Educação

Vamos ler!

542 1

Considerado um grave problema para a formação de estudantes e profissionais, o baixo índice de leitura do brasileiro, em torno de 4,7 livros por habitante a cada ano, pode ser combatido com mais vigor a partir de 2010.

leiturasEspera-se para o próximo ano a aprovação do Fundo Pró-Leitura, que vai destinar 1% (algo em torno de R$ 46 milhões) do faturamento do mercado editorial nacional ao incentivo da prática.

O fundo, proposto pela cadeia produtiva do livro em dezembro de 2004, quando o Governo Federal deixou de arrecadar 9% em tributos com a desoneração do pagamento do PIS/Cofins, será somado ao Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) e ao Programa Mais Cultura.

Estado e empresários encomendaram estudos para avaliar os impactos da iniciativa antes de redigir o projeto final, que será apresentado à Câmara dos Deputados.

Aprovada pelo Congresso, a iniciativa vai aplicar recursos para projetos que não apenas incentivem a leitura, mas também a instalação de bibliotecas públicas, hábito não cultivado por 73% da população. Apesar de ter proposto a criação do fundo setorial há cinco anos, e de ser beneficiado com a isenção de impostos, que totalizam cerca de R$ 160 milhões por ano, o setor vê com cautela a ideia. “Não estamos resistentes. Somos a favor da criação do Fundo Pró-Leitura.

Mas existe uma preocupação com o elo fraco da cadeia produtiva, que são os distribuidores e pequenos editores e livreiros.

Para avaliar os impactos, o setor vai contratar um instituto que realizará um estudo econômico”, afirma Rosely Boschini, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL). De acordo com ela, a crise financeira não é uma desculpa, é real. Enfrentamos dificuldades para acessar o crédito e há inadimplência.

Fonte: Correio Braziliense (DF), Rodrigo Couto

Recomendado para você

1 comentário

  • David Rocha disse:

    Leitura é um hábito. Não será apenas com a destinação e recursos para a compra de livros que a razão livros/habitantes irá melhorar.
    Talvez o governo já pudesse fazer algo concreto com os livros já existentes, como por exemplo com o estímulo pecuniário a jovens que organizassem algo como como clubes de leituras nas escolas de tal forma que, com o tempo, se formasse uma cultura de leitura.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + três =