Plínio Bortolotti

Marina Silva, uma floresta no meio do caminho

501 6

Devido à postagem anterior sobre a possível candidatura à Presidência da senadora Marina Silva pelo PV, o leitor “Carlos” deixa o seguinte comentário:  “Tá dando uma de Irmã Jurema, é? Ou esse é o tal de jornalismo de prateleira?”.

“Jornalismo de prateleira”  eu confesso não saber o que significa;  “Irmã Jurema” é uma conhecida “vidente” de Fortaleza. Portanto, o leitor crê que eu estou me dispondo a prever o futuro.

Análise é diferente de adivinhação – e também se afasta de qualquer tipo de torcida – contra ou a favor.

E lembro que escrever um blog não é o mesmo que produzir uma matéria. Neste, está implícito, eu posso dar a minha opinião, respeitada a verdade factual. Ainda assim, não dei opinião na postagem anterior e nem vou dar neste: informei o fato e fiz uma análise.

Portanto, vamos separar as coisas:

1 – A verdade factual [o fato]: a senadora petista Marina Silva cogita a possibilidade de deixar o seu partido para filiar-se ao PV [Partido Verde] para concorrer à Presidência da República.

2 – A análise: a candidatura dela trará grandes dificuldades ao PT. Dificuldades maiores se a escolhida do presidente Lula para concorrer à Presidência, Dilma Roussef, tivesse de enfretar o outro candidato da “base aliada” que está se dispondo à corrida presidencial: Ciro Gomes [PSB].

3 – Algumas razões: a) Marina é militante histórica do PT e da causa do meio ambiente. O seu trabalho é reconhecido internacionalmente, basta ver a repercussão que causou a sua saída do Ministério do Meio Ambiente; b) em uma campanha, o PT não poderá atacá-la. Os outros candidatos não terão interesse em fazê-lo: mesmo se quisessem, seria difícil encontrar algo que pudesse atingi-la; c) Marina, por sua vez, não vai atacar ninguém, mas, por si só, os temas que ela levantará vão causar incômodo profundo, principalmente no PT; d) apesar da longa militância, ela será a “novidade” da eleição; e) ela vai atrair a simpatia de petistas desiludidos com os rumos do partido e de outros setores da esquerda, meio perdida, que encontrará um novo discurso para se revigorar e uma boa causa para defender; f) a candidatura dela vai atrair a simpatia de  organizações e militantes do meio ambiente do mundo inteiro – e a atenção da imprensa internacional.

[Existe também, ainda que muita gente possa desconsiderar – devido à brutalidade da política -, um componente psicológico; os laços pessoais e de amizade camaradagem que se formam ao longo do tempo, principalmente em relação a uma militante do estilo de Marina Silva que, por si só, representará um baque na militância do PT.]

É por isso que as principais lideranças do PT vêm se movimentando para manter a senadora no partido. E podem esperar que o próprio Lula, se o orgulho ferido não falar mais alto, vai entrar na turma do “fica Marina”.

Marina Silva, mesmo defendendo o PT; mesmo dizendo que o governo Lula fez mais do que qualquer outro pelo país; mesmo reconhecendo que o governo petista agiu para melhorar as condições de vida dos mais pobres; mesmo assim, a candidatura de Marina, por si só, será um dedo acusador – certo ou errado – em direção ao PT dizendo que o partido não está à altura das necessidades históricas – não somente dos trabalhadores – mas da própria humanidade.

Recomendado para você

6 Comentários

  • Dorisval de Lima disse:

    Comentei em oportunidade anterior que a migração da Senadora Marian – pessoa do meu mais absoluto respeito – téria um conteúdo muito esquisito, pela sua história, ter de conviver em partido integrado pelo filhote do Sarney – Deputado Sarney Filho; Hoje agrego meu entendimento coma a esquisitisse e a não adequada explicação oelo fato do PV ser alidado de primeira hora de governos tucanos em estados, a exemplo de São Paulo. Com base na análise do autor, não seria interessante e coerente que a Senadora provocasse uma disputam interna no PT para ser a candidata do Partido. Acredito que, com essa atitude, além de quebrar a tendência de cacicagem, ainda, certamente, arrebanharia setores insatisfeitos do PT para a campanha e com uma boa dose de possiblidade de vitória e guinada à esquerda.

  • joao kerenskysales moreira disse:

    Dizem que PV é um partido pequeno,não tem condição de administrar o Brasil…. e mais outras coisas.Quem não nasceu bem pequeno?Marina Silva vai contar con a confiança do povo brasileiro.Vai contar com a confiança Internacional.No presente momento ela representa a cofiança,o respeito, a moral e o orgulho de encontarmos em uma pessoa e que tanto nosso Brasil precisa.Pelo amor de Deus,acorda Brasil!

  • Rogério Ferraz Alencar disse:

    Dizer que o PT não está à altura das necessidades históricas da humanidade é fácil, qualquer um pode dizer, sem medo de errar. Nenhum partido, em nenhum lugar do mundo, está à altura disso. O PT pode não estar à altura das necessidades históricas dos trabalhadores brasileiros, mas é o partido que mais se aproxima de estar. O governo de Lula, do PT, fez bem ao Brasil, e, conseqüentemente, aos trabalhadores. A candidatura de Marina Silva pode complicar as coisas para o PT, mas não creio que petistas desiludidos deixem de votar no PT para votar em outro partido. Em uma campanha, o PT não poderá atacá-la? Os outros candidatos não terão interesse em fazê-lo? Por quê? Poderiam não atacá-la pessoalmente, mas poderiam atacá-la pelas alianças que ela fizer. Por quê os temas que Marina levantará vão causar vão causar incômodo profundo, principalmente no PT? O PT, por acaso, é “menos verde” do que os demais partidos? A candidatura dela pode até atrair a simpatia de organizações e militantes do meio ambiente do mundo inteiro e a atenção da imprensa internacional, mas não custa lembrar que ela enfrentará, caso saia do PT, alguém apoiado por Lula, que já tem atenção da imprensa internacional.

  • Jose Alberto Cavalcante disse:

    Devemos ter a consciência que o povo brasileiro tem a memória curta, sendo assim, os temas que ela levantar terão mais clareza na mente dos eleitores no tocante à administração do presidente Lula, uma vez que o mesmo governa o país a oito anos (no momento das eleições),

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *