Plínio Bortolotti

Ligação de jornalista faz burocracia da AMC se mexer e pintar “Pare”

764 1
Trabalhadores pintam "Pare" na rua Coronel Alves Teixeira, logo depois de...

Trabalhadores pintam "Pare" na rua Coronel Alves Teixeira, logo depois da AMC ficar sabendo que...

de ficar sabendo que O POVO publicaria mostrando que moradores fizeram o serviço da Prefeitura

... O POVO faria matéria sobre o assunto

Passando ontem [29/9/2009] na rua Coronel Alves Teixeira, esquina com a rua Nunes Valente (bairro Dionísio Torres), deparei com funcionários da Prefeitura pintando um “Pare” no cruzamento.

No dia 9/9 havia feito uma postagem mostrando que os moradores haviam pintado um “Pare” por conta própria, na tentativa de evitar constantes acidentes que lá aconteciam.

A partir da postagem a editoria de Cotidiano do O POVO pautou uma matéria sobre a iniciativa que as pessoas “comuns” tomam quando falta a ação do poder público. Um dos exemplo era o falado “Pare”.

Um repórter foi enviado ao local para fazer fotos e falar com os moradores das proximidades. O jornalista também ligou para a AMC [Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania] para ouvi-la sobre o assunto.

Pois não é que assim que soube que O POVO faria matéria sobre o assunto, que saiu na edição de hoje [1º/10], a AMC mandou trabalhadores pintarem o “Pare” no local, como pode ser visto na foto? [Veja os textos publicados pelo jornal: aqui, aqui e aqui.]

Quando eu parei para fazer a foto, ouvi chamarem meu nome: era um guarda municipal que trabalha em local próximo ao cruzamento. Foi ele quem me disse que colegas do O POVO tinham estado lá no dia anterior.

Ele me disse que já havia socorrido várias pessoas acidentadas no local, inclusive um menino de cerca de 7 anos que fora atropelado por um carro, recebendo uma forte pancada, que o deixou com a cabeça sangrando.

Foi o próprio guarda, segundo ele me disse, que resolveu pintar o “Pare” no local.

Agora, vejam vocês: enquanto o negócio ficou neste modesto blog, os burocratas da AMC não deram atenção ao fato. Mas bastou o jornal O POVO contatá-los dizendo que sairia matéria sobre o assunto, eles correram para consertar o malfeito.

Será que é assim que deve funcionar uma instituição pública?

Quero então avisar a AMC que, para várias questões urbanas, este blog vem servindo como sugestões de pauta para a editoria de Cotidiano do O POVO.

E, aproveito para acrescentar o seguinte: a rua Coronel Alves Teixeira tem duas mãos, apenas em um pequeno trecho dela, o que confunde os motoristas. Além disso, neste trecho do qual se fala, funcionam um Caps [Centro de Atenção Psicossocial]  e uma clínica médica, ambos com muito movimento de carros – e estacionamento permitido de ambos os lados da rua. Os acidente vão continuar.

Além do mais, todo o bairro Dionísio Torres está pessimamente sinalizado.

[Veja postagem imediatamente anterior sobre problemas urbanos ou Fortaleza, terra de ninguém.]

Recomendado para você

1 comentário

  • Davi disse:

    Favor pedir ao mesmo jornalista pautar a Rua Afonso Celso e pedir a opinião dos órgãos responsáveis sobre o aniversário de 3 meses do sumiço da placa de contramão e da impunidade dos veículos que trafegam de forma irregular por lá todos os dias. Fica a sugestão.

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *