Plínio Bortolotti

Tapera é e tapera será, até a quinta geração

562 1
A partir da esquerda, Tarso Araújo, João Paulo, um morador de Nova Olinda, Aureliano, eu

A partir da esquerda, Tarso Araújo, João Paulo, um morador de Nova Olinda, Aureliano, eu

Passamos um bom tempo conversando na varanda da Casa Grande, em Nova Olinda. Estávamos eu, Tarso Araújo [titular da coluna Cariri, do O POVO], João Paulo Marôpo [diretor Administrativo da Casa Grande], Aureliano Souza [da equipe de Arqueologia e Turismo] e um morador da cidade, que frequenta a casa.

Além das informações que já anotei em posts abaixo, me chamou a atenção que é comum pessoas loiras e de olhos claros nas cidades no alto da Chapada do Araripe, diferentemente de outras regiões do Ceará. O próprio João Paulo e o morador que se vê ao na ponta da mesa têm esse biotipo. João Paulo diz não saber exatamente o motivo, supõe que sendo as cidades da serra vizianhas de Pernambuco, “os holandeses devem ter andado por aqui” no período colonial.

Outra curiosidade é o nome da cidade: Nova Olinda. Pergunto se é uma homenagem a Olinda, em Pernambuco. Aureliano conta uma história na qual deve se misturar partes de verdade e de lenda.

Conta que Nova Olinda era um distrito de Santana do Cariri e chamava-se Tapera, nome que os habitantes não gostavam, por significar uma casa de má qualidade. Certo dia, na década de 1940, aparece no local um padre italiano, Frei Enrille, que vinha de Olinda. Pediu pouso justamente na casa onde hoje funciona a Fundação Casa Grande, habitada pela “elite” do local.  A guarida lhe foi negada e Frei Enrille foi obrigado a dormir “embaixo de um pé de pau”.

No outro dia, os habitantes mais humildes pediram para que ele rezasse uma missa, no que foram atendidos. Durante a missa, pediram a ele que também desse novo nome à localidade. Conta Aureliano que o frade sugeriu o nome de Nova Olinda, mas, em seguida, tirou as “precatas” bateu uma na outra para não levar nem o pó e completou: “Tapera é tapera será, até a quinta geração”.

Segundo Aureliano, o fim da praga foi marcada com a criação da Casa Grande, quando então, Nova Olinda começou a se desenvolver e a ser conhecida.

[Para ler todos os posts sobre o assunto clique abaixo em “Roteiro de férias”.]

Recomendado para você

1 comentário

  • Tarso Araújo disse:

    Um detalhe sobre Nova Olinda, Plínio. Atualmente, a cidade de Nova Olinda se desenvolve muito, e tem na Fundação Casa Grande um de seus mais fortes pontos de referência.

\

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *