Fisioterapia & Saúde

Apelo para salvar clínica de fisioterapia da UFPR

Escrito por Gustavo Aquino

 Os professores Marcos Signorelli e Clovis Wanzinack, da UFPR Litoral convocam população de Matinhos e a comunidade universitária a discutir, na segunda-feira (27) para discutirem o futuro da Clínica Escola de Fisioterapia, ameaçada por falta de apoio do prefeito Eduardo Dalmora (PDT).

Um apelo foi divulgado nesta quarta-feira (22), para a reunião marcada para às 9h, na própria clínica, que fica na rua Jose Arthur Zanlutti, no Sertãozinho. A reunião deve durar até o meio-dia. O convênio com a prefeitura e

Às 19h30, haverá um encontro para tratar do assunto na Câmara de Vereadores.

Signorelli conversou com o Correio do Litoral.com via Facebook. Ele explicou que a Clínica Escola de Fisioterapia é um espaço destinado a ensino-pesquisa-extensão do curso de Fisioterapia e outros cursos da UFPR Litoral. “Foi viabilizada por meio de uma parceria entre UFPR e Prefeitura de Matinhos, em 2007, e vem realizando uma média de quase mil atendimentos por mês gratuitos para a população de Matinhos”, informa Signorelli.

“Cada uma destas instituições deve cumprir alguns papéis nesta parceria. Porém o diálogo com a prefeitura, que tem como responsabilidade fornecer a infraestrutura predial, manutenção e limpeza é muito difícil. O prédio atual, que é alugado e que seria provisório, acabou como definitivo. Tem inúmeras infiltrações, goteiras e toda parte elétrica está comprometida. Apesar dos inúmeros ofícios enviados pela UFPR solicitando manutenção, pouca coisa tem sido feita”, diz o professor.

A UFPR investiu aproximadamente R$ 500 mil em insumos e equipamentos, que estão se perdendo por falta de apoio da administração. “Os tatames e aparelhos do estúdio de pilates estão apodrecendo e enferrujando e há mofo nas paredes, o que é inconcebível num ambiente de saúde”, denuncia o professor.

O descaso ficou evidenciado com um incêndio de um ventilador no final de maio. Como não há saídas de emergência, um simples “acidente doméstico” passou a ser uma situação de risco para as pessoas. “Aliás, como era um galpão industrial, só existe uma única porta e não tem janelas, se o incêndio fosse na parte da frente, creio que teria sido uma tragédia, pois não há como sair pela parte de trás do prédio. E como lidamos com pessoas com deficiências, cadeirantes, não há como continuar num local inseguro como este”, conta Signorelli.

Recentemente, a clínica sofreu arrombamentos e teve equipamentos roubados.

“Convocamos toda comunidade universitária e comunidade de Matinhos a participar da reunião que decidirá o futuro da clínica Escola de Fisioterapia da UFPR de Matinhos. É algo de interesse coletivo, e cabe a cada cidadão lutar pela qualidade da saúde e educação”, informa o apelo divulgado pela Internet.

O convênio entre a UFPR Litoral e a prefeitura de Matinhos vence no dia 7 de julho.