Fisioterapia & Saúde

Pilates pode ajudar a melhorar a postura dos idosos?

 

Método for­ta­le­ce os mús­cu­los, ar­ti­cu­la­ções e me­lho­ram a fle­xi­bi­li­da­de por ­meio de alon­ga­men­tos e exer­cí­cios de for­ça

 
 
 
  Por: Lua­na Blan­co – fi­sio­te­ra­peu­ta (Lon­dri­na)

Quem vê as ce­le­bri­da­des de cor­pos per­fei­tos di­vul­gan­do que es­tão em for­ma gra­ças à prá­ti­ca do pi­la­tes não ima­gi­na que es­te mé­to­do ­traz be­ne­fí­cios pa­ra to­das as ida­des. Es­pe­cial­men­te pa­ra pes­soas da ter­cei­ra ida­de, quan­do a saú­de dos os­sos apre­sen­ta com­pro­me­ti­men­tos, o pi­la­tes po­de ser um alia­do no tra­ta­men­to.

O mé­to­do, de­sen­vol­vi­do por Jo­seph Pi­la­tes, for­ta­le­ce os mús­cu­los, ar­ti­cu­la­ções e me­lho­ram a fle­xi­bi­li­da­de por ­meio de alon­ga­men­tos e exer­cí­cios de for­ça, coor­de­na­ção mo­to­ra, cor­re­ção pos­tu­ral, equi­lí­brio e res­pi­ra­ção.

Pa­ra atin­gir es­ses ob­je­ti­vos, o mé­to­do exi­ge con­cen­tra­ção, res­pi­ra­ção, ali­nha­men­to, con­tro­le de cen­tro, efi­ciên­cia e fluên­cia do mo­vi­men­to. Os exer­cí­cios são de­fi­ni­dos con­for­me a ne­ces­si­da­de de ca­da pa­cien­te e res­pei­tam os li­mi­tes in­di­vi­dual.

Na ter­cei­ra ida­de, o pi­la­tes po­de re­du­zir a ci­fo­se to­rá­ci­ca (cor­cun­da), e con­se­quen­te, au­men­tar a al­tu­ra; me­lho­rar a re­sis­tên­cia e a for­ça mus­cu­lar; e re­du­zir do­res.

A prá­ti­ca fa­vo­re­ce a for­ma­ção ós­sea, me­lho­ra o equi­lí­brio e aju­da a pre­ve­nir que­das, re­du­zin­do a in­ci­dên­cia de fra­tu­ras, o que tam­bém cau­sa im­pac­to na au­to­con­fian­ça dos ido­sos. Ca­pa­ci­da­de res­pi­ra­tó­ria e cir­cu­la­ção tam­bém po­dem ser be­ne­fi­cia­das.

A prá­ti­ca do pi­la­tes, alia­da à boa ali­men­ta­ção e há­bi­tos sau­dá­veis, po­de se tor­nar si­nô­ni­mo de qua­li­da­de de vi­da pa­ra a ter­cei­ra ida­de.