Fisioterapia & Saúde

Poderíamos Copiar essa Idéia.

Deficientes à beira de ter bairro especial

POR: ANA TROCADO MARQUES

A lavandaria e as estufas já trabalham, com 27 trabalhadores, 15 dos quais deficientes. Ao lado, as 12 residências autónomas esperam habitantes, também eles “diferentes”. As novas obras do MAPADI, em Terroso, Póvoa de Varzim, foram, ontem, inauguradas. O projecto em Terroso, que se estende por uma área de 35 mil metros quadrados, foi “um sonho” e começou “a medo”: hoje, a lavandaria já trata 200 quilos de roupa por dia de restaurantes e lares da região e, nas estufas, as rosas e as alfaces são vendidas para fora. “O homem sonha e o mundo avança”, frisou Aparício Quintas, o “pai” do MAPADI (Movimento de Apoio de Pais e Amigos ao Diminuído Intelectual), que dirige há 33 anos, sempre com um mesmo objectivo: ajudar deficientes de famílias carenciadas a ter melhores condições de vida e, se possível, integrá-los no mercado de trabalho.  No Centro de Emprego Protegido (CEP) foram investidos 750 mil euros, 70% dos quais financiados pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional e, 100 mil euros, pela Câmara da Póvoa . Já quase prontas estão ainda as residências autónomas, cada uma com um quarto, uma sala, uma pequena cozinha e uma casa de banho, num dos poucos projectos do género existentes em Portugal, a receber deficientes com autonomia suficiente para residirem sozinhos, com a privacidade de uma casa particular, mas em “comunidade fechada”, com refeitório, a assistência médica e de enfermagem e fisioterapia conjuntos. Cada casa poderá albergar duas pessoas, sejam casais ou familiares. O complexo custou 850 mil euros e foi cofinanciado pelo programa PARES. “Desde 2004, passamos de 15 mil lugares para pessoas com deficiência para mais de 22 mil”, referiu a ministra do Trabalho e da Solidariedade Social, que inaugurou os novos equipamentos do MAPADI, acrescentando que em acordos de cooperação, só em 2009, foram empregues cerca de 1,1 milhões de euros. Helena André mostrou-se satisfeita com os postos de trabalho criados, numa instituição que entre a formação, actividades ocupacionais, lar e CEP dá apoio a 240 deficientes.

Fonte: Jornal de Notícias.  Porto – Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *