Plínio Bortolotti

Ruas não garantem governabilidade

554 11

Escrevi neste blog e comentei no programa radiofônico Revista O POVO/CBN que considerei bastante significativas a mobilização em apoio ao governo Bolsonaro realizada no domingo (26/5/2019). Este setor mais radicalizado do bolsonarismo, escrevi, acompanhará o líder, mesmo que ele se jogue no abismo. Anotei ainda que era esperar para ver se Bolsonaro preparava-se para agir como faz Nicolás Maduro na Venezuela, apostando no apelo direto às ruas, desconsiderando o Congresso, ou se iria conformar-se com a institucionalidade. Na rádio comentei que esse setor fiel a Bolsonaro – guardadas as diferenças ideológicas – parece com o fenômeno de um segmento importante do petismo, que acompanha, incondicionalmente o Partido dos Trabalhadores.

Bolsonaro conseguiu, portanto, tornar-se líder de um grupo de extrema-direita, que já existia no Brasil, mas nunca havia conseguido organizar-se após a redemocratização. É um setor minoritário entre os que votaram no atual presidente, porém significativo, e que vai continuar atuante por um bom tempo.

O problema para Bolsonaro é que as condições favoráveis existentes quando ele assumiu o mandato estão esvaindo-se rapidamente e o governo não consegue acertar-se: é um bate-cabeça constante entre eles próprios, e nem é preciso dar exemplo, pois eles são frequentes. O fato de ele ter demonstrado que consegue mobilizar seus seguidores mais fiéis, não lhe garante governabilidade, nem mais poder sobre o Congresso.

Além da queda da popularidade entre os eleitores, o chamado “mercado” também está perdendo a paciência com Bolsonaro. Recentes pesquisas da XP/Ipespe mostram a situação. Uma consulta exclusiva com “agentes do mercado”, mostrou que os percentuais de confiança no governo vem caindo vertiginosamente. (A XP é uma empresa de investimentos, considerada uma das maiores corretoras do Brasil.)

Observe a pesquisa realizada entre os dias 20 e 21 de maio, com mil eleitores de todas as regiões do país.

 

Veja que o índice de “ótimo e bom” caiu seis pontos desde janeiro, ficando em 34% em maio; enquanto isso, o percentual de “ruim e péssimo” saiu de 20% para 36%, crescimento de 16 pontos percentuais. Foi a primeira vez em que o índice negativo superou o positivo.

Entre os “agentes do mercado”, a aprovação teve uma queda brutal, de 72 pontos percentuais desde de janeiro. Saiu de 86% de “ótimo e bom” para 14%. O “ruim e péssimo” aumentou 42 pontos percentuais, crescendo de 1% para 43%.

Costuma-se dizer que pesquisa assemelha-se a uma fotografia, pois retrata um momento congelado no tempo, o que não deixa de ser verdade. No entanto, quando se tem uma série de pesquisas, ela torna-se um filme em movimento, indicando qual a sua tendência.

Como se pode observar nas pesquisas, a tendência é inequivocadamente de redução de popularidade. Sem uma medida importante para sustar os motivos queda, ela tende a continuar. E, até agora, fora a reforma da Previdência, que não terá resultados imediatos, não há nenhuma proposta do governo que possa estancar a queda de popularidade ou inverter essa tendência.

* * *

>> Pesquisa com a população.
>> Com agentes do mercado.

Recomendado para você

11 Comentários

  • Alexandre disse:

    Penso não ser legítima a tentativa de retirar o valor das mobilizações populares do dia 26/05, pois foi só o povo sair às ruas que a reforma administrativa foi aprovada, Rodrigo Maia afirmou que dará celeridade a reforma da previdência, o dólar fechou a menos de R$4,00, e depois perguntam porque a mídia tradicional está a cada dia à beira da falência. Acorda seu moço, para não ficar “estocando vento”!!!!!!

    • Plinio Bortolotti disse:

      Caro Alexandre, 1) Reconheci que a manifestação foi significativa; 2) Você esqueceu de acrescentar que o PIB recuou 0,2% no primeiro trimestre do ano.

  • Alexandre disse:

    Vale lembrar também que coincidência ou não, após a manifestação o Legislativo e Judiciário foram rapidinho buscar um pacto c/ o Executivo!

  • Uendersen disse:

    Parabéns, excelente análise

  • Francisco das chagas de maria disse:

    Falta a imprensa para com as Fake News contra o governo!!

    • Plinio Bortolotti disse:

      Falta o governo parar de transmitir “fake news” e chamar de “fake news” qualquer crítica a ele. Governar pelo Twitter não dá certo.

  • Amyr Feitosa disse:

    bolsonarismo só existe na cabeça vazia dos tolos … o que há é a insatisfação e rebeldia nas ruas pela incomensurável roubalheira que assola o patropi há trinta e quatro anos desde Sarney aquele sujeito cínico que pela omissão e descaso do gen. Fiqueiredo assumiu de forma ilegal a presidência e deu nisto … o país pode ser governado com o arcabouço de leis existentes basta estancar a roubalheira e não se dobrar à politicalha saudosa do achaque ao lascado erário e morrendo de medo da cana dura lenta mas fatal … eu já teria mandado elaborar o Plano B e mandado esta escória imoral às favas … ou prá Venezuela já que gostam tanto da doce utopia.

  • Alexandre disse:

    Se “analista”, podemos dizer que o primeiro trimestre foi perdido, pois o Pres. ainda estava convalescendo da facada que recebeu. Em relação ao Coaf “perdido” pelo Moro, sabemos que a derrota foi do povo e não do Moro, pois muitos voltaram causa própria. Ademais, o P Guedes já disse que vai manter a diretoria do Coaf!

  • Renan disse:

    Kkkk! Pára Plínio! Vc já está se tornando especialista no Bolsonaro! Deve conhecer ele melhor que a esposa dele. Freud explica isso: é uma atração física. Tá parecendo um colega meu que é torcedor fanático do Fortaleza EC, mas só fala do Ceará SC, sabe a escalação toda! Tá feio já!

    • Plinio Bortolotti disse:

      Caro Renan, Já que você entende tanto de psicologia e de Freud – ou está citando só de orelhada? – devia perceber que você está espelhando no outro a sua vontade mais recôndida. “Esposa”, “atração física”, sei…

\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *