Sincronicidade

Reminiscências fotográficas de Clarice

clariceNão pense que a pessoa tem tanta força assim a ponto de levar qualquer espécie de vida e continuar a mesma. Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso – nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro. Nem sei como lhe explicar minha alma. Mas o que eu queria dizer é que a gente é muito preciosa, e que é somente até um certo ponto que a gente pode desistir de si própria e se dar aos outros e às circunstâncias. Depois que uma pessoa perder o respeito a si mesma e o respeito às suas próprias necessidades – depois disso fica-se um pouco um trapo.

Clarice Lispector

[Carta de Clarice Lispector à irmã Tania Kaufmann. Publicada em: Clarice Fotobiografia. Nádia Battella Gotlib. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008, p. 232]

Foi com intensa emoção que folheei as primeiras páginas do livro “Clarice Fotobiografia”. A autora, Nádia Battella Gotlib, já havia publicado antes, em 1995, um outro excelente livro, “Clarice, uma Vida que se Conta”, tratando da mesma personagem, a escritora Clarice Lispector.

Para mim, na constelação de escritores brasileiros, Clarice será sempre a eterna estrela. Há vários escritores e escritoras brasileiros cuja leitura me causa intenso deleite. Mas há dois, um escritor e uma escritora, que considero muito mais que escritores: são Mestres. A estes dois tenho retornado sempre com renovado prazer. Refiro-me a Machado de Assis e Clarice Lispector. Se a mim não tivesse sido possível ler quaisquer outros livros que não os de Machado e Clarice, eu já me daria por bastante satisfeito.

Pois bem, os apaixonados por Clarice têm, agora, a oportunidade de incluir em sua biblioteca particular um livro que vai lhes proporcionar o imenso prazer de ter contato com um vasto material iconográfico sobre a escritora.  

O livro publicado por Natália Battella Gotlib é resultado de uma exaustiva pesquisa, que resultou na compilação de vasto material, o qual inclui fotografias, cartas e outros documentos. A propósito da organização do livro, afirma a autora:

“O desejo de criar uma Fotobiografia de Clarice Lispector, como a que aqui se propõe, é projeto antigo. Comecei a reunir imagens paralelamente à leitura dos seus textos, enquanto preparava cursos destinados a estudantes universitários. Eram imagens xerografadas, coletadas a partir de reproduções encontradas em jornais e revistas, e, depois, em arquivos de tais periódicos, que eu guardava, com a intenção de um dia organizá-las em função da sua contextualização que, na época, me era quase desconhecida: quando teriam sido tiradas as fotos, em que local, em que circunstância?” (p. 11).

O livro tem mais de seiscentas páginas e apresenta em torno de oitocentas fotografias. Quanto ao projeto de editar uma fotobiografia de Clarice, afirma a autora que, a certa altura, indagou a si mesma: “Percorridas as etapas e definidas a formatação e diagramação, é inevitável ocorrer também uma pergunta: por que fotobiografar Clarice? Não seria recomendável que ela ficasse ali, no seu lugar, que é o da sua literatura, lugar de destaque conferido pelos seus já numerosos leitores, graças à qualidade estética inovadora de seus textos, marcados por denso e surpreendente poder desconstrutor?” (p. 13).

Recorrendo a Roland Barthes, a própria autora propõe uma possível resposta à indagação: “Talvez Roland Barhes ajude a entender esse impulso em direção à figura do autor, de quem ficam apenas as cinzas, a partir de cada obra publicada. Pois ao terminar sua obra, o autor dela se desprende. E nos deixa diante apenas da sua literatura. A Clarice-Autora é, pois, uma outra, a que desaparece pela força da sua própria criação. No entanto, esse autor morto, de certa forma, parece reviver mediante o resgate documental. Fotos, documentos, depoimentos, encontros, viagens, relações sociais e profissionais, dados, enfim, que parecem adormecidos, adquirem certa vida, ou sobrevida, a partir do registro visual” (p. 13).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *