Blog do Jocélio Leal

Beco do Batman: um tom de protesto

881 1

 

São Paulo – O aposentado João Batista da Silva, 70, deu uma lição. Primeiro apagou tudo. Pintou tudo de cinza. O muro é dele. Tomou uma atitude que acabou virando um protesto involuntário contra o desrespeito ao sossego, só o que ele quer. O muro da casa de João integra o Beco do Batman, uma galeria aberta de grafites na Vila Madalena, Zona Oeste da capital paulista. Depois da comoção, ele cedeu e o local ganhará novos grafites. Mas a lição ficou. Veja no vídeo acima enviado por leitor do blog o momento em que João conversa com o vereador Eduardo Suplicy (PT), ontem à noite.

Apesar de gostar dos grafites, ele não aguentava mais ser importunado. O mesmo drama de tantos moradores de áreas turísticas.  Cá pra nós, turistas costumam dar de ombros para os moradores. Até a iluminação 24 horas, um aparente tento para quem adora o Beco, agrediu João. Muita zoada dia e noite.

À Folha de S. Paulo, o dono do muro disse:  “Essa luz fica acessa a noite inteira e isso atrapalha, além de atrair muita gente que passa noite falando alto e, às vezes, com o som ligado. É fácil falar [referindo-se às pessoas que o xingaram] quando não se mora aqui.”

A lição de João Batista vale para grafites e quaisquer outras intervenções urbanas. Em qualquer cidade. Elas podem ser ótimas, mas podem ser violentas.

Recomendado para você

1 comentário

  • Marcos Maia disse:

    É isso aí, Jocélio Leal. A chave de tudo é o diálogo e o bom senso, coisas raras nesses últimos tempos. Eu diria que a Vila Madalena inteira é uma grande Beco do Batman, ou seja, é Gotham. Um abraço, meu amigo!

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *