Fisioterapia & Saúde

Presidente so CREFITO 6 Responde com Indignação a Site Médico

2618 22

Para enteder a resposta do presidente do CREFITO 6 veja declarações do presidente da associação brasileira de fisioterapia conrtra os fisioterapeutas no post anterior.

Caros Amigos leitores do Blog Fisioterapia e Saúde,

Entre profissões tão nobres como a Fisioterapia e a Medicina se espera que se aja sempre com nobreza e respeito perante a população em declarações públicas.

Não admito, não reconheço e não aceito qualquer crítica ou análise à minha profissão, vinda de terceiros que não representam e demonstram que desconhecem profundamente o nosso trabalho e não possuem competência para sequer ser ético ao falar de atribuições que não lhe dizem respeito!

Assim repudio, lamento e estou tomando as devidas providências cabíveis de forma individual (CREFITO-6) e coletiva (COFFITO, SONAFE, ABRAFIQ, ACEFISIO, ETC) em todo o território nacional.

Conto com o apoio irrestrito até agora de todas as entidades sérias que no Brasil já leram tamanhas injurias!

Combateremos o bom combate sempre! Exigiremos dentro da lei, moral e da ética os nossos direitos e afirmo que esta opinião injusta e parcial só recebe ecos de apoio de quem é tão pequeno quanto ela.

A todos um forte abraço de um orgulhoso FISIOTERAPEUTA.

Dr. Ricardo Lotif Araújo

22 Comentários

  • Temos recebido críticas, muitas vezes implubicáveis, sobre fatos científicos que estamos transmitindo neste Blog. Em resposta a algumas críticas, escrevo àqueles que desenvolvem “ódio” ao contraditório…

    Caros amigos,

    Creio que não esteja havendo uma correta leitura do teor de nossas ideias postadas em nosso blog, e nunca pensei que a expressão livre de ideias científicas estivesse proibida em nosso país. O conceito de injúria não se aplica à crítica científica e estamos abertos a argumentações em contrário.

    Por incrível que possa parecer, sabe quantas argumentações em contrário eu recebi? Nenhuma.

    A crítica é algo salutar e aqueles que se incomodam com minhas críticas deveriam repensar seus conceitos e deveriam fazer uma leitura de coração aberto, e não de coração envenenado por interesses mesquinhos.

    Nesta mesma semana, em que fiz críticas semelhantes no Boletim da Sociedade Brasileira de Cirurgia da Coluna, cortando a própria carne e chamando a atençao de meus colegas para assuntos correlatos e não recebi qualquer ofensa ou ameaça, venho sendo ofendido por termos impublicáveis em meu blog. Todos de forma anônima e covarde. Onde está o debate ético neste caso?

    Eu, por outro lado, mostro a cara e digo o que eu penso, posso dizer com segurança tudo o que digo e não são seus repúdios ou lamentos que me intimidarão.

    Meus amigos, sinto muito que minhas opiniões tenham ferido tão profundamente seus interesses, mas de uma coisa podem estar certos: em nosso blog nós defendemos a boa fisioterapia, a fisioterapia que mostrou seu valor por sua efetividade, por sua seriedade.

    Defendo a fisioterapia que eu uso diariamente e representa um auxílio essencial à cirurgia e à ortopedia que pratico, em um bom trabalho que desempenho com grandes profissionais da fisioterapia.

    Em resumo,o que eu quero é o debate científico, é a argumentação dentro de uma boa dialética, de uma boa lógica e de uma boa retórica. Não precisamos de manifestações políticas classistas que repetem ações como aquela de “não-ato-médico”. Vazias, interesseiras e que não contribuem em nada para a ciência.

    Parem com isso e vamos ao debate técnico científico. Se quiserem argumentar, estou aqui. Se quiserem brigar, farei ouvidos surdos.

    Vamos aproveitar para lançar aqui um grande debate.

    Mais uma vez, um forte abraço a todos, e paz àqueles que estão nutrindo ódio em seus corações.

    Da minha parte não posso ter ódio daqueles que reputo como companheiros no combate ao sofrimento humano.

    Dr Henrique da Mota, MD

  • Ainda na ideia de fomentar a discussão científica da efetividade das terapias conservadoras da coluna vertebral, gostaria do apoio de profissionais de várias correntes para uma ampla discussão que eu poderia realizar no Hospital MonteKlinikum, em data a acertar. Gostaria que cada participante desenvolvesse uma apresentação de 10 minutos para uma visão geral da técnica e depois responderia a perguntas da platéia de especialistas sob moderação. Seria um grande exercício cultural. Poderíamos começar com o tratamento da hérnia de disco e das doenças degenenarativas da coluna. Quem topar, deixe o e-mail, para que eu possa contacta-lo e organizar a grade.

    Forte abraço a todos,

    Henrique da Mota

  • Jorge Brandão disse:

    Por todas as minhas convicções e mesmo permitindo abrir exceção por me ter dado o direito de não participar durante algum tempo de eventos na categoria de palestrante, não me ausentarei desse debate, não para provar a algum ou outro profissional da saúde os reais valores do nosso trabalho como fisioterapeuta, acredito superamos esse status, mas me farei presente, não utilizarei esse penoso incidente ocorrido com calúnias para vender meu serviço ou me promover, nesses dezesseis anos de trabalho percorri respeitando e dignificando a ciência a qual abracei me faz enxergar nitidamente o que é coerente e incoerente, o maldoso e as boas intenções. O vendável e o sério. Continuo lastimando que existam ainda no nosso meio (fisioterapeutas), falsos líderes que por posicionamentos imorais colocam em risco longos anos de uma luta honrada e reconhecida. Farei-me presente sim, mas não vou negar precisa ter muito estômago.

  • Dr. Wiron Correia Lima Filho - Presidente da Sociedade Brasileira de Fisioterapia - SBF disse:

    Caríssimos leitores.
    Venho aqui esclarecer alguns pontos colocados aqui nesse importante blog sobre afirmações a meu respeito ou sobre algo que eu escrevi.
    Em primeiro lugar, colocar a frase”PATÉTICO EXERCÍCIO DO EMPIRISMO CHARLATÂNICO”, sem inserí-la no contexto da postagem que fiz no blog do centro médico da coluna vertebral, realmente me parece ser muito oportuno. A frase é minha, sem dúvida alguma, e se tiverem o devido cuidado de lerem a postagem em questão, verão que me reporto à atuações fisioeterapêuticas que não são dignas de defesa por parte de ninguém.
    No blog está escrito assim:”O PERIGO DAS ABORDAGENS NÃO PERSONALIZADAS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO: UMA REALIDADE NEFASTA.
    Um dos princípios mais defendidos nos bancos acadêmicos, em todos os cursos da área da saúde, é de que “cada caso é um caso”, o que, em tese, garantiria a individualidade nas conduções terapêuticas e a humanização do processo saúde/doença.

    Outros princípios importantes são: o preservação da intimidade do paciente e o segredo profissional, onde se faz desnecessária a exposição das disfunções, sintomas, ou até mesmo deficiências de qualquer paciente.

    Mas, o que estamos vendo hoje é exatamente o contrário. Deparamos-nos, todos os dias, com atos de desrespeito a esses princípios, praticados por profissionais que deveriam ser os guardiões das intimidades de seus pacientes. Isto mesmo, estamos falando de médicos, fisioterapeutas e outros envolvidos na saúde.

    As consultas médicas, praticadas por alguns especialistas, quando o convênio de saúde(plano) é o responsável pelo repasse dos honorários, mal chega á quinze minutos. Como elaborar diagnóstico nosológico nesse tempo irrisório. Muitas vezes o padrão de solicitação de exames complementares já está prontinho, como se fosse uma receita de bolo. E joga-se o jogo da tentativa-erro, se esse remédio não funcionar, o próximo funciona, se o próximo não funcionar, o outro funciona, e assim por diante.

    E o que falar de algumas (grande maioria) clínicas de Fisioterapia/Ortopedia? Aí tratamos de um verdadeiro desastre, quando o tema é a quebra dos princípios supracitados. Em primeiro lugar individualidade não se encontra nesses lugares. Os pacientes são atendidos em ginásios, em grupos numerosos, muitas vezes sob a responsabilidade terapêutica de um ou dois fisioterapeutas. Como prestar bom atendimento? Particularmente, nunca vi nem um dentista, por exemplo, realizar dois procedimentos em dois pacientes no mesmo horário. Como pode o fisioterapeuta ter resolutividade de quadros complexos, atendendo dez pessoas ao mesmo tempo. Sem falar que este atendimento grupal, coloca em xeque o princípio do respeito a intimidade e o segredo profissional. E, pasmem, dá abertura às invencionices tão comentadas neste blog, pois, na ansiedade de tentar mostrar algo novo ao paciente, que está cansado de ser submetido a algo sem resultado, o profissional se rende ao “patético exercício do empirismo charlatânico”!

    Estamos mesmo diante de situações preocupantes, uma vez que este comportamento dá surgimento a interpretações diagnósticas erradas, sejam nosológicas ou cinesiológicas funcionais. Logo levam também a escolhas terapêuticas erradas, pondo fim a qualquer chance de sucesso terapêutico.

    No Centro Médico da Coluna Vertebral – CMCV, toda a equipe multidisciplinar prima pela defesa das individualidades dos pacientes. Desde a admissão em consulta médica realmente investigativa até o atendimento fisioterapêutico com base em dados biomecânicos matemáticos e discussões prévias, resguardamos o direito de nossos pacientes terem o melhor atendimento com os melhores resultados.”

    Se o contrário destas afirmações forem apoiadas por algum fisioterapeuta, gostaria de não parabenizá-lo.

    Em segundo lugar, a intenção não é desmoralizar ninguém, muito menos a profissão que atuo e que aqueles que me conhecem sabem que tenho o maior respeito e sempre fui um colaborador para seu crescimento. A ideia é trazer à luz da discussão a fundamentação de processos terapêuticos novos ou não, para que possamos gerar credibilidade de nossas ações e colocarmos a Fisioterapia no patamar do respeito merecido.

    Em terceiro lugar, o campo do debate é o campo da ciência e não da política, não ponho em jogo aqui, ou em qualquer lugar as conquistas políticas, profissionais,trabalhistas ou autonômicas da Fisioterapia, apenas quero junto com outros debater as evidências, sejam elas científicas ou clínicas .

    Em quarto lugar, não foi tirado direito de ninguém. Nem ético e muito menos moral, pois o blog está aberto para todas as considerações, mesmo contrárias à minha opinião.

    Se feri a honra de qualquer um de forma pessoal, que acredito não fiz, perdoe-me, mas se o problema foi ter falado mal de um comportamento abominável e de atos que se intitulam pertencer ao processo fisioterapêutico, não posso me desculpar.

    Em fim, o posicionamento dos meus colegas neste blog, sobre a defesa da Fisioterapia é de fato o meu posicionamento também, desde que estejamos falando da mesma Fisioterapia, a Fisioterapia ética, resolutiva e respeitadora dos direitos individuais dos pacientes, pois foi essa a minha colocação no outro blog aqui citado.

    Quanto às minhas colocações sobre o que é certo ou errado no campo da assistência fisioterapêutica, continuarei a emití-las. Quanto às minhas solicitações por um discurso aberto e democrático, continuarei a fazê-lo, só peço que ao fazerem citações sobre o que escrevi, não esqueçam de mostrar na íntegra o que de fato está escrito.

    E mais um ponto, o Dr. Henrique da Mota, sempre fez questão de deixar claro que trabalha e se orgulha da competência dos profissionais que fazem parte de equipe do CMCV, logo seria difícil acreditar que suas afirmações poderiam ser injuriantes com nossa amada profissão.
    Dr. Wiron Correia Lima Filho –
    Fisioterapeuta (MUITO ORGULHOSO DA FISIOTERAPIA, MAS DA FISIOTERAPIA MESMO)
    Presidente da Sociedade Brasileira de Fisioterapia

    • Jorge Brandão disse:

      Caro Dr. Wirom Filho, o que mais me chamou atenção na frase usada e agora admitida, foi o descaso com tantos colegas que por vários motivos e não me cabe aqui julgar, não querem aparecer e nem tornarem publica suas opiniões. Não tenho nenhum motivo pessoal para atingir a pessoa de ninguém, muito pelo contrário, talvez poucos profissionais tenham oportunidade de reconhecimento quanto tenho nesses dezesseis anos de formação. Mesmo assim, manifesto minha indignação por sua conduta de julgamento antes de um processo, você mesmo é testemunho de que muitas vezes eu poderia ter tomado atitudes severas mas em nome do equilíbrio e do crescimento da fisioterapia levei circunstâncias difíceis para o campo do debate ético e mesmo diante de seu texto, não me convenço que tenha escrito por questões científicas, mas assim como outros posts no blog no intuito de desfigurar o real papel do fisioterapeuta e pela andar carruagem tudo isso nada mais passa do uma forma de aparecer ou de pessoas não realizadas com o que fazem. Não posso debater ciência ou clínica fisioterapeutica diante dos que afirmam: “Quando alguém tiver dor o único local que não deve ir é para Fisioterapia. Dessa forma espero que muitos outros colegas se manifestem pela dignidade da fisioterapia, não é necessario ser nesse blog, mas temos o dever de nos defender de profissionais que se acham superiores através de manifestações repudiantes.

  • Henrique da Mota disse:

    Caros colegas fisioterapeutas,

    Parece que minhas posições começam a acirrar os ânimos entre vocês fisioterapeutas que possuem posições divergentes, mas não vi, ainda, nenhum tipo de defesa de posicionamento técnico cientifico das técnicas e procedimentos.

    Anseio para o início deste debate. Não estamos interessados em discussões políticas ou comerciais. Vamos aprovietar as diferentes ideias para a construção de um consenso.

    Forte abraço a todos, com a esperança de que chegaremoa a uma grande participação.

  • Dr. Wiron Correia Lima Filho disse:

    Caro Dr. Jorge Brandão.
    Não venho aqui neste espaço falar se a população deve procurar o fisioterapeuta, caso este paciente tenha dor na coluna.Porque sabemos que isto é possível e acontece em muitas situações. o que é muito plausível e louvável.
    A afirmação postada no outro blog, não reflete o desconhecimento de causa de que a escreveu, mas demonstra um posicionamento de preocupação de quem tem recebido pacientes, muitas vezes piorados clinicamente, pela ação de tratamentos desastrados e técnicas despreparadas,QUE GRAÇAS A DEUS NA FISIOTERAPIA, SÃO MINORIA.
    Mas, chegam aos nossos consultórios!

    Não quero crer que depois de anos de convivência debatendo estes mesmos assuntos entre nós, o nobre amigo não reconheça as minhas afirmações.
    Na postagem anterior que esclareci, na íntegra, o que dizia a frase que gerou a revolta global, não expressei naquele momento ciência, apenas uma questão de comportamento profissional.
    Por quê eu usaria uma ferramenta dessas para me promover? Seria mais fácil usar outras formas de mídia mais abarngente, você não acha?
    Acredito que teremos oportunidade de conversarmos como sempre fizemos, sem no entanto ataques de ordem pessoal que não fazem o perfil do amigo Jorge Brandão que conheço.
    Um fraterno abraço.
    Dr. Wiron C. Lima Filho
    PS: Em que outras postagens do blog desfigurei o real papel do fisioterapêuta? Gostaria de esclarecer. Você pode apontar textos na íntegra?

  • Caros amigos Wiron e Jorge,

    Essa discussão pessoal deve parar por aqui. Vamos ao debate técnico. Juntos, nós três, poderemos moderar algo que merece ser discutido.

    Só para esclarecimento, a frase citada pelo Jorge não está corretamente transcrita. O que eu disse foi que, sendo a fisioterapia uma ferramenta de efetividade na recuperação funcional e não no tratamento de doenças, e a recuperaçaõ funcional é o último passo deste processo, ela deveria ser a última e ser procurada. É assim que nós fazemos na prática.

    O Dr Wiron assume todos os meus pacientes após as intervenções médicas pertinentes e faz seu trabalho de uma forma magistral. A relação medicina-fisioterapia atingiu, em nosso serviço, o seu estado de arte.

    Nós, como serviço organizado,discordamos da filosofia de tratamento de outros métodos que se valem de artifícios de história natural e de técnicas pseudocientíficas, pois acreditamos que os fins não justificam os meios, e que todo tipo de intervenção deve ser submetida ao crivo da evidência, e se assim não puder ser feito, por limitações metodológicas, que sejam submetidos ao crivo da boa-fé e da não-maleficência que norteia os tratamentos de saúde.

    Dr Henrique da Mota

  • Fernanda Aymoré disse:

    Acho interessante ter sido citado que recebemos em nossos consultórios pacientes “muitas vezes piorados clinicamente, pela ação de tratamentos desastrados e técnicas despreparadas” (entendo que esteja falando no caso da Fisioterapia) e não citarem que muitas vezes (principalmente na minha época de estágio), recebemos pacientes prejudicados por conta de uma intervenção cirúrgica não muito bem realizada. Erros e acertos acontecem em todas as áreas da saúde e, para que esse tipo de coisa aconteça mais e mais raramente, é necessário união entre essas áreas e não críticas públicas, AO MEU VER, desnecessárias.
    Acredito que esse blog pôde dizer de forma bem clara e educada tudo aquilo que sentimos e pensamos ao ler essas declarações.

  • Henrique da Mota disse:

    Oi Jorge.

    Daria para concentrar tudo escrito em um só lugar. Como nós estamos em três partes diferentes é mais difícil o diálogo.

    Forte abraço,

    Henrique

    PS: Notei que agora as pessoas estão começando a fazer considerações válidas. Vamos em frente?

  • Ewertom disse:

    Enquanto presidente da primeira Seccional da Associação dos Fisioterapeutas Acupunturistas do Brasil venho aqui demostrar meu apoio ao Dr. Ricardo Lotif para que esses abusos sejam punidos e para que eles não se repitam.

    Cordial abraço, Ewertom Cordeiro.

  • Jorge Brandão disse:

    Caro Henrique verei essa possibilidade com os técnicos que mantém o blog, mas acho que não será possível. Grande abraço.

  • Caro Ewerton,

    Não vejo abuso na exposição de posicionamentos firmes e amparados em literatura. Temos que discutir casos específicos da aplicação de técnicas, pois na fisioterapia e na medicina existem técnicas que são mais ou menos eficazes, com mecanismos mais ou menos plausíveis e devemos sempre ter esta capacidade de auto-correção de rumos e de chamar a atenção para isto. Politizar um discurso científico é algo perigoso e prática autoritária não pode se impor à liberdade da expressão de ideias. Todos temos o direito de expor nossas ideias.

    A propósito, em recente postagem, este blog da Fisoterapia e Saúde mostrou sua indignação e decepção com a atuação de seus colegas fisioterapeutas, e citou aspectos financeiros, de exploração mercadológica e comercial de baixo nível feita por eles.

    O autor fez um desabafo sobre a ação indiscriminada de práticas comerciais de baixo nível por seus próprios colegas fisioterapeutas e expos um problema de muita gravidade que pode estar acontecendo não apenas com o pilates mas em muitas práticas de tratamento fisioterapêutico. Ele próprio afirma que isto representa um perigo à sociedade. Não sei qual será a repercussão de uma opinião destas. Talvez seja positiva e contribua para uma mudança de atitude por parte daqueles a quem ele critica ou daqueles que exigem uma denúncia para começarem a agir.

    Gostaria de saber a opinião dos demais colegas de profissão do autor sobre o assunto.

    Outra coisa… Já que você representa a classe de acupunturistas, poderíamos ainda lançar uma discussão sobre o papel da acupuntura quando submetida ao crivo da ciência. Veja o editorial que saiu no meio de divulgação eletrônico Dor on Line, ligado à pesquisadores do Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto. Lá exite uma boa literatura que deve ser considerada por quem se propõem a seguir um caminho terapêutico sério.

    A sua acupuntura, também, está na corda bamba. Seu apoio científico, desta forma, também está na corda bamba e seu apoio político não vem ao caso.

    Vamos ao debate também da acupuntura.

  • Caro Jorge,

    Gostei de seu posicionamento quanto à prática indiscriminada do Pilates feita neste blog. Mesmo que nós saibamos que ele é uma boa ferramenta para nossos pacientes, é seu mau uso que foi posto em questão. Esta é a temática que também abordo. Vi sua indignação e até o uso de termos mais contundentes, mas tem meu total apoio e do Wiron.

    Parabéns pelo dasabafo, pois sei e já temos conversado sobre sua forma de fazer.

    Forte abraço,

    Henrique da Mota

  • Aos que pegaram o bonde andando…

    Toda esta discussão teve início quando eu fiz uma crítica fundamentada a uma técnica de Fisioterapia chamada Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral em sua aplicação nas doenças da coluna vertebral. Discordei de sua denominação, que já trazia um erro de princípio e também discordei de seus meios de execução e de suas finalidades. Mostrei vários trabalhos em grandes revistas internacionais e em relatórios de órgãos de controle de governos europeus que comprovavam a ineficácia de componentes importantes desta técnica. Não tive, no entanto, nenhum tipo de contraargumentação embasada nos mesmos termos que usei para a expressão de meu ponto de vista. Logo em seguida, fiz uma crítica de igual teor a outra técnica chamada Microfisioterapia, e discordei de seus princípios de seus meios de aplicação e de seus fins terapêuticos. Mais uma vez, não tiveram a condição de fazer contraargumentação por princípios técnicos, e apelaram para uma tentativa de partir para agressões e ameaças infantis, o que caracteriza uma fragilidade substancial de suas ideias, que ruíram ao mínimo confronto com questionamentos que julgaram agressivos, difamatórios, injuriosos, etc. Estão se vitimizando para fugirem do real debate, que, confesso a todos, acho que não é do interesse deles, afinal, se de um lado estou eu com um a retórica técnica, científica e filosófica, do outro, estão eles com interesses de manutenção comercial de técnicas sem fundamentação.

    Tenho a certeza que, por conta do comportamento dos que se opõem às minha ideias, não teremos um debate limpo, pois sempre apelarão para emotividade e corporativismo.

    Da Minha parte, darei continuidade às minhas postagens e esclarecimentos, pois é um direito inalienável, sem falar mal de ninguém, mas sendo firme na defesa de minhas ideias, com também tenho feito junto aos meus colegas cirurgiões e médicos de diversas especialidades.

    Atualmente, venho escrevendo um novo livro sobre biomecânica clínica da coluna e confesso que estas discussões tem me tomado muito o tempo e talvez seja mais proveitoso mostrar o que é bom e científico, do que jogar pérolas aos porcos.

    Forte abraço aos que ficam e continuem acessando meu Blog centromedicodacoluna.blogspot.com/2010/

    Postei um post sobre a acupuntura, retirado de um editorial de pesquisadores do Departamento de Farmacologia da Faculdade Medicina da USP. Vale a pena a leitura. Sei que vai deixar alguns contrariados, mas é assim que acontece com quem domina apenas uma técnicas e guarda todos os ovos em um só saco. Se o saco cair, o sujeito vai querer vender os cacos. São esses cacos que eu critico.

  • Ewertom disse:

    Amigo Jorge entendo sua postura, mas em algumas situações as nossas respostas devem ser pontuais o demais é inválido e pura perca de tempo.

    Cordial abraço e sigamos com assuntos que valem ser debatidos.

  • Caros senhores e senhoras,

    Transcrevo as palavras que estão publicamente contidas no meu blog de um importante e renomado fisioterapeuta, que faz considerações brilhantes e se alinha ao nosso pensamento.

    “Enquanto são criadas as mais variadas associações de Fisioterapeutas especialistas, (Acupuntura, Pilates, RPG, osteopatia, entre outras) preocupadas somente em banalidades de políticas de classe, brigas internas, milindres entre colegas nós continuaremos a ser mal renumerados, a investir em uma clínica e recebermos nossos atendimentos por uma tabela de honorários que não é nossa, com o surgimento de inúmeras faculdades que não tem seu conteúdo programático de curso padronizado. Devíamos estar mais preocupados em publicar mais, buscar evidências científicas que fortaleçam nossas técnicas, informar à população e à sociedade da importância de nossa profissão, que aperece somente quando um atleta lembra que teve sua recuperação bem realizada por um de nossos colegas, ou quando torcemos para um personagem de novela sofra um acidente e que a mesma inclua em seu elenco uma participação de um fisioterapeuta. Há a necessidade urgente de mudanças na atitude dos colegas de não somente defenderem a técnica utilizada, quando há esquecemos de defender e estreitar o relacionamento com os demais profissionais de saúde, procurando igualdade, informando e trocando informações seja com médico, dentista entre outros da real necessidade que é a Fisioterapia na contribuição de saúde e melhora da qualidade de vida daqueles que nos buscam a esperança de alcançá-las.”

    Dr. Antonio Viana de Carvalho Junior

  • É interessante ver como as pessoas mudam de lado rapidamente e não tem opiniões bem formadas.

    Transcrevo a frase do Sr Ewerton, numa postagem enviada há poucos meses neste Blog Fisioterapia e Saúde:

    “Microfisioterapeuta?

    Sou a favor de podermos usar a denominação da nossa especialidade, caso tenhamos uma, mas microfisioterapeuta não é especialidade e muito menos fisioterapia.

    Comparar a Microfisioterapia a Acupuntura é um erro e quem conhece a Acupuntura e a Medicina Tradicional Chinesa – MTC sabe disso.

    A tristeza, por exemplo, citada pelo “microfisioterapeuta”, estaria relacionada ao Intestino Delgado, quando na realizade pela MTC a relação da Tristeza é com o Pulmão.

    Atenção!!!”

    Notem que eu transcrevi a íntegra da mensagem e ele disse que “microfisioterapia não é fisioterapia”. Não faço como uns e outros que cortam minhas frases do texto e contexto.

    Se não é fisioterapia é o quê? Medicina eu sei que não é! A gente enquadraria em quê? Você acha, então, que fazer microfisioterapia é exercer de forma errada a fisioterapia?

    Diz, inclusive, que o que disse seu colega “microfisioterapeuta” não era realidade. Não seria isso uma clara agressão ao diagnóstico do seu colega. Eu nunca diria dessa forma algo contra um colega. É esta a ética que você aprendeu em suas aulas. Seu professor deve ter dado mal a aula ou você faltou nesse dia?

    Gostaria que você fosse ao meu blog e visse que o que defendemos, como equipe multidisciplinar que somos é a boa aplicabilidade do Diagnóstico e Tratamento Cinesiológico Funcional. Em nossa ação, estamos todos os colegas (médicos, cirurgiões, anestesistas, fisioterapeutas de diversas especialidades e psicólogos) trabalhando em regime de igualdade hierárquica. Quanta vezes não mudei de ideia terapêutica após consultar meu colega fisioterapeuta. É o trabalho em equipe que faz nossa frça e por isso incomodamos tanta gente que se prende a conceitos ultrapassados.

    Você me parece um cara inteligente, mas talvez esteja apenas do lado errado, por isso sua indefinição nas críticas.

    Forte abraço,

    Henrique da Mota

    • Jorge Brandão disse:

      Fiz uma nota de esclarecimento me permitindo não mais falar no assunto, a imensa quantidade de e-mails, telefonemas e a repercussão foram além. Dessa forma devo mais uma vez colocar minha opinião.
      Dr. Henrique o problema de fato não está em você ser o pesquisador e estudioso, provocações nessa linha se faz cada vez mais interessantes, a questão que gerou grande prejuízo em toda essa polêmica, são termos e frases demonstrando total preconceito e desprestigiando toda uma classe, mesmo encontrando por várias vezes elogios a fisioterapia, nos sentimos atingidos, tenho a consciência que iniciei esse debate, se ponha em nosso lugar e leia:
      MUITAS TÉCNICAS DITAS MODERNAS E PIONEIRAS DE FISOTERAPIA SÃO APENAS “PATÉTICO EXERCÍCIO DO EMPIRISMO CHARLATÂNICO”
      “Na ansiedade de tentar mostrar algo novo ao paciente, que está cansado de ser submetido a algo sem resultado, o profissional (fisioterapeuta) se rende ao “patético exercício do empirismo charlatânico”!”

      Com esta frase o Dr Wiron Correia Lima* expressou sua opinião profissional baseado em aspectos técnicos.

      * O Dr Wiron Correia Lima é um dos mais conceituados fisioterapeutas em nosso país e Presidente da Sociedade Brasileira de Fisoterapia.

      Nós, do Centro Médico da Coluna Vertebral, concordamos com sua opinião, e achamos que as boas técnicas da fisioterapia cientificamente baseada não podem ser confundidas com muitas invencionices sem nenhum grau de razoabilidade.

      Fazer críticas fundamentadas a estas “pseudoterapias” é uma das funções desse blog, que usa seu direito de expressão em defesa da verdade científica, e a esta verdade alinha seus interesses e procedimentos.

      Àqueles que se sentirem ofendidos em seus puritanismos e hipocrisias, ou que tenham contrariados seus interesses comerciais, deixamos sempre aberto o espaço para que possam defender seus argumentos, para que possamos crescer juntos em harmonia e em nome da boa ciência.

      Forte abraço a todos
      Imagine seus pacientes e toda a sociedade lendo algo de sua profissão dessa forma.
      Além de muitos outros posts que generalizam e ridicularizam a fisioterapia, podem ter sido colocadas de forma provocadora e não de má fé, mas foram enviadas ao mundo por seu blog, o que me chegou inclusive é que vários órgãos da fisioterapia deram e outros pretendem entra no ministério público, pretendem abrir processos, minha sugestão é que sua liberdade de expressão deva ser mantida por direito e o nosso dever por direito é exigir uma retratação aos milhares de trabalhadores da fisioterapia desse país e ao mesmo tempo retirar do seu blog os termos e expressões chulos e desleais pelo qual você nos trata. Faça uma reflexão ou melhor utilize desse potencial imensurável que eu reconheço e admiro, tenho certeza da sua capacidade e simplicidade para admitir o seu erro, novamente enfatizo não são os questionamentos científicos e sim circunstância extremamente constrangedoras através de infelizes palavras colocadas.
      Conte comigo sempre e um grande abraço.

  • Henrique da Mota disse:

    Caro Jorge,

    Não entendo o grande melindre causado, nem vejo ataques à fisioterapia ne à pessoa de alguém. Vejo principalmente a defesa do que existe de bom na fisioterapia.

    Percebo, no entanto, um fuga da discussão do fato principal, se atendo a termos periféricos retirados do contexto. Muitas pessoas fazem o julgamento pela leitura dos comentários do seu blog, e não da íntegra dos meus textos. Isto é tendencioso e até covarde.

    Você como moderador, não está guardando uma correta imparcialidade, pois não publica os aspectos elogiosos e construtivos do que escrevo, apenas aquilo que agrada interesses ocultos. Favorecendo, talvez sem perceber, pessoas com interesses de auto-promoção política ou econômica.

    De fato, este é o pano de fundo desta discussão: imagine se toda uma rede de procedimentos inúteis fosse desmantelada? Existem grupos muito satisfeito com o estado das coisas. Daí esta grande resistência às minhas ideias. Minhas ideias são muito, mas muitíssimo incômodas e sempre soube que em uma discussão deste porte, tentariam e tentarão usar de todos os tipos de estrategemas de Dialética Erística, “per fas et per nefas”.

    Não há erro de minha parte que deva se admitido, mas há muitos erros em muitas terapias que devem ser corrigidos.

    O que me assombra é a total falta de capacidade de diálogo técnico e a facilidade de se valerem de meios intimidatórios.

    De fato, não sei nem se deveria mais participar desta discussão, pois se numa discussão científica e técnica os dois lados saem ganhando, numa ação politizada e classista, a história é diferente. Eui só estou ensinando e nada aprendendo, salvo a saber quem são as pessoas e como elas podem ser mascaradas.

    Mas de uma coisa isto vai servir. Tenha certeza que as coisas serão diferentes de hoje em diante. Muitos que me criticam, sabem que minhas ideias são incômodas aos seus interesses, mas sabem que eu estou certo. Isto muda tudo.

    Outra coisa que acho interessante é que não recebi tantas visitas ou reclamações no meu blog, nem no seu há uma grande expressão do público, apenas eu que falo ou recebo atques politizados e vazios. Não vejo manifestações tão abundantes que possam refletir esta referida ferida feita no coração da fisioterapia nacional. Estranho, não?

    Diga-me…O que está ocorrendo de fato? Qual o motivo de tanto medo? Que grande ameaça uma simples opinião pode representar? Se eu estivesse dizendo alguma mentira ninguém certamente iria se importar. Mas, caro amigo Jorge, minhas verdade são profundamente incômodas, e o pior… São verdades.

    Outra coisa que tem que ser dita é que não houve preconceito ou desprestígio. Não da onde você tirou uma coisa destas. Faça uma melhor leitura do que eu escrevo e peça que os outros assim o façam.

    “achamos que as boas técnicas da fisioterapia cientificamente baseada não podem ser confundidas com muitas invencionices sem nenhum grau de razoabilidade” isto é desprestígio?

    Não vejo qualquer problema em me descupar se lhes causei qualquer eventual constrangimento, pois uma frase pode ser uma para quem diz e outra para quem ouve. Isto depende do estado de espírito de quem ouve. Não gostaria de causar danos a muitos amigos que tenho do lado daí.

    Forte abraço a todos.

    Vamos em frente…

  • Ewertom disse:

    Sr Henrique,

    Mudar de opinião? Mostre-me onde mudei de opinião! Onde escrevi o contrário do que eu escrevi há meses? Você acha que copiar textos escritos por mim prova algo de que mudei de opinião se há apenas um texto e uma opinião? Você me conhece? Você se sentiu agredido porque disse que apoiava minha profissão na defesa da mesma e dos profissionais? Não entendo porque insiste em colar postagens minhas em seus posts e dizer que disse o que não disse.

    Por favor, não confunda centavos novos com sentar nos ovos! Você nem me conhece e fica por aí com falácias ao meu respeito, dizendo que meu apoio não deve ser considerado pelos participantes do blog, que não tenho ética. Quanta mais escreve, mas tenta distorcer fatos.

    Em momento algum me digiri a você, meu apoio não é a você e sim o contrário. Dizer que algo escrito é distoante de uma Filosofia não é falta de ética, nem aqui nem na China. Não critiquei diagnóstico de nenhum profissional apenas disse que não era semelhante a MTC. Não deturpe os fatos.

    Para sua informação meu apoio ao Presidente do CREFITO 6 foi pela postagem contida no link abaixo, a qual tentei a cessar a pouco e não consegui, por razões disconhecidas. Portanto, não venha dizer que mudei de opinião. Fale do que sabe e quando não souber por gentizela evite falácias (Argumentum ad hominem (Ataque ao argumentador) – Em vez de o argumentador provar a falsidade do enunciado, ele ataca a pessoa que fez o enunciado.

    http://www.centromedicodacoluna.com.br/destaques/entenda-porque-fisioterapia-n-o-serve-para-dores-e-inflamacoes-da-coluna-vertebral

    Não estou indefinido, minhas idéias e ideiais são firmes e consistentes, estando eu enganado em meus atos mudo o meu caminho. Não anda por aí distribuindo críticas sem real conhecimento. Tenho personalidade e não sou nenhum piolho que anda pela cabeça dos outros.

    Estou do lado errado? Como assim, acha que devo apoiar oque não concordo? Acaso tu o fazes assim? Cada um defende o que crer ser correto, eu defendo a minha profissão e o assim o farei sempre que acreditar que a mesma foi desmerecida.

    Sem mais!

  • Dr Henrique da Mota disse:

    Caro Ricardo Lotif,

    Após quase um ano de seu repudio, de seu lamento e de suas inócuas “devidas providências cabíveis” de forma individual (CREFITO-6) e coletiva (COFFITO, SONAFE, ABRAFIQ, ACEFISIO, ETC) “em todo o território nacional”, onde alegava ir travar o uma verdadeira cruzada nacional contra minhas opiniões, não vi a cor de suas atitudes. Nos embates que se seguiram contra seus pares, ficou mais que patente a fraqueza de suas formações e ideias. Uma vergonha para a classe que alega defender. Seu inimigo maior está bem ao seu lado.

    O fato é que as terapias cientificamente desonestas continuam ainda mais fortes debaixo de sua” vigilante” contemplação. Mais uma bravata política inócua e fogueteira que será desmascarada pela continuidade das discussões.

    Perceba que não me intimidei por manobras idiotas. Vou levar este combate até o pleno sucesso: derrubar as mentiras perigosas que crescem como ervas daninhas na parte do seu quintal que faz extrema com o meu. Se não cuidar do seu quintal…

    De forma objetiva, gostaria de saber sua especializada opinião sobre a cientificidade de uma técnica chamada de microfisioterapia, que ao meu ver é charlatanismo em estado cristalino. Delírio em estado patológico. É uma piada.

    Irá o crefito permitir a continuidade de charlatanismos debaixo de suas barbas.

    Vamos recomeçar debate? Novos trabalhos saíram na literatura médica neste ano e tornaram ainda mais fortes as minhas opiniões.

    Dr Henrique da Mota, MD, AFSA
    Ortopedia e Cirurgia da Coluna
    Especialista pela Université de Lyon – França

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *