Política

“Heitor que se cuide pra não perder o foro privilegiado”, diz André Fernandes

Sala vazia onde funcionaria a sede do PSL no Ceará, segundo o TSE

Autor de pedido de afastamento do deputado federal Heitor Freire da presidência do PSL no Ceará, o deputado estadual André Fernandes disse que o colega de partido “é político de um mandato só”.

“Não vou mais bater em cachorro morto”, acrescentou Fernandes. “Ele que se cuide pra não perder foro privilegiado, porque daqui a pouco a PF chega no Ceará com tudo.”

Alvo de ação por danos morais movida por Freire, o deputado respondeu ainda que, “se tivesse medo de processo, eu não seria político”.

O pesselista completou: “Ele (Heitor Freire) não aguenta a verdade e quer calar os outros no medo, processando”.

Entre as razões que Fernandes apresentou em seu pedido para destituir Freire do comando do PSL estadual, estão a quebra da ética partidária, a nomeação de não filiados para cargos de liderança na sigla e suposto mau uso de recursos públicos.

Fernandes acusa Freire de utilizar dinheiro da cota parlamentar para pagar aluguel de imóvel onde já funcionou empresa familiar.

Há duas semanas, O POVO revelou que, enquanto despachava numa sala na Torre Quixadá até o final de junho, Freire gastava R$ 11 mil por mês para locar espaço situado na rua Frei Mansueto, 1472, no bairro Varjota.

O deputado federal nega as acusações. Até agora, porém, Freire não apresentou documentos que comprovem que desenvolvia atividade parlamentar no endereço indicado.

O único documento enviado à reportagem, uma foto de reunião partidária que, segundo ele, era muito antiga, é na verdade do dia 22 de junho.

Procurado pelo Blog Política para comentar as críticas de Fernandes, o presidente do PSL cearense confirmou ter ingressado com ação contra o correligionário.

“A minha honra e moral não podem ser alvo de uma conduta insana e inconsequente por parte de uma pessoa que já mostrou que entrou na política sem projetos para o povo cearense, mas só voltado a tentar destruir reputações”, declarou o parlamentar.

O dirigente ressaltou que “o processo se refere a danos morais, pois foram feitas acusações graves e mentirosas, via redes sociais e um show pirotécnico do sr. André Fernandes contra a minha pessoa”.

A reportagem pediu então uma cópia da ação, mas o deputado disse que não dispunha de uma para remeter.

Ainda na resposta, o deputado federal levantou dúvida sobre a continuidade de Fernandes no PSL, cujas acusações são matéria de análise da comissão de ética da legenda.

“O processo disciplinar envolvendo a permanência ou não do sr. André Fernandes na legenda seguirá o trâmite legal e oficial”, disse Freire.

A briga interna do PSL no Ceará começou ainda em maio, com aproximação entre Freire e o prefeito de Caucaia, Naumi Amorim (PMB).

A relação despertou insatisfações dentro do partido de Bolsonaro, sobretudo de Fernandes, que via oportunismo no gesto.

Após crítica do deputado estadual, entretanto, Freire dissolveu a executiva do PSL no município da região metropolitana.

No mês seguinte, o pesselista faria o mesmo, agora com o PSL de Fortaleza, então comandado por Fernandes.

Dias depois de ter sido apeado da presidência do diretório municipal do partido na Capital, Fernandes protocolou pedido de afastamento de Freire na executiva nacional da legenda. O pleito ainda está sendo analisado.

O documento também é assinado pelo deputado estadual e líder do PSL na Assembleia Legislativa, Delegado Cavalcante.

Em meio à guerra, Freire foi reconduzido para a presidência do partido no Ceará até 31 de dezembro deste ano.

Em consulta feita nesta segunda-feira, 8, o endereço que consta no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como sede do PSL na Capital é a avenida Barão de Studart, 2360, Torre Quixadá.

As salas indicadas por Freire, no entanto, estão vazias, como mostram fotos obtidas pelo Blog Política – uma delas ilustra esta reportagem.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *