Fisioterapia & Saúde

Ato Médico volta a debate, agora na Comissão de Educação

 

O projeto que dispõe sobre o exercício da Medicina, o chamado Ato Médico, volta a ser debatido no Senado Federal, nesta quarta-feira (25), em audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) solicitada pelo senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), relator da matéria.

Cássio espera que a comissão ponha um fim à disputa em torno do assunto. De um lado estão os médicos, preocupados em delimitar muito claramente o que consideram seu espaço profissional. Do outro, os que acham que a pretensão dos médicos é abarcar procedimentos tradicionalmente da seara de enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas e demais profissionais da saúde.

Somente os dentistas ficaram de fora. O texto diz que a lei não os afetará, já que têm atribuições semelhantes às de médicos, como fazer cirurgia e receitar remédio.

– Briga e conflito não resolverão o problema – aconselha Cássio Cunha Lima.

De todo modo, o assunto é polêmico. Tanto que está em discussão no Congresso Nacional há dez anos, quando os então senadores Geraldo Althoff e Benício Sampaio apresentaram projetos de lei para regulamentar o exercício da medicina.

Na primeira vez em que foram votados no Senado, entre 2002 e 2006, os projetos tiveram pareceres diferentes nas duas comissões onde foram analisados. Na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), foi aprovado o parecer do senador Tião Viana, favorável à proposta de Benício (PLS 25/2002), e contra a de Althoff (PLS 268/2002), que confiava ao Conselho de Medicina a missão de delimitar o campo de atuação — uma espécie de cheque em branco para que os próprios médicos definissem suas tarefas, o que gerou discordância dos profissionais de áreas congêneres.

Na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), aconteceu o contrário. A relatora, Lúcia Vânia (PSDB-GO), ouviu entidades profissionais de saúde como parte de um debate ao longo de dois anos. Ao final, propôs a rejeição do PLS 25/2002, e concluiu que o projeto de Althoff deveria ser refeito. A CAS, então, aprovou um texto novo, encaminhado para a análise da Câmara dos Deputados em 2006.

O que está em questão agora, no Senado, é o texto aprovado pelos deputados em 2009, após três anos de debate e votações em quatro comissões e no Plenário.

A polêmica

O Ato Médico enumera as tarefas que cabem unicamente aos médicos, e quais podem ser compartilhadas com outros profissionais. O texto diz, por exemplo, que só o médico pode aplicar anestesia geral, fazer cirurgia, internar o doente, e dar alta. Por outro lado, permite a outros profissionais tarefas como aplicar injeção, fazer curativo e coletar sangue.

Mas também afirma que só o médico pode diagnosticar uma doença e decidir sobre o tratamento. Por isso, os demais profissionais acusam os médicos de tentar usurpar atribuições que caberiam a eles também, em prejuízo inclusive dos pacientes.

– Certos setores da medicina são prepotentes. Acham que os outros profissionais devem se subordinar a eles. Acreditam ser os únicos capazes de cuidar dos pacientes — reclama o presidente do Conselho Federal de Psicologia, Humberto Verona.

Como o Código Penal considera crime exercer a profissão de médico sem autorização legal, o que pode resultar em pena que chega a dois anos de detenção, os não-médicos também temem ser presos por desempenhar seus ofícios.

Na avaliação de Élida Hennington, médica sanitarista da Fundação Oswaldo Cruz, os dois lados empregam todas as munições porque a regulamentação de uma profissão garante “controle de mercado” e “blindagem contra a invasão de outros profissionais”.

— Mas essas profissões não podem nunca esquecer que nenhuma delas é suficiente para enfrentar sozinha toda a complexidade da saúde humana, observa.

Tribunais

As entidades representativas dos profissionais de saúde prometem recorrer ao Supremo Tribunal Federal, caso o Ato Médico seja aprovado como está. Já promoveram até protestos de rua, estão presentes em todos os debates realizados no Congresso e se mobilizam na internet.

A presidente do Conselho Federal de Fonoaudiologia, Bianca Queiroga, acredita em “interesses mercadológicos” a mover os médicos, que, segundo ela, desejam um campo de trabalho mais amplo.

Caso esse objetivo seja atendido, alerta o presidente do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Roberto Mattar Cepeda, os médicos acabarão com a multidisciplinaridade nos hospitais, ao impedir que as decisões sobre o doente sejam tomadas em conjunto por médico, fisioterapeuta, psicólogo e nutricionista, por exemplo. A palavra final, ele teme, caberá sempre ao médico.

Os médicos argumentam que, com o Ato Médico, querem apenas impedir que outros profissionais invadam a medicina, colocando pacientes em risco.

O presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofem), Manoel Carlos Neri responde que os enfermeiros têm, sim, “competência legal e técnica” para receitar remédios. A lei que regulamenta a enfermagem, de 1986, já afirma que o enfermeiro de uma equipe de saúde pode receitar “medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública e em rotina aprovada pela instituição de saúde”. E, segundo ele, isso permite à rede pública atender mais gente.

— O problema do Ato Médico é que, em vez de tratar só dos médicos, cuida das outras profissões. Mas elas já estão regulamentadas. É um espelho da arrogância dos médicos. Em países desenvolvidos, os enfermeiros até aplicam anestesia. Aqui, de tão corporativistas, os médicos jamais permitiriam isso — diz Neri.

O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto d’Avila, não aceita o argumento. Para ele, enfermeiro com prerrogativa de médico só faz sentido em países miseráveis da África, onde é extrema a escassez de médicos e a população vive rodeada de epidemias mortais. Esse não é, diz d’Avila, o caso do Brasil:

— Deixar que enfermeiro diagnostique e trate coisas menores, como pneumonia, otite e meningite, é fazer medicina de pobre para pobre. Quem tem dinheiro é atendido por médico no hospital privado, mas quem é pobre é atendido por qualquer um no posto de saúde. Para o gestor público, é ótimo, porque gasta menos dinheiro. Para nós, é absurdo. Denunciaremos sempre.

Temores

No entender da senadora Lúcia Vânia, o temor dos profissionais que não são médicos é “descabido”. Ela ressalta que os deputados fizeram mudanças no texto aprovado no senado, mas não mexeram nas linhas centrais da proposta, preservando os cuidados tomados pelos primeiros relatores.

— Fazia sentido no passado. O projeto foi redigido por um médico [Althoff], teve um médico como primeiro relator [Tião Viana] e fazia reserva de mercado para os médicos. Os demais profissionais, com razão, entraram em pânico. Mas as falhas foram reparadas. Se há preconceito hoje, é por culpa do projeto original.

O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) concorda. Relator da proposta na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, responsável por aprovar o substitutivo da Câmara, no dia 8 de fevereiro, ele garante que a versão atual resguarda todas as profissões:

— Não vai ter médico com tarefa de psicólogo nem psicólogo com tarefa de médico. Quem critica é porque não leu. Se leu, não quis enxergar.

Valadares rejeitou modificações polêmicas feitas pelos deputados, e resgatou partes do substitutivo da senadora Lúcia Vânia. Ele manteve, por exemplo, como privativa dos médicos a “formulação de diagnóstico nosológico”, para determinar a doença, mas retirou essa exclusividade para diagnósticos funcional, psicológico e nutricional, além de avaliação comportamental, sensorial, de capacidade mental e cognitiva.

Após a votação da Comissão de Educação, o texto aprovado pela Câmara dos Deputados (SDC 268/2002) ainda terá que passar pela Comissão de Assuntos Sociais. Depois será votado no Plenário do Senado, e somente então seguirá para sanção presidencial para entrar em vigor.

Da Redação com informações de Ricardo Westin, do Jornal do Senado

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *