Plínio Bortolotti

A Copa da contradição

828 5

Reprodução do artigo publicado na editoria de Opinião do O POVO, edição de 12/6/2014.

Arte: Hélio Rôla

Arte: Hélio Rôla

A Copa da contradição
Plínio Bortolotti

Amigos, começa hoje a Copa do Mundo. Muita gente deve estar se preparando para ver a festa de abertura e o jogo do Brasil contra a Croácia. Já escrevi neste jornal que pouco me importo com futebol, isto é, quem ganha ou perde: gosto da plasticidade do jogo, da inteligência que ele demanda dos jogadores: é um dos poucos esportes que consigo ver por mais de dez minutos na televisão.

Logo, nunca fui entusiasta de times, nem mesmo da seleção, e já cheguei a me inclinar a ficar contra, quando havia unanimidade a favor. Porém, quando vejo a maré condenatória à Copa, aflora meu espírito antimanada. Sou adepto da tirada do mestre Machado de Assis: “Há muitos modos de afirmar; há um só de negar tudo”.

Não significa que concorde com tudo o que se faz em nome do Mundial. Para começar, defendo o princípio democrático de que grandes eventos têm de ser precedidas de consulta popular. O governo deveria ter posto as cartas na mesa, gastos, exigências da Fifa etc., e perguntado: “Caros brasileiros, vocês querem uma Copa nessas condições?” Se a resposta fosse positiva, bola pra frente – e ninguém poderia reclamar.

Pesquisa do instituto Data Popular mostra que 51,8% estão contra a Copa no Brasil, porém o percentual dos que vão torcer pelo escrete canarinho sobe para 86%. Ou seja, as pessoas sabem apartar o governo do apoio que emprestam a um símbolo nacional (goste-se ou não o selecionado representa isso). Por isso, além de delirante, nesta altura do campeonato, a consigna “Não vai ter Copa” é um tiro no pé de quem quer usá-la para bombardear o governo.

A consulta revela uma contradição entre ficar contra a Copa e ao mesmo tempo torcer pelo time. Para torcer pelo Brasil é preciso ter jogo e para ter jogo é preciso que o Mundial se realize. Portanto, se a pergunta fosse esta: “Você é favorável que a Copa seja suspensa?” O eventual leitor apostaria em qual resposta?

Recomendado para você

5 Comentários

  • Paulo Carvalho disse:

    Ultimamente tenho visto eventos dessa natureza – especialmente no Brasil – mais como uma ação inserida na política do “pão e circo”, acrescida da ideia de “um grande negócio”, do que a promoção de ação de “puro lazer”, “cultural”, etc… A par disso, ressalto que tive de acompanhar um familiar ao primeiro evento do Fan Fest o que mais me reforçou a ideia do “pão e circo” com o agravante de uma verdadeira apropriação do espaço público para interesse interesse privado. Aproveito o azo para sugerir assistirem – que não o fez – ao programa roda viva, com Juca Kfouri, disponível no Youtube.
    É isso aí…

  • PAULO disse:

    É óbvio que o “Não vai ter copa” não pode ser interpretado literalmente, pois todos sabem que acontecerá o evento (os lucros são muito grandes, não dá pra abrir mão….). Não sei se de forma tendenciosa, mas os jornalistas quase sempre interpretam ao pé da letra.

  • PAULO disse:

    Estou à vontade (gramática, meu caro…)… você tem futuro…

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *