Fisioterapia & Saúde

O debate dos presidenciáveis

45 2

Com José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) buscando polarizar as discussões, Marina Silva (PV) se apresentando como conciliadora entre os dois e Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) atuando como franco-atirador, foi realizado, ontem, o primeiro debate entre os candidatos à Presidência da República, promovido pela Rede Bandeirantes.

Dentre inúmeros temas debatimos reflitamos sobre o tema saúde!

Saúde

Serra questionou Dilma sobre os mutirões para reduzir as filas para cirurgias, segundo ele deixados de lado pela gestão petista. Disse que hoje se faz menos cirurgias de varizes, catarata e próstata do que na gestão tucana. Prometeu construir 150 centros de especialidades. Dilma disse que não é contra os mutirões, mas eles não podem ser uma política de governo. Defendeu o fortalecimento do SUS. Marina disse que sabe o que é esperar em fila do hospital e que os municípios estão bancando praticamente sozinhos a Saúde.

Sabemos que as questões da saúde vão muito mais além de multirões, não tirando a importância dos mesmos, uma vez que auxilíam na gestão de filas. Devemos alertar a população e os políticos: para a sucatização da saúde no país, onde a infra-instrutura de hospitais é precária; para a péssima remuneração dos profissionais; para as precárias condições de trabalho, dentre outros aspectos.

Além disso: 1. Não estão sendo realizados concursos para o setor público, estão sendo feitos contratos temporários. 2. Um profissional cadastrado no DATASUS tem direito a receber pelo que produziu além de seu vencimento básico, mas o que temos visto é que produtividades que deveriam ser da ordem de R$ 1500,00 estão sendo, pasmem, na ordem de R$ 150,00, dez vezes menos. Para onde estão indo os outros R$ 1350,00.

Os problemas enfrentados não são exclusividades dos  profissionais e usuários do SUS. Os planos de saúde estão tornando-se campeões em restrições, não cumprimento de portarias da ANS, pagamentos insignificantes, etc. As filas nos hospitais particulares estão tornando-se uma constante, tenho pacientes que estão marcando exames de RNM para daqui a 2 meses, meu pai aguardou em uma emergência de um hospital privado de renome, em uma cadeira comum, mais de 8 horas, isto por burocracia, má vontade ou sabe-se lá porquê. Quem deveria gerir a transferência para outra unidade hospitalar ou providenciar um leito? Faz-se necessária maior rigidez na fiscalização da unidades particulares e mais incentivos fiscais para construção de novos hospitais.

O Brasil está envelhecendo, a cada década são registrados menos nascimentos e a expectativa de vida tem aumentado e todos sabem que quem não investe o mínimo de tempo em prevenção torna-se-a um usuário assíduo de consultórios e hospitais. Imaginem só o que essas pessoas enfrentarão para cuidar da sua saúde.

A Saúde no Brasil está na UTI, necessitando de cuidados imediatos, cabe ao próximo governante investir em pessoal (gestor) e funcionários, ambos honestos, pois do contrario permanecerá a incognita: para onde vai a verba destinada a saúde?

Você sabe em quem votou na última eleição? Ele cumpriu as promesas?

Você sabe em quem votará? Quais as propostas dele para você e a população? Sua saúde faz parte destes projetos? Não! Como poderá você trabalhar sem saúde? Como poderá você ter atividades de lazer sem saúde? Para onde você irá para cuidar da sua saúde? Hospitais? Eles estão aptos para cuidar da sua saúde?

Pense 10 vezes antes de votar e cuidado para não jogar quatro anos da sua saúde no lixo!

Por: Ewertom Cordeiro