Fora da Ordem

O Ser Feminino

o-ser-femino

O discurso de Madonna durante a premiação na qual foi eleita pela Billboard como “Mulher do Ano na Música em 2016”, trouxe confissões e empoderamento. A cantora abordou situações íntimas e os desafios da carreira como pop star e mulher. Enquanto respirava profundamente em algumas memórias, seu olhar parecia revisitar o passado. Imagino que passou um filme em sua cabeça naqueles dez minutos de discurso. Entre as mensagens pungentes, declarou: “Na vida, não há segurança de verdade, exceto crer em si mesmo”.

Além das palavras precisas, me chamaram atenção as pausas de Madonna. Aqueles breves segundos em que ela respira, sente, olha cortando o ar, e retoma a fala. Vejo a plateia prender o fôlego. Um silêncio palpável, emocionado, constrangedor.

Quando se referiu aos apelidos que recebeu – “vadia”, “bruxa”, “pactuante com o Diabo” – confessou ter ficado paralisada. “Levou um tempo para que eu me recompusesse e continuasse com minha vida criativa; para que eu continuasse com minha vida”. Com a voz embargada, explicou ter encontrado conforto na poesia e na música.

Mais uma pausa. Madonna respira, olha para baixo e desabafa: “Eu me lembro de desejar ter um modelo feminino a quem eu pudesse procurar por apoio”. Outra grande pausa, agora maior, seguida de uma respiração curta e forte.

Naquele instante pensei sobre os modelos femininos que recebemos ao longo da vida – mães, professoras, tias, artistas como a própria Madonna, amigas, vizinhas, e até desconhecidas. Pensei nas ausências. Recordei o quanto desesperadamente nós mulheres, em fases distintas, precisamos de um apoio, de uma palavra amiga, de uma referência, seja de sucesso, de confiança, projetando o feminino de fora para dentro, para que possamos acessar nosso próprio potencial, sem culpa.

Naquela pausa senti a solidão de Madonna, e de tantas outras mulheres que buscam uma direção fora para ter força e coragem de se ver por dentro. O quanto ainda meninas queremos o olhar gentil nos apontando o caminho, nos dizendo que tudo bem em sermos nós mesmas, que há beleza e perfeição em nós. Que ter intuição não é fraqueza e se emocionar é sinal de estarmos vivas, e principalmente, que não precisamos embrutecer para ocupar nosso lugar no mundo, apesar dos infindáveis desafios que virão. Apenas um sopro de gentileza sobre nossa face pueril.

Sem ter a dimensão exata (acho que nunca se terá) do papel que nós mulheres desempenhamos umas para as outras, perdemos oportunidades de fortalecer o feminino. O ser mulher que há em nós nem sempre saúda o feminino que há no outro. Nossas pequenas brigas e competições enfraquecem nosso caminho, quando poderíamos nos olhar com mais compaixão e delicadeza. E haverá ainda tantas portas a atravessar.

“O que eu posso dizer sobre ser mulher?”, questionou Madonna na cerimônia. “Não há regras, se você é um homem. Se você é uma mulher, você precisa jogar o jogo”. Uma realidade do mundo pós-moderno, com ou sem estrelas. E Madonna complementou: “Envelhecer é um pecado. Você será criticada, você será a vilã”.

De Madonna às mulheres de todos os dias, me pergunto se não precisamos de mais referências femininas, neste mundo de avanço masculino. Lembro um comentário outro dia, em um desses vídeos que passam pelas redes sociais. Se você não vê uma mulher em posições de destaque, de sucesso, à frente de algo importante, é como se confirmasse internamente a crença de que ela não é capaz.

Como inspiração para 2017, deixo aqui a mensagem final de Madonna, eleita a “Mulher do Ano da Música em 2016”: “Enquanto mulheres, devemos começar a apreciar nosso próprio valor e o valor de cada uma. Busquem uma mulher forte para ser sua amiga, para se alinhar com ela, aprender com ela, para ser inspirada, para colaborar, para apoiar, para ser iluminada.”

Recomendado para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *