Blog do Jocélio Leal

643 servidores federais demitidos; no Ceará, 13

4632 5

Fortaleza – No ano passado, no Nordeste, 150 servidores públicos federais foram punidos por irregularidades e atividades contrárias à lei. Pernambuco lidera o ranking: 38 casos.  Depois vêm Maranhão (28), Bahia (24), Paraíba (16), Ceará (13), Alagoas (10), Piauí (9), Rio Grande do Norte (9) e Sergipe (3).  No Ceará, dentre as 13 demissões em 2018, houve 10 demissões de funcionários efetivos; e três cassações de aposentadorias. O principal motivo das expulsões foi a corrupção, com sete penalidades aplicadas, ou 53,84% do total. O abandono de cargo, inassiduidade ou acumulação ilícita de cargos são fundamentos vêm em seguida, com cinco casos (38,46%). No Brasil, 643 ao todo.

Entre as unidades da federação, o Ceará é o 15º com maior número absoluto de servidores punidos, com o Rio Grande do Sul. Já na comparação proporcional – que considera o número de punições a cada mil servidores federais – o Ceará é o 19º com maior média: 4,34 por mil. Os dados proporcionais consideram os últimos cinco anos. Desde o início da série histórica, no período de 2003 a 2018, o estado registra um total de 225 punições expulsivas.

Os números fazem parte de levantamento divulgado, nesta segunda-feira (28), pela Controladoria-Geral da União (CGU). Leia completo aqui

A lista reúne demissões de servidores efetivos, cassação de aposentadoria e destituição de cargos em comissão – aplicadas por órgãos e autarquias. O total de registros na Região Sudeste corresponde a cerca de 23,32% dos 643 agentes públicos punidos em todo o País, maior número na comparação dos últimos 16 anos.

Os dados não incluem os empregados de empresas estatais, a exemplo da Caixa, Correios e Petrobras.

Os servidores apenados, nos termos da Lei Ficha Limpa, ficam inelegíveis por oito anos. A depender do tipo de infração cometida, também podem ficar impedidos de voltar a exercer cargo público. Em todos os casos, as condutas irregulares ficaram comprovadas após condução de Processo Administrativo Disciplinar (PAD), conforme determina a Lei nº 8.112/1990 (Regime Jurídico dos Servidores), que garantiu aos envolvidos o direito à ampla defesa e ao contraditório.

 

Recomendado para você

5 Comentários

  • Wladimir disse:

    Existe uma esperança para o nosso Brasil, um pais tão rico de recursos naturais, capaz de melhorar a vida dessa população tão sofrida, que apostou nos governos civis, achando que os governantes militares eram opção retrógrada. Será que a volta de um presidente militar através de eleições direta, será a salvação de nossa nação. Que golpe duro sofremos em acreditar nos civis, que achávamos que iriam melhorar a nação, e acabaram afundados na corrupção.

  • Silveste disse:

    O funcionário público,de modo geral ,é corrupto,preguiçoso,acomodado e relapso.Esse tipo de gente tem que ser punido com remoção por justa causa.Não quero dizer que não haja excelentes funcionários públicos,claro que há.Porque o atendimento no setor público é péssimo?Exatamente pela existência deste tipo de gente.

  • Carlos disse:

    Poxa, agora posso voltar a dormir sossegado!

  • Carlos disse:

    Blablabla…eu sempre quis ser do mas, nunca passei nos concursos…mimimi…então eu falo não porque sou um incompetente…

  • É lamentável o que ocorre no setor publico brasileiro, entretanto, é uma pratica absolutamente normal processos fazer morada nas gavetas porque o funcionário é acometido da velha e conhecida preguiça de trabalhar. Conheço processos na Receita Federal do Ceará que uma simples comprovação do efetivo pagamento do imposto leva mais de 02 dois anos para o reconhecimento e outros que nem mesmo tem solução. A burocracia que impera na Receita Federal é majestosamente grande, que um processo para sair de um birô e passar para outro tem que ser redistribuído. E você pobre provedor, para falar com um Chefete desses, BEM isto é outro departamento.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + treze =