para o casal Baby e Pepeu, a memória também já estava superada. Eles já tinham cruzado os anos 1980 como um dupla de muito sucesso, mas chegaram à década seguinte separados e com outros planos. Ela, inclusive, nem era mais “Consuelo”, mas “do Brasil”. E Paulinho Boca de Cantor, embora mais discreto, também vivia sua vida, sua agenda e seus trabalhos. Até a banda de apoio deles já havia partido pra outra quando fundou o A Cor do Som.

Mas o que ficou disso? A magia e um repertório excepcional, exatamente o que Marisa Monte captou no seu DVD Barulhinho Bom – Uma viagem musical. Numa época em que a tribo hippie referencial do Brasil setentista estava completamente esfacelada e entregue aos sabores do capitalismo, a cantora carioca juntou essas peças todas no inspirador hotel Paineiras, no Rio de Janeiro, e botou todo mundo pra tocar. Esse material é o que enriquece a segunda parte do projeto Cinephonia.

Reunindo sobras de estúdio e materiais gravados exclusivamente em DVD, Cinephonia foi dividido em três partes. A primeira foi lançada em 11 de junho e a terceira está prevista para o próximo dia 26.

“O ano era 1996. A ideia era promover encontros musicais com parceiros e amigos sem ensaio e com total liberdade para serem filmados para o DVD de Barulhinho Bom. Meus convidados: Novos Baianos, Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Davi Moraes e as pastoras da Velha Guarda da Portela. O cenário escolhido foi a ruína do hotel das Paineiras, na Floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro, aos pés do Cristo Redentor. Tocamos e cantamos as músicas que amávamos, nosso repertório afetivo comum, entre gargalhadas e olhares cúmplices. Ouvir esses registros me faz sorrir ao lembrar de dias luminosos, no meio da natureza, com a cidade aos nossos pés, pertinho do céu, vivendo um sonho encantado daquele momento musical coletivo. Uma viagem musical”, lembra Marisa em material enviado à imprensa.

Como a própria cantora lembra, o DVD Barulhinho Bom foi um projeto de encontros. Além dos Novos Baianos, os futuros Tribalistas Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown começavam a dar os primeiros passos, inclusive compondo uma música de improviso (Tem batom no dente). Pena que essa ficou de fora de Cinephonia 2, assim como a belíssima participação das pastoras da Velha guarda da Portela relembrando sambas antigos e o impecável encontro de Marisa, Paulinho da Viola e Raphael Rabello em Pra ver as meninas. Quem sabe na próxima.

Confira o repertório de Cinephonia Volume 2

1. Magamalabares (Carlinhos Brown)
2. Vide Gal (Carlinhos Brown)
3. Chuva no Brejo (Moraes Moreira)
4. A Menina Dança (Moraes Moreira/Galvão)
5. Mistério do Planeta (Moraes Moreira/Galvão)
6. Eu Sou o Caso Deles (Moraes Moreira/Galvão)
7. Tempos Modernos (Lulu Santos)
8. Cérebro Eletrônico (Gilberto Gil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.