Educação

Por que gritamos com os filhos?

O Blog Educação dá uma dica de leitura hoje para toda a família, principalmente pais e cuidadores:o livro da autora do best-seller Educação não violenta. A psicanalista Elisama Santos, ensina em Por que gritamos, seu novo livro pela Editora Paz &Terra, a educar com amor e fazer as pazes consigo mesmo para ter filhos emocionalmente saudáveis.

Com mais de 137 mil seguidores no Instagram, a educadora parental revela que brigar com os sentimentos não vai facilitar a missão dos pais. A educação das crianças acontece enquanto os pais lidam com seus próprios medos, angústias, frustrações, tristezas entre outros tantos sentimentos. Por isso destaca a importância de cada pai e mãe acolher o seu passado, como parte de sua história, e ganhar a chance de fazer um futuro diferente. O que aconteceu na infância de cada indivíduo reverbera na sua forma de ver o mundo, na narrativa da vida e, principalmente, na forma como educa os filhos.

Com prefácio escrito por Taís Araújo em plena quarentena, Por que gritamos mostra sem julgamentos que diariamente os pais fazem o seu melhor por seus filhos.

“Preciso dizer que detesto grito e tenho muita dificuldade em lidar com a violência. Mesmo assim, quando me pego fazendo uso dela, me sinto culpada e volto à minha infância: eu fui uma criança que apanhei. Não muito, mas apanhei, porque naquela época bater em filhos era uma forma de educar.” Taís Araújo 

Após o best-seller Educação não violenta (Ed. Paz & Terra), Elisama Santos, uma das maiores vozes quando o assunto é educar filhos, compartilha em Por que gritamos a sua caminhada como mãe da Helena e do Miguel e como educadora parental em busca de uma educação em que o diálogo entre os pais e as crianças dá o tom da criação. Longe de romantizar a relação entre pais e filhos, Elisama mostra que o respeito é diferente de ser permissivo.

Por que gritamos (Ed. Paz & Terra) ajuda os pais a acessar a chave para lidar com os sentimentos escondidos atrás do grito, a falar tranquilamente, a escutar, além de fazer as pazes consigo mesmo, a fim de criar filhos emocionalmente saudáveis. Por aproximação ou por negação, é comum usar a educação recebida, os seus conflitos e as suas dores como base para lidar com os filhos. Uma forma de fazer as pazes com os sentimentos vividos é estar atento aos presentes corriqueiros e comemorar as pequenas vitórias. Afinal, a vida é uma dança.

SOBRE A AUTORA

Elisama Santos é psicanalista, educadora parental e consultora em comunicação consciente. Auxilia pais, professores e demais cuidadores na busca de um relacionamento de maior conexão e assertividade com crianças e adolescentes, por meio de palestras e workshops em todo o país, além de dividir seu aprendizado e cotidiano nas redes sociais. Acredita que educar é um processo de autoconhecimento, despertar da consciência e cura. Conhecida desde a infância como “a menina brava”, vivencia diariamente os doces efeitos da prática da atenção e autocompaixão que dissemina com tanta entrega. Mãe de Miguel e Helena, enxerga nos filhos um convite constante a dias mais plenos e harmoniosos, e com eles aprende a aceitar e amar a vida como ela é. Publicou, pela Paz e Terra, Educação não violenta: como estimular autoestimaautonomia, autodisciplina e resiliência em você e nas crianças.

FONTE: Isabella Catão (Record)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *