Plínio Bortolotti

Novos Talentos O POVO: “Esses jovens…”

121 6

Espantalho Robô, de Hélio Rôla, com exclusividade para os leitores do blog

Hoje conclui-se a  formação de mais uma turma de Novos Talentos para estudantes de jornalismo. Escrevi para eles este artigo, publicado na edição de hoje (8/7/2010), do O POVO.

Esses jovens…
Plínio Bortolotti

“Meu tempo é hoje” diz certeiramente o mestre Paulinho da Viola. É bom ter lembranças, contá-las em roda de amigos; mas, vocês sabem, quem olha para trás vira estatua de sal.

Sinto que não vem coisa muito boa quando alguém começa: “No meu tempo…” para desfiar lição de moral ou para dizer que “antigamente” tudo era melhor. A memória é seletiva e sábia/traiçoeira, guarda o bom e manda para o subconsciente aquilo que nos amargurou. É duro ser criança e adolescente, mas quando as cãs nos aparecem, começamos a dourar a pílula dos tempos idos.

A maior vítima desse tipo de saudosismo é o jovem, acusado de não querer nada com nada; de ter abandonado o hábito da leitura (os pais teriam?), e de só querer saber da internet. A propósito, os jovens continuam lendo: preferem ler na internet, mas se encandeiam também com cartapácios, tipo Harry Potter e a saga Crepúsculo.

A internet é a vilã de hoje como os gibis o foram na minha meninice. Adquiri o hábito de ler graças ao Fantasma (“O espírito que anda”), ao Zorro (e seu amigo Tonto) e ao Tio Patinhas e sua trupe.

Bom, a introdução é para dizer que coordeno no O POVO o curso Novos Talentos para estudantes de jornalismo. Tenho a oportunidade de estar com jovens universitários e posso dizer que convivo com pessoas interessantes, interessadas e preocupadas com as coisas do mundo. E, obviamente, com seu próprio futuro, pois estão no limiar da vida adulta.

Hoje, conclui-se mais uma turma Novos Talentos, a oitava: mistura de jovens interessados em questões internacionais, artes gráficas, cultura, política, economia – e pelos problemas locais. Ajudeio-os a afiar o texto para que possam contar boas histórias aos leitores, aqui ou onde quer que se desenvolvam profissionalmente.

Teremos hoje um encontro festivo na Redação para comemorar a conclusão do curso. Esta é a minha homenagem a eles.

Inscrições para a próxima turma, clique aqui.

Recomendado para você

6 Comentários

  • André Teixeira disse:

    Novos Talentos foi minha segunda faculdade; me foram muito proveitosos esses seis meses.
    Boa sorte ao novos Novos Talentos. Nos encontramos na vida… ou na profissão.

  • André Teixeira disse:

    (Acho que a turma que se conclui é a sétima, não?)

  • Mônica Leal disse:

    Plínio,

    Que lindo artigo para estes jovens talentos!
    Tenho sobrinhas que são interessadas no mundo ao seu redor, conscientes e muito talentosas que foram apresentadas à leitura através dos gibis. E são jovens maravilhosas que com certeza terão seu lugar no mundo. Uma delas é amante do jornalismo: Isabelle Leal, que hoje é concludente desta turma, e é um talento com orgulho,
    Mônica

  • Mariana Pontes disse:

    Como concluinte da sexta turma dos Novos Talentos, a carapuça me serviu nessa homenagem. Para mim, o curso foi uma aprendizagem de como fazer o jornalismo. Sempre que escrevo, lembro das críticas e sugestões que aprendemos para deixar o texto mais “elegante”. Aqueles seis meses foram de extrema importância. Obrigada, Plínio. Foi uma honra ter um professor como você.

  • Elisianne Campos disse:

    Que saudade, Plínio! Faço minhas as palavras da colega Mariana: uma honra ter você como professor.
    Abs,
    Elisianne 🙂

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + quinze =