Plínio Bortolotti

IPM contra major Plauto: “Autoridade ou autoritarismo?”

528 1

Meu artigo publicado na edição de hoje (6/6/2013) no O POVO.

Ilustração de Hélio Rôla (clique para ampliar)

Ilustração de Hélio Rôla (clique para ampliar)

Autoridade ou autoritarismo?
Plínio Bortolotti

Fui um dos duros críticos da greve da Polícia Militar, que aterrorizou Fortaleza em fins de 2011, início de 2012. Primeiro, porque, constitucionalmente, militar é proibido de fazer greve; depois houve o agravante de ser um movimento armado.

Se a PM quer continuar como força auxiliar do Exército, que seus integrantes se submetam ao regulamento militar. Mas querem um coisa sem a outra. A cada vez que se propõe emenda constitucional para juntar as polícias em uma única força, civil, a corporação se une em grita generalizada para manter o status quo.

A propósito, a PM, entre as categorias de trabalhadores, parece ser a única que apresenta apenas reivindicações corporativas. Os professores, quando se manifestam, têm propostas para melhorar a educação; os bancários reivindicam melhorias para os clientes (como o Estatuto da Segurança Bancária, aprovado na Câmara dos Vereadores), e assim por diante. E os policiais, qual a proposta deles para melhorar a segurança pública?

Assim, não cabe criticar as medidas que o governo do Estado vem tomando para desarticular uma possível nova greve na PM. Porém, desenvolver medidas preventivas, exigir respeito à hierarquia, é diferente de promover caça às bruxas.

O que vem acontecendo com o major PM Plauto de Lima é uma indignidade. De auxiliar do governo (trabalhou na Secretaria da Segurança no primeiro governo Cid e foi diretor do IPPOO II, neste segundo), de repente foi reclassificado como inimigo, ou talvez pior, a se levar em conta as medidas tomadas contra ele.

Primeiro, foi afastado, sem explicação, do comando da Guarda Municipal. Agora, abriram contra ele um Inquérito Policial Militar, “com o objetivo de apurar possível indício de crime militar em matéria impressa publicada em 1º/06/2013, no jornal O POVO”, quando Plauto declarou ter sido “convidado” a se transferir para Juazeiro.

Seria apenas ridículo, não fosse o ranço autoritário e a demonstração de que, em matéria de segurança pública, o governo se demonstra completamente perdido.

Recomendado para você

1 comentário

  • Paulo Carvalho disse:

    Caro Plínio,
    Concordo com você… O governo, nessa área, está – a meu ver – meio atordoado.
    Questiono também essa historia de governantes(em todas as esferas) inaugurarem obras – as mais diversas – sem estarem devidamente concluídas;
    Acho que fugi um pouco do enfoque da sua matéria….desculpa, então…
    É isso aí…

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *